Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Domingo, 30 de Julho de 2023
Valorizar os servidores do serviço público

Há por aí um alarido por parte dos comentadores políticos sobre a posição do Presidente da República ao vetar o Diploma do governo sobre a carreira dos professores e, pasme-se, sobretudo, porque entendeu, do ponto de vista político e da magistratura que lhe confere o cargo, deixar bem claro na justificação do veto o que entende sobre áreas nucleares para o desenvolvimento de uma sociedade e de um país ainda com significativos atrasos estruturais.

A desonestidade dos comentadores políticos ao referirem que a valorização social e salarial dos funcionários públicos, sobretudo os profissionais do ensino, ciência e saúde, é uma irresponsabilidade política e atenta contra a estabilidade financeira do país é um tema que merece uma análise cuidadosa e crítica. Embora possa haver opiniões divergentes em relação a essa questão, considero que é importante considerar os fatos e entender a complexidade desse assunto.

Em primeiro lugar, é fundamental reconhecer que os funcionários públicos desempenham um papel essencial na prestação de serviços públicos e no funcionamento do Estado. Eles atuam em áreas críticas, como saúde, educação, segurança e infraestruturas, garantindo que as necessidades básicas da população sejam atendidas. Portanto, deixemo-nos de subterfúgios, a valorização desses profissionais é uma questão de justiça e reconhecimento pelo serviço que prestam à sociedade. Esses comentadores, e eles sabem isso, não podem negligenciar o facto de que a falta de valorização dos funcionários públicos pode levar à desmotivação, à evasão de talentos e à baixa produtividade no setor público. Salários desfasados e condições precárias de trabalho desencorajam muitos profissionais competentes a permanecerem nas suas posições, levando a uma perda significativa de conhecimento institucional e de experiência.

É fundamental que o debate sobre a valorização dos funcionários públicos seja conduzido de maneira honesta e embasada em factos concretos. É verdade que os recursos públicos são limitados, mas é possível encontrar um equilíbrio entre a responsabilidade fiscal e a garantia de serviços públicos de qualidade.

O discurso desses "opinion makers” de que a valorização social e salarial dos funcionários públicos é uma irresponsabilidade política é frequentemente utilizado como argumento para justificar medidas de austeridade, cortes de gastos e congelamentos salariais. No entanto, essa abordagem simplista pode não refletir a realidade económica e social do país.

Basta de austeridade, basta de cativações, este expediente que tem atingido algum extremismo, pode resultar em danos maiores para a economia, especialmente quando se trata de setores críticos. Salários desfasados e condições de trabalho precárias podem levar à desmotivação e ao êxodo de profissionais, prejudicando a qualidade dos serviços públicos prestados à população.

Responsabilizar a valorização salarial de setores nucleares do funcionalismo público pela instabilidade financeira é uma visão parcial da realidade. Em vez de culpar os funcionários públicos e a valorização dos seus salários pela instabilidade financeira do país, seria conveniente e necessário, nas suas abordagens comentaristas, adotar uma abordagem mais abrangente para a gestão das finanças públicas.

Volto a reafirmar: há desonestidade de alguns comentadores políticos ao apontarem a valorização social e salarial dos funcionários públicos como uma irresponsabilidade política que ameaça a estabilidade financeira do país, é uma visão simplista e injusta da realidade. Valorizar esses profissionais é reconhecer a importância do trabalho que realizam para o bem-estar da sociedade. É necessário ver além das narrativas simplistas e compreender a importância de investir nos servidores públicos como forma de promover o desenvolvimento do país e o bem-estar da sua população. Com discursos enviesados, porque agora, nesta conjuntura, dá jeito e o “mainstream” cativa muitas “audiências”. Somente por meio de uma discussão honesta e fundamentada poderemos construir soluções efetivas para os desafios que enfrentamos em relação ao funcionalismo público. Entendo que fez bem o Presidente da República em chamar atenção para estas questões: se é preciso dar prioridade, que se dê prioridade a professores e a profissionais de saúde. Bem sabemos que é um desafio complexo encontrar o equilíbrio certo entre as necessidades de diferentes grupos, mas é essencial buscar soluções que reflitam os valores e objetivos da sociedade em questão. Só para terminar, quero deixar claro que é importante lembrar que a priorização desses grupos não significa ignorar outras profissões e necessidades da sociedade.

Domingos Caeiro



publicado por albardeiro às 13:38
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Junho 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

A COMPARAÇÃO

A FUSÃO

AJUSTE DE CONTAS

Seminário em Alenquer - A...

O MOMENTO DA VERDADE (em ...

ROLO COMPRESSOR

Reflexão sobre o artigo d...

AS PERGUNTAS

Valorizar os servidores d...

MÍNIMOS

arquivos

Junho 2024

Maio 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Outubro 2023

Julho 2023

Junho 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Outubro 2020

Julho 2020

Junho 2020

Abril 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub