Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Domingo, 5 de Abril de 2020
SOBREVIVÊNCIA

Nestes dias de quarentena, dei por mim a reler Equality, uma das mais conhecidas obras do historiador e pensador social inglês da primeira metade do século XX, Richard Tawney, tendo-me deparado com uma frase que penso que se adapta bem ao momento que atravessamos: “Mankind, it seems, is more easily shocked by the unusual than by the shocking.” (Richard Tawney, Equality, London, George Allen & Unwin, 1951, p. 91). De facto, surpreendemo-nos mais com a irrupção inusitada da pandemia do covid-19 – o que é perfeitamente compreensível – do que com a total incapacidade demonstrada pelos governantes de alguns dos mais importantes países do mundo em fazer-lhe frente – o que devia constituir um sinal inequívoco de alarme e questionamento sobre as sociedades em que vivemos. Se a pandemia mata, a irresponsabilidade de alguns dirigentes mata muito mais. Se, no primeiro caso, falamos da saúde das populações, no segundo, temos de lhe acrescentar a saúde das nossas democracias.

Comecemos pelo caso flagrante da primeira potência mundial. Nos EUA, os efeitos da imbecilidade de Donald Trump são por demais evidentes, com este a proferir declarações tão inacreditáveis quanto infantis a propósito de um tio que percebia imenso do assunto e que o “vírus chinês” – como faz questão de se lhe referir – não era tão grave quanto os chineses queriam fazer passar; chegou a apelidar a pandemia de “embuste”. Com os EUA a registar já um enorme número de infetados e mortos, Donald Trump questionou, no passado dia 26 de março, na Fox News, a necessidade de ventiladores, dizendo que normalmente há dois por hospital e, por isso, não compreendia a razão dos pedidos repentinos da aquisição de 30 mil. O conjunto de declarações proferidas pelo Presidente norte-americano nos últimos dois meses mostra, aliás, até que ponto vai o seu cabotinismo: a 10 de fevereiro, profetizava que “Em princípio, o vírus de que estamos a falar irá embora em abril, quando o tempo aquecer” e a 27, já com perto de uma centena de casos, reiterava que “O vírus vai desaparecer. Um dia – como um milagre – ele vai desaparecer”; a 7 de março, já a atingir 500 casos, afiançava, “Não, não estou nada preocupado. Estamos a fazer um grande trabalho”, para, a 17 de março, já com mais de cinco mil casos e várias centenas de mortos, acabar por reconhecer, ainda que distorcendo declarações anteriores com a mais descarada desfaçatez, “Isto é uma pandemia. Senti que era uma pandemia muito antes de lhe chamarem pandemia”. Esta atitude é tão grosseira que levou, por exemplo, o governador do Illinois, J. B. Pritzker, a declarar “Presidente, você deve liderar uma resposta nacional em vez de fazer birras. Onde estão os testes? Saia do Twitter e faça o seu trabalho!” (Visão, 28/3/2020).

Aliás, crescem o número de governadores estaduais (alguns deles republicanos, como é o caso do governador da Carolina do Sul, Lindsey Graham, considerado muito próximo do Presidente) que discordam abertamente da política irresponsável e errática de Trump. É a este ponto que as coisas chegaram. Os números de infetados e mortos nos EUA têm vindo a aumentar exponencialmente – fala-se numa previsão que oscila entre os 3 a 6 milhões de infetados e entre 100 e 200 mil mortos – sendo já o principal epicentro mundial do contágio. “Estamos a olhar para algo catastrófico a um nível que não observámos numa doença infeciosa desde 1918”, afirmou Jeffrey Shaman, líder da equipa de investigadores da Universidade de Columbia ao The New York Times, o grupo de cientistas que concluiu que o número de casos reais relativamente aos registados tinha, seguramente, que ser multiplicado por 10 (Visão, 28/3/2020). Recorde-se que a gripe pneumónica de 1918-19 foi a pior epidemia da história desde a Peste Negra no século XIV, tendo morto 50 milhões de pessoas em todo o mundo.

A única preocupação de Trump – e repito, a única (não se trata de nenhum processo de intenções, antes decorrendo das múltiplas declarações públicas do governante nesse sentido) – é com os efeitos económicos devastadores que esta pandemia terá na sua reeleição (suspeito mesmo que vão ser feitos todos os esforços por parte da administração norte-americana e pelos republicanos para adiarem as eleições presidenciais de novembro). Já num período avançado de contágio comunitário, Trump assegurou que a atividade económica iria ser retomada em semanas e não em meses, com a justificação tão fanfarrona quanto patética de que “O nosso país não foi construído para ser fechado.” Quando anunciaram a previsão de 50 mil mortos, a resposta de Trump foi: “É muito, mas olhem para os acidentes de carro, que são muito mais do que todos os números de que estamos a falar. Isso não significa que vamos dizer a todos para pararem de guiar. Então vamos fazer coisas para desbloquear o nosso país” (Visão, 28/3/2020). Palavras para quê? (Alguém tenha a caridade de explicar a esse cretino o que é um contágio). Ao subestimar desta forma a ameaça, Trump cria as condições objetivas para a morte de milhares dos seus conterrâneos. A imputação do crime de homicídio em massa por negligência não terá qualquer dificuldade em ser provado.



No mesmo sentido, Boris Johnson resistiu a avançar com as medidas necessárias para travar a propagação do vírus, levando a cabo uma estratégia irresponsável e verdadeiramente suicida que passava por deixar que pelo menos 60% da população fosse infetada com vista a criar a denominada “imunidade de grupo”, atitude totalmente à revelia das indicações da OMS e dos princípios sanitários adotados pelos principais países atingidos pela pandemia, e apesar de especialistas terem alertado o poder de Downing Street para a possibilidade de tal estratégia vir a provocar cerca de meio milhão de mortos no Reino Unido. Perante a catástrofe provocada pela inação, que se prolongou por semanas, o executivo britânico acabou por mudar radicalmente de posição, tendo, no entanto, perdido tempo crucial no combate ao covid–19. O número crescente de infetados foi caracterizado por responsáveis hospitalares ingleses como um “tsunami contínuo” com uma progressão muito maior do que alguma vez se imaginou. Boris Johnson, depois da negligência criminosa dos primeiros dias, teve que inverter a marcha e calar a sua bazofia compulsiva (acabando, ele próprio por ser infetado) e admitir que o Reino Unido atravessava “a pior crise sanitária de uma geração”. Mas, entretanto, estas tergiversações nas orientações governamentais contribuíram para a morte de milhares de pessoas.

E se estes exemplos são suficientemente elucidativos, o caso do Brasil é tão dramático quanto caricato. Também as declarações de Jair Bolsonaro (de quem Pedro Mexia disse, no programa televisivo “Governo Sombra”, que era “Trump sem a escolaridade obrigatória”) são inacreditáveis; depois de desvalorizar a pandemia como um simples “resfriadinho” e sublinhar que “Depois da facada, não vai ser uma gripezinha que vai me derrubar, não vai não!”, Bolsonaro acabou por afirmar aquilo que, dadas as circunstâncias, deveria ser verdadeiramente indizível: “todos temos que morrer um dia”! O cineasta Sérgio Tréfaut, a residir no Rio de Janeiro, não hesitou em qualificar tamanha alarvidade: “Asco. Repulsa. Nojo. É o mínimo que o atual Presidente do Brasil, eleito pela população, suscita em qualquer pessoa com um resto de razão.” (Público, 24/3/2020), acrescentando,É inevitável que o Brasil entre brevemente em estado de epidemia generalizada.”, dada a atitude “demente” do seu presidente. Dá-nos, aliás, conta de um caso verdadeiramente chocante e que diz bem do tipo de sociedade que é a brasileira (depois de Bolsonaro ter elogiado a suposta resistência dos brasileiros às doenças, com o edificante exemplo dos “moleques” miseráveis que tomavam banho nos esgotos das grandes cidades e nada lhes acontecia): “O primeiro caso de morte por coronavírus no Estado do Rio de Janeiro é emblemático da cruel realidade do país. Trata-se de uma empregada doméstica, contagiada por uma patroa que regressou de Itália e que, apesar de se saber portadora do vírus, não dispensou a empregada e não a protegeu.”

Para além do problema sanitário, toda esta crise coloca, com particular acuidade, a questão da capacidade de muitos dos atuais governantes cumprirem as suas obrigações para com os seus povos, segundo o velho – mas sábio – princípio jurídico romano “salus populi suprema lex est” (o bem-estar do povo é a lei suprema). Torna-se evidente a indigência intelectual e a total impreparação para o desempenho dos cargos governativos de um Jair Bolsonaro ou de um Donald Trump – personagens que o jornalista José Carlos de Vasconcelos fez questão de qualificar como “os execráveis” (Visão, 19/3/2020) – ou do oportunismo burgesso e leviano de um Boris Johnson. Não só a sua ação prejudica claramente os respetivos países e as suas populações, como coloca mesmo em causa o funcionamento da democracia, descredibilizada por tamanha incompetência, confirmando a desencantada ironia do dramaturgo irlandês George Bernard Shaw, segundo o qual “A democracia é um sistema que garante que não seremos mais bem governados do que merecemos”. Para o historiador e filósofo israelita Yuval Noah Harari, autor do best-seller internacional Sapiens: uma Breve História da Humanidade, não parece haver dúvidas: “Faltam líderes à Humanidade na batalha contra o coronavírus.”, sublinhando que “Para derrotar uma epidemia, as pessoas precisam de confiar nos cientistas, os cidadãos precisam de confiar nas autoridades públicas e os países precisam de confiar uns nos outros.” (Visão, 19/3/2020).

Perante a necessidade da imposição de estados de emergência e do estabelecimento de medidas de confinamento social, dir-se-ia que a própria democracia pode estar em perigo e constituir também uma das vítimas da crise atual. Mas os hossanas cantados à eficácia chinesa no combate à pandemia, com a imposição de uma série de medidas draconianas que muitos gostariam de ver replicadas nos seus países, escondem o simples facto de que a reação inicial das autoridades chinesas foi a de abafar o surto de Wuhan, considerado um sinal de fraqueza do próprio regime, condenando assim à morte muitas milhares de pessoas (incluindo o primeiro médico a denunciar a situação, Li Wenliang, convocado ao Gabinete de Segurança Pública a 3 de janeiro e acusado de fazer falsas declarações e espalhar boatos, sendo severamente repreendido). Tal teria sido, felizmente, impossível de acontecer numa sociedade democrática, onde o escrutínio público é muito maior e mais eficaz. Se temos de sofrer restrições à nossa liberdade, que isso seja feito de forma temporária e limitada, no âmbito das regras de um Estado de direito democrático.

Esta crise chama, sobretudo, a atenção para a importância dos serviços públicos e do Estado social, contra as litanias liberais das privatizações e do “cada um por si”. Que os serviços públicos de que cada país deve dispor deixem de ser vistos como gastos, mas antes como investimentos na qualidade de vida das populações e elementos fundamentais na coesão das respetivas sociedades, provendo-os dos meios necessários para o cumprimento das suas funções e valorizando devidamente todos os profissionais que neles trabalham. Esta poderá ser a consequência mais perene da atual situação.

Poucas vezes estive de acordo com Francisco Assis. Mas quando este ex-dirigente socialista intitula um seu artigo de opinião no Público (28/3/2020), “Bolsonaro, um criminoso de guerra”, não só me apetece felicitá-lo pela frontalidade, como sugerir que se juntem, pelo menos, outros dois nesta troika assassina: Donald Trump e Boris Johnson (a poderíamos acrescentar outras avantesmas, como o presidente da Bielorrússia, o todo poderoso Alexander Lukashenko que sugeriu aos seus concidadãos uma dose diária de vodka para combater o covid-19). Faço então minhas as palavras de Assis: “Jair Bolsonaro não é um canalha acidental. A ausência dos mais leves vestígios de integridade moral constitui a essência da sua personalidade, tal como ela publicamente sempre se manifestou […] Tudo no Presidente brasileiro é do domínio da fraude, da fancaria, da pura indigência mental.” Perante a pandemia e o gigantesco – até pela dimensão do país – problema de saúde pública, Bolsonaro, “Recorrendo a um discurso antirracionalista e anticientífico formulado num tom jocoso […] poderá condenar milhares, senão milhões, de brasileiros à morte. O seu comportamento é imperdoável – considero-o equiparável ao de alguns criminosos de guerra que acabaram por cair na alçada da jurisdição penal internacional.”

Compartilhamos, por isso, o desejo da escritora norte-americana Siri Hustvedt: “Pode-se falar numa espécie de justiça poética se um verdadeiro vírus acabar por ser a causa da queda de Trump. Sim, seria uma espécie de justiça poética maravilhosa.” (Público/Ípsilon, 27/3/2020). Pela sobrevivência de todos nós, que assim seja.



Hugo Fernandez





publicado por albardeiro às 22:42
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Abril 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

SOBREVIVÊNCIA

ENTENDAMO-NOS

COLAPSO

UM PAÍS

DONOS DISTO TUDO

CAUSA E EFEITO

CATALUNYA

PAÍS NORMAL

SÍNDROMA PULLMAN

ESPANTO

arquivos

Abril 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds