Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Domingo, 21 de Abril de 2019
SÍNDROMA PULLMAN

Na sua conhecida obra Spheres of Justice de 1983, o filósofo político norte-americano Michael Walzer conta-nos a edificante história do milionário George Pullman, um dos mais bem-sucedidos empresários estadunidenses do século XIX. Quando pretendeu tornar as viagens de comboio mais confortáveis e a preços acessíveis, dotando os seus vagões com dormitórios, restaurantes e melhores lugares sentados, o sr. Pullman ganhou uma fortuna, o que o levou a expandir o negócio e a construir um novo conjunto de fábricas. Mas não se ficou por aqui. A sua ambição fê-lo querer edificar uma cidade junto ao complexo industrial. Em apenas dois anos, não se limitou a construir alojamentos para os seus trabalhadores, como outros industriais já antes haviam feito, mas residências para sete a oito mil pessoas e todas as infraestruturas indispensáveis a uma urbe: serviços de abastecimento de água e gás, saúde e bombeiros, estábulos, lojas e galeria comercial, escritórios, escolas e parques infantis, um mercado, um hotel, uma biblioteca, um teatro, um banco e até uma igreja. E assim nasceu Pullman, no estado do Illinois, construída em pouco mais de 1.600 hectares, nas margens do lago Calumet. Era a sua cidade!

Para além de dono de uma das maiores empresas dos EUA, o sr. Pullman tornou-se proprietário de uma pequena comunidade urbana. E, como noticiava à época o periódico New York Sun, “O forasteiro que chega a Pullman se hospeda num hotel dirigido por um dos funcionários do sr. Pullman, visita um teatro onde todos os funcionários estão a serviço do sr. Pullman, bebe água e queima gás fornecidos pelas usinas do sr.Pullman, aluga cavalos na estrebaria do sr. Pullman, visita uma escola na qual os professores dos filhos dos funcionários do sr. Pullman também são funcionários dele, recebe uma promissória cobrada pelo banco do sr. Pullman, só consegue comprar qualquer coisa de inquilinos do sr. Pullman e, à noite, é protegido por um corpo de bombeiros cujos membros, todos, do chefe para baixo, estão a serviço do sr. Pullman.” (Michael Walzer, Esferas da Justiça, São Paulo, Martins Fontes, 2003, p. 405, apud Stanley Buder, Pullman: an Experiment in Industrial Order and Community Planning, 1880-1930, New York, 1967).

Claro que, oficialmente, a cidade de Pullman estava sob a jurisdição político-administrativa de Cook County e do Estado do Illinois, assim como as escolas aí existentes dependiam da tutela da Secretaria da Educação de Hyde Park Township. Mas, na ausência de autoridades municipais, quando um jornalista visitante da cidade-modelo questionou o sr. Pullman acerca da governação do povo da sua cidade, este respondeu: “Nós os governamos da mesma maneira que qualquer homem governa a própria casa, loja ou oficina. É tudo bem simples” (idem, ibid., p. 405). Claro que o nós majestático significava o governo de um só, um direito exclusivo de controlar tudo e todos de acordo com o seu ideal de comunidade. Alegando que ninguém era obrigado a viver em Pullman, o sr. Pullman era um autocrata que enviava os seus inspetores vigiarem o modo de vida dos habitantes e os ameaçava com multas se estes apresentassem comportamentos ou manifestassem opiniões contrárias à preservação do que entendia ser “a harmonia do projeto da cidade”. Para além disso, como era proibido vender terrenos ou casas em Pullman, todos eram inquilinos do magnata e todos estavam assim na sua direta dependência.

Claro que as habitações fornecidas pelo sr. Pullman eram bem melhores do que as disponíveis na década de 1880 para a generalidade dos trabalhadores americanos, os alugueres eram acessíveis e os prédios tinham manutenção cuidada. Mas, como salienta Michael Walzer, “a questão fundamental é que todas as decisões, benevolentes ou não, estavam nas mãos de um homem, governador e proprietário, que não fora escolhido pelo povo que governava.” (ibid., pp. 406-407). “Súbditos de uma empresa capitalista”, os habitantes de Pullman tinham o estatuto de convidados – no fundo eram simples metecos – o que dificilmente podia ser compatível com qualquer tipo de vivência democrática, pressuposto essencial da cidadania americana. O economista contemporâneo Richard Ely, em visita à cidade em 1885, escreveu no Harper’s Monthly, “A sensação é de estarmos nos misturando a um povo dependente, servil.”, não hesitando em caracterizar a situação como “feudalismo antiamericano… benevolente, simpático” (ibid., p. 407, apud Buder).

Um ano após a morte de George Pullman, em 1897, a Suprema Corte de Illinois ordenou que a Pullman Company se desfizesse de todas as propriedades que não fossem diretamente afetas à atividade industrial, argumentando que a propriedade de uma cidade “era incompatível com a teoria e o espírito das nossas instituições” (ibid., p. 408, apud William Carwardine, The Pullman Strike, Chicago, 1973). Para Michael Walzer, “A democracia exige que a propriedade não tenha valor político, que não se converta em qualquer coisa semelhante a soberania, autoridade, controle sustentado sobre pessoas. Depois de 1894, pelo menos, parece que a maioria dos observadores concordava que a cidade pertencer a Pullman era um fato antidemocrático.” (ibid., p. 408). Com efeito, o investimento capitalista num empreendimento urbanístico nunca pode dar ao respetivo empresário o direito de governar os seus habitantes. Mesmo que essa circunstância lhes possa trazer benefícios. É uma questão de respeito pelos preceitos elementares da cidadania democrática.

Tal como é, se quisermos, uma questão de ética republicana, o recrutamento político ser o mais alargado possível, buscando os mais aptos em toda a pluralidade do território e do espectro socioprofissional de um país. Caso contrário, os processos de decisão, por não serem representativos do “sentir” da sociedade, podem tornar-se perigosamente pouco objetivos e parciais, tornando muito mais prováveis os conflitos de interesses e o enviesamento da ação governativa. Da mesma forma que, numa democracia, a um não eleito nunca pode assistir o direito de governar os seus concidadãos, nenhuma dinastia ou casta se pode arrogar o exclusivo do empenho, da competência e da vocação políticas. Esta endogamia, à boa maneira aristocrática, é sumamente perversa e mais própria de antigos regimes – na sua dupla dimensão histórica setecentista e salazarista – situação que o jornalista João Miguel Tavares expressa de forma certeira com a máxima, “não basta seres bom; precisas ser bem” segundo a lógica da “promoção dos «filhos de»”, naquilo que configura uma muito improvável “excelência geneticamente concentrada” (Público, 26/2/2019).

Por isso, o raciocínio falacioso segundo o qual, independentemente dos laços familiares, o que interessa é o mérito e a entrega à causa pública, inverte os termos do problema. Como justamente refere João Miguel Tavares, “O problema não está, nem nunca esteve, na competência das pessoas envolvidas. Está, como sempre esteve, na sua proximidade.” (Público, 26/2/2019). Mutatis mutandis, é o síndroma Pullman que assim assoma.


Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 00:54
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



pesquisar
 
Junho 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

CATALUNYA

PAÍS NORMAL

SÍNDROMA PULLMAN

ESPANTO

POR OUTRO LADO

ELES COMEM TUDO

O MAIS

PROPRIETÁRIOS

O JOGO

MÉRITO

arquivos

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds