Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Domingo, 11 de Fevereiro de 2024
ROLO COMPRESSOR

O desprezo olímpico com que José Luís Carneiro tratou o filho de um agente de segurança que o interpelou numa sessão de autógrafos do seu livro Ganhar o Futuro, a 19 de janeiro deste ano no Porto, queixando-se das condições degradantes em que o seu pai exercia as suas funções, foi verdadeiramente chocante. Durante alguns minutos, de cabeça baixa, nunca encarando o seu interlocutor nem lhe dirigindo qualquer palavra, o ainda ministro da Administração Interna mostrou bem a profunda sobranceria e indiferença para com aqueles homens e mulheres por quem é, afinal, o primeiro responsável. Foi o seu “momento bolo-rei”, lembrando um Cavaco Silva boçal a atafulhar a boca de bolo-rei para não responder às perguntas dos jornalistas, na campanha eleitoral para as presidenciais de 1996.

Nos inícios de fevereiro, os cortes entre 25% e 30% nos apoios agrícolas foram a “gota de água” que fez transbordar a revolta dos agricultores, um pouco por todo o país. Revoltas inorgânicas, isto é, sem o enquadramento – pelo menos explícito! – das grandes organizações representativas do setor, levaram ao bloqueio de estradas, à exigência do diálogo com a ministra Maria do Céu Antunes e ao pânico do Governo em toda a linha. De repente, nos ecrãs televisivos, a ministra da Agricultura ladeada pelo ministro das Finanças, anunciavam um generoso pacote de 200 milhões de euros, desenterrados não se sabe ao certo de onde, para mitigar o descontentamento rural. Uma semana depois do IFAP (Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas), presidido por Rui Martinho, ter comunicado aos agricultores os cortes nos apoios, foi o mesmo organismo oficial que veio informar os agricultores da correção desses mesmos cortes e da atribuição das verbas devidas. Um primor de decência na governação da “coisa pública”! Cortes nos apoios comunitários que, diga-se, foram comunicados nas vésperas de os agricultores receberem o seu pagamento, a 25 de janeiro, e que correspondem ainda ao ano de 2023. Certamente foi essa a razão que levou os agricultores em protesto a rebatizaram o instituto em questão de “Instituto da Fome e da Arrogância de Portugal” (Público, 2/2/2024).

Porque é, de facto, de arrogância na governação que se trata. E nesta matéria, as tristes experiências de maiorias absolutas, quer da direita, quer dos governos PS, padecem do mesmo mal. A autarcia do poder e a completa ausência de diálogo com classes profissionais inteiras que ao longo de meses demonstraram descontentamento profundo pelas injustiças de que sofriam, são sinais mais do que evidentes da crise do sistema democrático. Aconteceu assim com os professores, com os enfermeiros, com os médicos, com os oficiais de justiça, com as forças de segurança.

Há dez anos, num artigo na revista Visão, José Gil comentava a “indiferença férrea” do Governo Passos Coelho – Paulo Portas perante as inúmeras manifestações e greves que contestavam a sua política, “Como se tivessem chegado a uma barreira intransponível ou ao fim do que há para pensar.” (Visão, 13/2/2014). Intitulado “O pacto de silêncio”, neste artigo o filósofo chega à seguinte conclusão: “Fica a impressão, para o leitor ou espetador, de que as ideias deixaram de ter o mínimo efeito prático, mesmo quando dizem a verdade”. De igual forma, na reedição portuguesa do seu livro O Descontentamento da Democracia (Lisboa, Presença, 2023), de 1996, o filósofo norte-americano Michael Sandel questiona se o problema mais urgente da democracia não está precisamente na incapacidade de nos ouvirmos uns aos outros, isto é, de tomarmos em consideração os problemas que afligem os nossos concidadãos. Fazer com que todos sintam que a sua opinião conta, contribuirá para a revitalização da vida coletiva, “esvaziada de energia cívica e moral por décadas de globalização neoliberal, o que alimentou ressentimentos e os populistas que deles bebem.”, como é referido (Público/Ípsilon, 5/1/2024). O agravamento da desigualdade social e a desvalorização da “dignidade do trabalho”, qualquer que ele seja, são o corolário lógico desta deriva de desempoderamento de largas camadas da população. As pessoas sentem-se excluídas da sociedade, descartadas. Sobrevém o rancor e a raiva da impotência, terreno fértil para os demagogos e populistas em todo o lado.

Quando Carlos Gaspar, no podcast Diplomatas, chegou à conclusão de que “Há 20 anos, 80% dos governos na Europa Ocidental eram dirigidos por sociais-democratas ou democratas cristãos; hoje são 20%.” (Público 3/2/2024), este cientista político não teve a noção de que é justamente na génese dessa realidade que está a raiz do problema. A extrema-direita nasceu e desenvolveu-se em consequência do fracasso social de décadas de governos ao serviço das “troikas” deste mundo. Satisfazendo sempre os grandes interesses financeiros e os poderes instalados, as políticas desenvolvidas quer por socialistas ou sociais-democratas, quer por democratas cristãos ou liberais, pouca ou nenhuma consideração tiveram pela vida do comum dos mortais. Faz, assim, todo o sentido o dilema colocado pela jornalista Bárbara Reis: “Como travar os vendedores ambulantes que propagam teorias da conspiração, alimentam o ódio e o medo e prometem soluções simples para problemas difíceis? Lá está: é um problema difícil.” (Público 3/2/2024).

É por isso que, como alerta Rui Tavares, “Quase 50 anos após o 25 de Abril de 1974, aproximam-se os tempos mais difíceis para o regime que esse dia nos legou. Teremos de os passar não a comemorar o regime – mas a salvá-lo” (Expresso, 11/11/2023).

 

 

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 14:14
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Março 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
27
28
29
30

31


posts recentes

AJUSTE DE CONTAS

Seminário em Alenquer - A...

O MOMENTO DA VERDADE (em ...

ROLO COMPRESSOR

Reflexão sobre o artigo d...

AS PERGUNTAS

Valorizar os servidores d...

MÍNIMOS

Como será a educação daqu...

EXCESSIVO

arquivos

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Outubro 2023

Julho 2023

Junho 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Outubro 2020

Julho 2020

Junho 2020

Abril 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub