Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sábado, 6 de Janeiro de 2024
Reflexão sobre o artigo do Pacheco Pereira, intitulado “A destruição da razão”

Esta prosa tem a ver com o artigo do Pacheco Pereira, intitulado “A destruição da razão”, publicado hoje no jornal Público (https://www.publico.pt/2024/01/06/opiniao/opiniao/destruicao-razao-2075882). Tem a ver também com a “conversa” que foi desencadeada, por um grupo de amigos com os quais partilho há muitos anos(mais de 4 décadas) uma profunda amizade, a maioria das vezes estamos sintonizados nos mesmos ideais, nos mesmos valores, com o qual crescemos na forma de ver o mundo e as suas idiossincrasias, com quem temos partilhado os bons e maus momentos, construindo uma enriquecedora jornada que não apenas solidificou uma profunda amizade entre nós, mas também transformou as nossas vidas, enriquecendo-as com as histórias e memórias que apenas uma amizade duradoura pode proporcionar.

Dessa conversa sobre o artigo do Pacheco Pereira, tomei a liberdade de expressar a minha opinião por escrito, que aqui deixo, tentando, ao mesmo tempo, aprofundar estas questões do enfraquecimento da democracia que o Pacheco Pereira aponta.

A análise profunda que apresenta sobre o atual estado das democracias, focando na interação entre a política e os meios de comunicação, é reveladora e alarmante. Concordo plenamente que a transformação do cenário político num espetáculo mediático tem impactos negativos na autonomia da decisão política e, consequentemente, na qualidade da democracia.

A sua argumentação sobre a convergência entre a política e os meios de comunicação, influenciando-se mutuamente, é esclarecedora. A ênfase na cultura de ação semelhante, na busca pela novidade e na superficialidade em detrimento da racionalidade é um ponto crucial. A emergência das redes sociais como fonte de informação, muitas vezes mais focadas em entretenimento afetivo do que em dados substanciais, contribui para a diluição do ethos, do logos e favorece o pathos, como ele, e bem, afirma.

Ao salientar a perda de autonomia da política e do jornalismo para o contínuo político-mediático, PPereira destaca uma preocupante semelhança com formas modernas de propaganda, agora rotuladas como marketing político. A referência à interferência russa em eleições e o papel de empresas como a Cambridge Analytica adicionam uma dimensão internacional à problemática, evidenciando que esse fenómeno não é exclusivo de um país ou sistema político.

A análise da situação em Portugal, com a dominação mediática pela direita política, proporciona um exemplo prático dos desafios enfrentados pelas democracias em todo o mundo. A crítica à esquerda por abandonar a luta social em prol de questões "fraturantes" é perspicaz, destacando como certas agendas podem desviar a atenção das verdadeiras necessidades das massas populares.

A abordagem sobre o contínuo político-mediático como instrumento de manipulação do justicialismo é impactante. A capacidade de direcionar vazamentos de informações para alcançar objetivos políticos ou autojustificação mostra como o sistema está vulnerável a essas estratégias.

Não podia estar mais de acordo com as questões que o PPereira, pois  oferece uma análise crítica e inovadora da crise nas democracias, destacando a necessidade de resgatar a política para servir o bem-estar das pessoas e o jornalismo para informar e escrutinar o poder. O apelo que PPereira faz à cultura, ao conhecimento e à firmeza na ação como contramedidas é uma chamada à ação valiosa para preservar os fundamentos da democracia.

Permitam-me também fazer a minha parte, contribuindo com algumas ideias para esta discussão sobre a destruição da razão através da dominação da vida mediática por forças populistas e reacionárias, que coloquem em causa a vida e os valores democráticos. Nós hoje temos:

  1. Desinformação Sistematizada:

    • Propagação de notícias falsas e teorias conspiratórias para manipular a opinião pública.

    • A utilização de algoritmos e bots para amplificar mensagens populistas e reacionárias nas redes sociais, criando bolhas de informação.

  2. Ataques à Imprensa Livre:

    • Descredibilização dos meios de comunicação tradicionais, rotulando-os como "inimigos do povo".

    • Assiste-se hoje a um controle neocapitalista corporativo sobre veículos de comunicação, limitando a diversidade de perspetivas e o acesso à informação plural. A política do “cancelamento”….

  3. Culto à Personalidade:

    • Fomento a lideranças carismáticas que centralizam o poder e procuram criar uma narrativa de herói salvador da nação.

    • Supressão de vozes críticas e promoção de um pensamento único em torno do líder.

  4. Polarização Extrema:

    • Estímulo à polarização social, criando um ambiente em que as pessoas se veem forçadas a escolher lados extremos.

    • Utilização da retórica divisiva para enfraquecer a coesão social e minar a confiança nas instituições democráticas.

  5. Manipulação da Linguagem:

    • Redefinição de termos e conceitos para favorecer a agenda populista e reacionária.

    • Uso de linguagem emocionalmente carregada para influenciar as emoções em detrimento do raciocínio lógico.

  6. Controle da Narrativa Histórica:

    • Revisão seletiva da história para promover uma narrativa que justifique as ações do governo populista.

    • Supressão de eventos históricos inconvenientes para a narrativa em questão.

  7. Instrumentalização da Tecnologia:

    • Monitoramento massivo da população por meio de tecnologias de vigilância, ameaçando a privacidade e criando um ambiente de autocensura.

    • Utilização massiva de redes e de plataformas online para espalhar propaganda e manipular a opinião pública.

  8. Erosão das Instituições Democráticas:

    • Subversão gradual das instituições democráticas, enfraquecendo os sistemas de freios e contrapesos.

    • Nomeação de líderes do tipo de “testas-de-ferro” para cargos-chave, minando a independência judicial e a separação de poderes, ou atuando segundo a “voz” de comando, a tal “central” de que fala a Ana Gomes.

Este elenco de fatores que aqui apresento, tem o objetivo (espero que tenha dado algum contributo) para destacar alguns dos possíveis meios pelos quais as forças populistas e reacionárias podem minar a razão e os valores democráticos através da dominação da vida mediática. Lembrem-se de que a resistência a tais tendências muitas vezes envolve a promoção da educação crítica, o fortalecimento das instituições democráticas e a promoção do acesso à informação independente e diversificada.

"Albardeiro"



publicado por albardeiro às 19:23
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Março 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
27
28
29
30

31


posts recentes

AJUSTE DE CONTAS

Seminário em Alenquer - A...

O MOMENTO DA VERDADE (em ...

ROLO COMPRESSOR

Reflexão sobre o artigo d...

AS PERGUNTAS

Valorizar os servidores d...

MÍNIMOS

Como será a educação daqu...

EXCESSIVO

arquivos

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Outubro 2023

Julho 2023

Junho 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Outubro 2020

Julho 2020

Junho 2020

Abril 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub