Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017
PODE ALGUÉM SER QUEM NÃO É?

Este título, tomado de empréstimo da canção homónima do álbum Pré-Histórias de Sérgio Godinho, é bem o retrato de uma forma muito particular de fazer política, própria daqueles que pretendem escamotear o que é indisfarçável.

Não é nova esta maneira de fazer política. Radica naquilo que, no final dos anos setenta do século passado, o jurista e politólogo francês Roger-Gérard Schwartzenberg denominou “o Estado espetáculo”, parafraseando o conceito de “sociedade espetáculo” que um seu conterrâneo, o filósofo Guy Debord, tinha teorizado na década anterior. Trata-se de constatar, nas palavras introdutórias de Schwartzenberg, a singular circunstância de que “A política, outrora, era ideias. Hoje, é pessoas. Ou melhor, personagens. Pois cada dirigente parece escolher um emprego e desempenhar um papel. Como num espetáculo.” (Roger-Gérard Schwartzenberg, O Estado espetáculo, São Paulo, Difel, 1978, p. 1). Nesta passagem de um poder político abstratizado e essencialmente adstrito às grandes construções jurídico-constitucionais (e, afinal, não era precisamente a apologia do anonimato que imperava nos alvores da democracia?) para uma “política figurativa” em que prevalece uma “encenação” de que o próprio Estado se encarrega de ser “produtor”, assiste-se a um processo de personalização do poder que, mais do que efetivo domínio institucional – como no caso das ditaduras – representa, em termos da psicologia coletiva, a encarnação da nação – como, mais uma vez, no caso das ditaduras, mas também no de algumas democracias.

Esta personalização do poder engendra dois tipos de consequências: por um lado, conduz a uma exaltação, o mais das vezes exagerada e descabida, do dirigente político em questão, transformando-o em algo maior do que realmente é (e merece!), fazendo-o portador de virtudes e qualidades que, de facto, não possui, ou que possui, mas não num grau tão superlativo. Por outro lado, pode ser particularmente enganadora, quando corresponde a um processo de ocultação de poderes fácticos que, agindo na sombra, se servem destes protagonistas para satisfazer os seus interesses. Em qualquer das situações, é pelo fascínio causado nas populações – o poder carismático de que falava Max Weber – que estes indivíduos fazem o seu percurso político e exercem o seu consulado governativo. Reinventando-se, estes indivíduos compõem uma personagem (no sentido latino de persona, enquanto máscara teatral), adotando posturas, comportamentos, valores e crenças que melhor satisfaçam os seus desígnios, tendo por finalidade, tão eloquentemente proclamada por Benito Mussolini, de “fazer da própria vida uma obra-prima”.

Desde há umas décadas, são os mass media que constituem o veículo privilegiado ao serviço desta autêntica “egopolítica”. Mostrar-se e ser visto pelo maior número possível de pessoas passou a ser a conditio sine qua non da atuação política e da influência pessoal. A comunicação ultrapersonalizada, eminentemente emocional e afetiva, relega para segundo plano precisões concetuais mais elaboradas e uma verdadeira análise das situações. O sound-bite e o imediatismo da mensagem televisionada ou radiodifundida substituem a reflexão, necessariamente ponderada e diferida no tempo. Procura-se o efeito fácil, o gesto espetacular, a afirmação singular, o vedetismo do momento – que se transforma num constante “espetáculo do poder” – em detrimento do trabalho reflexivo, da discussão de ideias, da resolução responsável dos problemas. Como referia o conhecido sociólogo canadiano Marshall MacLuhan nos estudos – já clássicos – elaborados sobre este tema nos finais dos anos sessenta do século passado, “a mensagem é o meio”.

Ora, a mediatização da política ultrapersonalizada induz o efeito profundamente artificial da proximidade, da empatia, da comunhão de interesses e expetativas, da partilha de um destino comum. Nada mais demagógico. O “telepolítico”, longe de desejar a participação popular – e muito menos o confronto de posições que essa participação poderia suscitar – marca a sua distância real face aos governados precisamente através da ilusão do unanimismo, da harmonia nacional, do bem-estar comunitário. A distância entre a imagem difundida e a realidade das circunstâncias é a garantia da eficácia deste tipo de ação política, ao produzir uma espécie de humanização do exercício do poder, segundo o princípio, cristalinamente enunciado por Nicolau Maquiavel na sua famosa obra O Príncipe, “O vulgo só julga aquilo que vê”.

Como diz Schwartzenberg, “Para o telepolítico, não se trata de argumentar, sustentar, tentar convencer o espetador. Seguindo um caminho racional. Trata-se antes de suscitar emoções, de fazer brotar um impulso, um sentimento de confiança a seu favor. Dirigindo-se ao instinto – tão facilmente iludido – mais que à razão; aos sentidos, mais que à consciência.” (Schwartzenberg, 1978: 205). Aduz dois exemplos, oriundos dos EUA, que são suficientemente elucidativos. Em 1968, aquando da campanha eleitoral que vai eleger Richard Nixon, o seu campaign manager, Ray Price, entrega a Nixon a seguinte mensagem: “O eleitor reage à imagem do candidato e não ao homem, com o qual 99% da população jamais teve e jamais terá qualquer contato direto. O que vale não é o que existe, e sim o que é projetadoNão precisamos portanto mudar o homem, mas sim a imagem recebida” [itálicos no original]. Por seu lado, o speechwriter de Nixon, William Gavin, será ainda mais explícito: “O eleitor é fundamentalmente preguiçoso e em hipótese alguma se poderá esperar que ele faça o menor esforço para compreender o que lhe dizem. Raciocinar exige um grau elevado de disciplina e concentração; é mais fácil impressionar. O raciocínio repugna ao telespetador, ou então o agride, exige que ele concorde ou recuse; uma impressão, pelo contrário, pode envolvê-lo, solicitá-lo sem o colocar diante de uma exigência intelectual”.

A vedetização e a dramatização constituem, assim, instrumentos essenciais do processo de encenação política. A exploração televisiva da atuação governativa transforma tudo numa espécie de reality show. O “telepolítico” vale-se da ilusão da familiaridade e adota uma afetividade largamente fictícia (excedendo, em todo o caso, eventuais traços genuínos de caráter), reforçando a imagem de uma figura paternal que procura parecer próximo das pessoas, compreender mais do que afirmar, seduzir mais do que convencer. Toda esta intimidade desarma, anestesia, endeusa. E, lançando-se numa autêntica “tournée de abraços” – na sugestiva expressão da jornalista Fernanda Câncio (Público, 23/10/2017) – o “egopolítico” promove a adesão unanime e inconsiderada. Como diz Schwartzenberg, “Desta maneira, o cidadão vive e se valoriza, recupera sua dignidade. Por herói interposto.” (Schwartzenberg, 1978: 252).

Tudo, porém, faz parte do espetáculo de um poder personalizado e de uma gestão política rigorosamente pensada; tudo concorre para o reforço da ambição pessoal e da prossecução inconfessada de determinados propósitos. O problema é que acaba sempre por aparecer uma vichyssoise no caminho a denunciar o logro.

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 00:56
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Novembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

O MAIS

PROPRIETÁRIOS

O JOGO

MÉRITO

TEXTOS

NO MELHOR PANO…

UM OUTRO MUNDO

COMEMORAÇÕES

PODE ALGUÉM SER QUEM NÃO ...

RESCALDO

arquivos

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds