Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sábado, 24 de Abril de 2021
OS FUNDAMENTOS

Numa crónica anterior falei do conceito de agnatologia, termo usado pela primeira vez em 2008 pelo historiador norte-americano Robert Proctor, professor da Universidade de Stanford, para designar a “ciência da ignorância”, isto é, a ignorância não como mera ausência de conhecimento, mas como o resultado de um processo de “produção cultural de ignorância” induzido por um determinado projeto de poder e de organização da sociedade. Como explica a professora e investigadora do Instituto de Comunicações da Universidade Nova, Carla Baptista, que cita o académico estadunidense, “A produção cultural de ignorância utiliza duas estratégias discursivas: exponenciar a dúvida (os dados são manipulados para criar desconfiança sistémica) e promover a controvérsia (fabricar inimigos).” (Carla Baptista, “Os 3D das presidenciais: desigualdade, desinformação e demagogia”, Le Monde Diplomatique, ed. port., fevereiro de 2021).

A presente problemática da vacinação contra o Covid-19 é sintomática deste fenómeno. O conhecido bioquímico e escritor de ficção científica norte-americano Isaac Asimov disse, um dia, que “o aspeto mais triste da vida atual é que a ciência ganha conhecimento mais rapidamente que a sociedade em sabedoria”. Com efeito, a generalização do sapere aude kantiano está, ainda hoje, por cumprir. Ainda para mais quando os movimentos negacionistas que por aí pululam se reclamam, de forma tão lapidar quanto irrazoável (para não dizer, tão mistificadora quanto nociva), detentores da “verdade”. Teremos assim os arautos de uma sapiência revelada – os negacionistas – contra o rigor e precisão da investigação e conhecimento científicos, a oposição entre aqueles que denunciam a suposta instauração de uma “ditadura cientista” e que vislumbram todo o tipo de cabalas ao serviço de intenções obscuras de poder (desde a conspiração judaico-maçónica, ao grupo de Bilderberg ou aos agentes demoníacos George Soros ou Bill Gates), contra o trabalho exaustivo, certamente incerto, mas persistente e exigente por parte da comunidade científica internacional.

O objetivo dos primeiros é negar a realidade: não existe pandemia – é só uma “gripezinha”, como vaticinou essa luminária que dá pelo nome de Jair Bolsonaro (a versão grunha escolarizada, Donald Trump, foi perentório na certeza da dissipação da pandemia quando viesse o calor!) –, os milhões de vítimas não morreram de Covid mas de outras enfermidades, a proclamação da inutilidade das máscaras e do distanciamento social, a rejeição de qualquer tipo de confinamento e a alegação de que “o maior vírus é o medo” (como se leu em t-shirts envergadas numa manifestação negacionista, em Lisboa). Trata-se de um relativismo destrutivo e dissolvente, segundo a lógica do “salve-se quem puder” e ao serviço da “lei do mais forte” – o ideal da sociedade neoliberal em todo o seu esplendor. Este “mau relativismo” – aquele que equipara acriticamente qualquer perspetiva, e não aquele que resulta da pluralidade de opiniões e da diversidade de contextos, induzindo um esforço de compreensão e diálogo – como se lhe refere o filósofo e sociólogo francês Raymond Boudon, “acarreta uma profunda confusão intelectual, moral e política, sobretudo porque legitima a ideia de que o cidadão é mais sensível à sedução que à persuasão, ao charme da comunicação que à atração da racionalidade.” (Raymond Boudon, O Relativismo, Lisboa, Gradiva, 2009, p. 114), concluindo mesmo que este tipo de relativismo “esmaga o discernimento.” (ibid., p. 54).

Tal é, precisamente, o caldo mental que alimenta os populismos e os desvarios mais extremistas. Esta narrativa fantasiosa, assente num discurso falsamente libertarista, no sentido da proclamação de uma liberdade individual absoluta contra as regras elementares da vida em sociedade e, por consequência, contra a liberdade dos outros (e, neste caso, pondo mesmo em risco a vida de terceiros), tão bem expressa no slogan “Parem de proibir tanta coisa… Não consigo desobedecer a tudo!!!”, encontram eco nos temas-bandeira de partidos como o Chega, segundo se pode ler no recente Relatório de Segurança Interna (RASI 2020), onde o Serviço de Informações de Segurança (SIS) constata a aproximação dos movimentos de extrema-direita e dos negacionistas da pandemia (DN, 31/3/2021). Também José Pacheco Pereira chamou a atenção para esta ligação: “As origens destes movimentos são muito diferentes, têm várias fontes e algumas tradições, mas hoje fazem parte de uma nova extrema-direita que está a emergir em vários países europeus e nos E.U.A” (Público, 27/3/2021). O enorme sobressalto civilizacional a que assistimos obriga, isso sim, a reconhecer, como justamente faz Pacheco Pereira, que “O custo social e económico da pandemia e do combate à pandemia são os fatores a que se deve prestar mais atenção, para se diminuir o processo de radicalização em curso.”

As conceções obscurantistas e retrogradas emergentes, com eco em jornais como o Observador e o Sol – e difusão viral nas redes sociais – têm também presença assegurada nas televisões. E é este destaque mediático que, em grande medida, alimenta o fenómeno. A difusão das ideias negacionistas tem como fundamento uma visão simplista e maniqueia da sociedade e dos seus problemas. É esta simplificação da realidade – deduzida a partir não de opiniões diferentes, mas de factos diferentes (os famosos “factos alternativos” a que fazia referência a conselheira de Trump, Kellyanne Conway), que nos remete para a convergência entre uma “mentalidade simples” e uma “mentalidade fechada” – a simple-mindedness e a closed-mindedness – conceitos invocadas pela jornalista norte-americana Anne Applebaum (de resto, ela própria assumidamente republicana e conservadora) no seu livro O Crepúsculo da Democracia – o fracasso da política e a apelo sedutor do autoritarismo (Lisboa, Bertrand, 2020). Ora, quando se promovem debates sobre assuntos de ciência e se convidam cientistas e arrivistas ou diletantes, incorre-se no erro capital da igual valoração de uns e de outros, o que é profundamente demagógico e altamente perturbador. Como, a este propósito, sublinha Carl Zimmer, jornalista de ciência do The New York Times, “Se estiver a escrever um artigo sobre Geologia, não vou telefonar a alguém que acredita que a Terra é plana. Atribuir legitimidade a pontos de vista que não têm base científica é ridículo.” (Visão, 8/4/2021).

A ciência pode não ser perfeita ou infalível; mas é o melhor que o engenho humano alcança. O conhecimento científico é o que há de mais sistemático, rigoroso e informado em cada momento histórico (é que, de facto, “a Terra move-se”!). Claro que o que é promovido e o que se faz com esse conhecimento levanta todo um outro conjunto de questões.… que a ciência explica.


Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 14:56
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Julho 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

COISAS ASSIM

LIBERDADES

OS FUNDAMENTOS

COMO DISSE?

AMANHÃ ACONTECEU

ANATOMIA DO PENSAMENTO FA...

CRÓNICA AMERICANA

TEMPO DE VÉSPERAS

TESTE DO PATO

O HOMEM MAIS PERIGOSO DO ...

arquivos

Julho 2021

Junho 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Outubro 2020

Julho 2020

Junho 2020

Abril 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub