Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Quinta-feira, 1 de Novembro de 2018
O MAIS

E o mundo riu-se do homem mais poderoso do planeta. Aconteceu no passado dia 25 de setembro, na Assembleia Geral da ONU, reunida na sua sede em Nova York. Foi uma reação imediata, espontânea, transversal e, sobretudo, inédita. Atravessou mares e continentes, religiões e línguas, numa sonora gargalhada com que os representantes internacionais brindaram a petulância e o descaramento do presidente norte-americano Donald Trump ao afirmar que, em dois anos, a sua Administração tinha alcançado mais do que qualquer dos anteriores governos do seu país, remetendo para a insignificância, de uma penada, o legado de um George Washington, Abraham Lincoln ou Franklin Roosevelt. Foi bonito de ver. Uma espécie de unanimidade planetária, tão eloquente e desarmante no seu simbolismo; basta atentar na surpresa e embaraço da resposta de Trump: “Não estava à espera desta reação”, balbuciou.

Foi, em todo o caso, uma reação do tipo “o rei vai nu”, na qualificação certeira de Álvaro Vasconcelos (Público, 10/10/2018). E como de seguida explicou este antigo diretor do Instituto de Estudos de Segurança da União Europeia, foi tanto mais reveladora da quebra geral de respeito pelo governante estadunidense quanto a fanfarronice do “America first” esbarra com circunstâncias históricas particularmente adversas para a nação americana. Se o PIB americano representava mais de 50% do produto global em 1945, quando se constituíram as Nações Unidas, e o peso deste país era decisivo a nível mundial, hoje não ultrapassa os 22%, prevendo-se uma redução para 17% em 2030, ao invés dos 24% da China ou mesmo dos 14% europeus. A perceção mundial de que o poder e a confiança foram substituídas pela simples arrogância, de que a proclamada hegemonia americana carece, afinal, de sustentação e de verosimilhança, faz com que a liderança estadunidense seja posta em causa. Só assim se compreende uma atitude tão unânime. Como refere Álvaro de Vasconcelos, “A gargalhada nas Nações Unidas mostra que a maioria já não teme os EUA e que pensa que é possível singrar sem a sua boa vontade.” Imediatamente se sucederam, neste conclave planetário, os discursos contrários à obsessão nacionalista e ao isolacionismo norte-americano, em defesa da cooperação internacional e do multilateralismo na resolução de questões globais como as alterações climáticas, as crises humanitárias ou a ameaça nuclear.

Foi uma desconsideração? Sim, clara e fulminante. Foi uma humilhação? Não, porque para isso era preciso que o visado tivesse um mínimo de dignidade. O egocentrismo e a estupidez de Trump são tais que na conferência de imprensa que deu a seguir a este episódio negou o que era óbvio. “Eles não se riram de mim” – afirmou – “Eles riram-se comigo, estávamos a passar um bom momento juntos.” Que espantosa cegueira!

Mas o homem (ainda) mais poderoso do mundo, é também o mais perigoso. No passado dia 20 de outubro, anunciou o fim do acordo histórico de três décadas assinado entre o então presidente norte-americano Ronald Reagan e o líder soviético Mikhail Gorbatchov, o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermédio de 8 de dezembro de 1987, justificando o desabafo do diretor adjunto do Royal United Services Institute, o britânico Malcolm Chalmers, ao The Guardian: “Esta é a crise mais grave no controlo das armas nucleares desde os anos 1980” (Público, 22/10/2018). Como que a dizer “se se riem de mim, ao menos que seja de medo”, Donald Trump provavelmente ficará para a história como o governante mais odiado do planeta.



Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 18:05
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Novembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

O MAIS

PROPRIETÁRIOS

O JOGO

MÉRITO

TEXTOS

NO MELHOR PANO…

UM OUTRO MUNDO

COMEMORAÇÕES

PODE ALGUÉM SER QUEM NÃO ...

RESCALDO

arquivos

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds