Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Quinta-feira, 5 de Maio de 2022
O ECLIPSE

Imaginem uma eleição decisiva para a governação de um país disputada entre Cotrim de Figueiredo e André Ventura. Não precisam imaginar; foi o que se passou em França no passado dia 24 de abril (uns dias antes, os húngaros tiveram que fazer uma escolha semelhante nas eleições legislativas que deram o 4º mandato a Viktor Orbán). E o principal problema não está nesta evidente falta de escolha, mas na ausência da esquerda. Pela segunda vez consecutiva, a esquerda esteve ausente da 2ª volta das eleições presidenciais francesas. Jean-Luc Mélenchon, com os seus quase 8 milhões de eleitores, mais os 3,5 milhões de outros candidatos de esquerda, representando cerca de 30% do eleitorado (Emmanuel Macron atingiu os 28% e Marine Le Pen quedou-se pelos 23%), perderam, mais uma vez, a oportunidade de juntarem as suas forças e impedirem aquilo que o historiador Manuel Loff designou como uma “escolha horrível” entre “o radicalismo neoliberal e o radicalismo fascista” (Público, 19/4/2022). Cita, a este propósito, o historiador e sociólogo francês Marcel Gauchet que, já em 2019, avisava que “se em 2022 tivermos uma segunda volta Macron/Le Pen, dir-nos-ão a mesma coisa que da última vez: ‘Cuidado, [Le Pen] é uma ameaça para a República’. E eu concordo plenamente. Mas estaremos a prevenirmo-nos contra uma ameaça potencial com um candidato que é uma ameaça comprovada para a República!” Como é possível que, num dos mais importantes e influentes países europeus, não haja uma alternativa de esquerda a disputar não só esta, mas todas as eleições?

Como se explica este autêntico eclipse da esquerda? Uma primeira tentativa de resposta está na sua fragmentação endémica. A outra, na sua incapacidade analítica e falta de clarividência sobre os reais problemas e anseios da população. Em 2017, o mandato de Emmanuel Macron iniciou-se com a eliminação do imposto de solidariedade sobre as grandes fortunas (ISF), a redução da carga fiscal sobre os lucros empresariais e uma “reforma” do Código de Trabalho altamente favorável ao patronato. De entre as dez medidas-chave que foram agora a escrutínio contam-se o adiamento da idade da reforma dos 62 para os 65 anos e a obrigação dos beneficiários do rendimento de solidariedade ativa (RSA) trabalharem mais quinze horas por semana, proporcionando às empresas uma mão-de-obra barata e a recusa do aumento dos salários em setores em que as ofertas de emprego têm dificuldade em ser preenchidas. Um autêntico bingo neoliberal que foi apresentado como “uma medida de justiça” (cf. Serge Halimi, “Eleições francesas sob impacto internacional”, Le Monde Diplomatique, ed. portuguesa, abril de 2022).

Acresce que, perante o regresso – e a previsível escalada – da inflação, não está prevista qualquer medida de apoio aos rendimentos dos mais desfavorecidos ou de mitigação do aumento do custo de vida, preservando, isso sim, as margens de lucro das empresas (ameaçadas pela redução da procura) e os dividendos dos respetivos acionistas, em especial daquelas que integram o índice bolsista CAC40 e que tiveram lucros históricos de 160 mil milhões de euros em 2021. Não é, aliás, por acaso que, em novembro de 2021, a revista britânica The Economist tenha publicado um artigo com o título provocatório “A França está a sair-se bem mas a sentir-se miserável” (Público 9/4/2022), destacando a melhoria geral da situação económica do país relativamente aos outros parceiros europeus (com um crescimento na ordem dos 7%), com menos desemprego e um aumento da produção no âmbito da estratégia governamental Made in France, bem como um acréscimo considerável dos lucros empresariais. Mas este desempenho só foi conseguido à custa de um aumento dos horários de trabalho, de uma forte contenção salarial, de um agravamento brutal do custo de vida e da degradação dos serviços de saúde e dos apoios sociais, situação que piorou com a pandemia e, mais agora, com os efeitos inflacionistas da guerra na Ucrânia, aspetos naturalmente omitidos na análise da publicação supracitada.

O dossier temático do Le Monde Diplomatique (ed. portuguesa) de janeiro de 2022 intitulado “Encruzilhadas da Esquerda”, sintetiza, desta forma, o problema: “O inverno atinge grande parte da esquerda na Europa. As novas formações críticas da social-democracia, como o Podemos em Espanha ou o Die Linke na Alemanha, estão hoje longe das esperanças que inicialmente suscitaram, enquanto o desaparecimento do Partido Comunista em Itália, em abril de 1991, deixou o campo progressista desorientado.”, concluindo, “Incapaz de escutar as aspirações populares e de beneficiar do descontentamento geral, a esquerda fecha-se muitas vezes num discurso em que o pathos compete com a frivolidade.” Trata-se de um diagnóstico impiedoso, mas certeiro.

Como aí é referido, em 2002, os sociais-democratas dirigiam 13 dos 15 governos da União Europeia; passados vinte anos, restam apenas 7 em 27 estados-membros (Alemanha, Finlândia, Suécia, Dinamarca, Espanha, Portugal e Malta). Semelhante colapso encontra uma explicação no paradoxo cruel enunciado em 2020 pelo velho senador socialista, Jean-Pierre Chevènement: “A globalização neoliberal, através da liberdade de circulação de bens, serviços, capitais e seres humanos, não está posta em causa pela esquerda, que em grande medida se uniu ao social-liberalismo, mas pela chamada direita «populista»”. E aqui reside parte substancial da tragédia da esquerda.

Comentando tal circunstância, Benoît Bréville e Serge Halimi explicam que “Para serem concretizados, os objetivos de transformação social têm de se apoiar num forte movimento das classes populares. Já ninguém ignora que a consciência dos fracassos de uma política, ou até da ilegitimidade de um sistema, não faz nascer automaticamente a vontade de os derrotar. Quando faltam instrumentos para o conseguir, a revolta ou a cólera cedem muitas vezes caminho ao desenrascanço, ao salve-se-quem-puder ou à convicção de que os direitos sociais do vizinho constituem privilégios.” (Le Monde Diplomatique, ed. portuguesa, janeiro de 2022). Esta disposição favorece, obviamente, a extrema-direita populista. Quando teve responsabilidades governamentais, a esquerda não falhou porque aplicou o seu programa; falhou porque alinhou com o programa dos seus adversários. E isso os povos não lhe perdoam. Ficou tristemente célebre a sentença do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker quando, na sequência da vitória do Syriza nas eleições de 2015, advertiu os gregos que “Não pode haver uma escolha democrática contra os tratados europeus”. Perante este estado de coisas, advém uma sensação absoluta de impotência, indutora do desespero. A “despolitização” e abstenção crescentes de amplas camadas da população de que se fala, resulta certamente da constatação de que as alternativas estão bloqueadas, nada muda e nada se pode vir a ganhar no atual jogo político.

O perigo da esquerda se tornar insignificante reside essencialmente na sua incapacidade de ultrapassar dogmas e sectarismos totalmente irrelevantes para responder às atuais preocupações das pessoas. Como diz o ex-dirigente comunista Domingos Lopes, “A sociedade mudou. Não podemos repetir o que não tem sentido dadas as novas condições. A atualidade de Marx é, em muitos aspetos, muito mais rica do que a de muitos dos seus intérpretes, que lhe transformaram o pensamento em mandamento, em texto sagrado, algo totalmente contrário ao espírito do filósofo da práxis.”, concluindo que “o passado é apenas um ponto de referência para perscrutar o futuro.” (Domingos Lopes, 100 anos do PCP. Resgatar e reconfigurar o ideal comunista, Lisboa, Guerra & Paz, 2022, p. 33).

Fica a ingente questão colocada pelo jornalista Rui Guedes, diretor-executivo da revista Visão, a propósito das eleições francesas: “O que raio terá acontecido à democracia quando nos resignamos, sem sobressalto, à hipótese de ela desaparecer?” (Visão, 21/4/2022).

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 22:15
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Novembro 2022
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

PERIGO

A RELAÇÃO

RECONHECIMENTO

SOCIEDADE DO DESCONHECIME...

O ECLIPSE

Atualidades - velhas e no...

JOGO DE ESPELHOS

CONSEQUENTE

72 QUILÓMETROS

TEATRO DO ABSURDO

arquivos

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Outubro 2020

Julho 2020

Junho 2020

Abril 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub