Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sexta-feira, 6 de Julho de 2018
MÉRITO

Segundo uma análise recente do DN/Dinheiro Vivo (14/5/2018), os CEO e administradores das empresas cotadas no PSI 20 recebem, em média, um milhão de euros por ano, correspondente a 46 vezes o salário médio dos seus trabalhadores. Estes cálculos foram feitos a partir dos dados constantes nos relatórios e contas das empresas cotadas na Bolsa portuguesa e que englobam remunerações fixas, variáveis, prémios e encargos com fundos de pensões. Na Jerónimo Martins atinge-se mesmo aquilo que o jornalista Pedro Tadeu qualifica como “o topo da bizarria” (DN, 15/5/2018), ganhando Pedro Soares dos Santos 2 milhões de euros, 155 vezes mais do que a média das remunerações dos trabalhadores dos supermercados Pingo Doce (que ficam abaixo de 13 mil euros anuais), embora António Mexia seja o CEO mais bem pago – 2 milhões e 288 mil euros anuais (39 vezes o custo médio de um trabalhador da EDP). Ora, como bem refere Pedro Tadeu, “Imagino, por exemplo, que António Mexia (EDP) ou Soares dos Santos (JM) se, em vez de mais de dois milhões de euros por ano, ganhassem «apenas» um milhão continuariam a ter qualidade de vida e dinheiro para as despesas…”. Exemplos semelhantes podiam ser multiplicados ad nauseam, já que constituem traço característico da ordem capitalista em que vivemos. E, principalmente, dizem muito sobre a lógica subjacente à distribuição dos recursos existentes.

De facto, o que verdadeiramente está aqui em causa, para além da exorbitância dos montantes referidos, é a brutal disparidade dos rendimentos do trabalho. E o que é mais significativo a este propósito é que esta enorme diferença salarial é sempre justificada com a litania do mérito e empenho individuais, justa recompensa do esforço daqueles que conseguem ultrapassar os obstáculos e vencer a concorrência, princípio basilar do pensamento liberal e da incensada economia de mercado. Erigindo-se em “norma global” de aperfeiçoamento e sucesso individual e coletivo, a competição assim estabelecida exalta a ideia do mérito e, como refere António Guerreiro, “através de uma operação fraudulenta, fazem dele uma figura do poder chamada «meritocracia».” (António Guerreiro, Ípsilon – Público, 9/2/2018). Este crítico literário e jornalista, num artigo a propósito dos rankings escolares, chama-nos a atenção para um ponto da maior importância, raramente referido e explicado, mas que permite distinguir as duas dimensões desta questão. Diz-nos António Guerreiro, “Mérito e meritocracia não são a mesma coisa. O desenvolvimento de qualidades e competências individuais (inatas ou alcançadas através do estudo, da disciplina e do esforço) que levam ao sucesso é, sempre foi, digno de apreço. Chamamos-lhe mérito. A meritocracia é uma coisa diferente: é um instrumento político e de engenharia social, ao serviço de um projeto de seleção de poucos através da exclusão de muitos.”

Ora, é precisamente a sobreposição destas duas dimensões que, desde o início, institui a matriz ideológica do domínio burguês. Na sequência das revoluções liberais de finais do século XVIII e do século XIX, o estatuto social, antes dependente do nascimento e dos privilégios que lhe eram inerentes, passa a colocar-se no terreno difuso e indeterminado de um paradigma igualitário na consideração dos cidadãos e na organização da sociedade, fazendo crer que o acesso aos cargos mais relevantes está aberto a todos e depende apenas do empenho de cada um. É no trabalho, na perseverança, na vontade, na coragem, que os burgueses encontram a justificação para o seu sucesso, escondendo as decisivas vantagens adquiridas pela sua inserção em meios sociais altamente favorecidos. Enquanto os aristocratas tinham estas vantagens à cabeça, os burgueses adquirem-nas, ainda que, na maioria dos casos, por interposta pessoa (por exemplo, por herança), ou pela casualidade de circunstâncias auspiciosas, para as quais comummente pouco ou nada contribuíram. O aristocrata é, o burguês faz-se. A uma desigualdade social derivada do nascimento – considerada aleatória e, por isso, injusta – sucede uma desigualdade justificada pelo mérito e esforço individuais, plenamente consagrada no pensamento liberal e inscrita na matriz da organização social burguesa.

A meritocracia é, assim, uma norma de organização social associada a uma suposta recompensa do engenho individual. A contrapartida para o proclamado êxito social considerado de forma abstrata – radica na suprema falácia de que o indigente é indigente, não porque não tenha meios para prover à sua subsistência, mas porque é de “má raça”, não se aplica o suficiente, é preguiçoso. A crença de que a hierarquia social se baseia no mérito, faz com que às classes desfavorecidas sejam atribuídas as culpas pela situação em que se encontram, e que invariavelmente radicam nas ideias de desleixo, de falta de trabalho e de caráter. As atitudes negativas relativamente a estas situações alimentam-se do preconceito e do estigma, sempre na base da convicção, escrita em letras de fogo, de que “cada um tem o que merece”.

A ordem liberal-burguesa rejeitou o privilégio herdado (nascimento), mas instituiu o privilégio capacitário – alegadamente meritocrático – que parte do pressuposto de que os melhores atingem sempre a excelência e, por isso, devem ser recompensados. A ponto de, já em 1925, na obra intitulada La barrière et le niveau. Étude sociologique sur la bourgeoisie française moderne, o filósofo e sociólogo francês Edmond Goblot prognosticar o fim próximo da burguesia: “Nous voyons peu à peu disparaître toutes les inégalités factices, ainsi que les nivellements trompeurs pour laisser paraître les inégalités naturelles, celles de l’intelligence, du savoir, du talent, des goûts, des vertus, des vices. En un mot le mérite personnel triomphe des classes” (cit. in Adeline Daumard, Les bourgeois et la bourgeoisie en France depuis 1815, Paris, Flammarion, 1991, p. 63). Não é, aliás, por acaso que a burguesia é a única classe que não se assume como tal. É como se, socorrendo-nos de uma analogia desportiva, nesta competição todos tivessem o mesmo ponto de partida e corressem na mesma pista, apenas dependendo do seu esforço e resiliência atingir a meta ambicionada. Na realidade, nada disto sucede. Não só uns poucos partem com grande avanço sobre os demais, como as pistas onde competem têm obstáculos e distâncias muito diferentes. Exceções certamente as há, mas apenas para cumprirem a sua condição ineludível de confirmação da regra.

É certo que nesta nova ordem social igualitária a mobilidade social pode efetivar-se no sentido ascendente bem como no descendente, ainda que haja todas as condições para que uma certa camada da população consiga, com relativa facilidade, escalar o que o famoso jornalista e ensaísta britânico oitocentista, Walter Bagehot, definia como “the ladder of removable inequalities” (cit. in J. Mordaunt Crook, The rise of the nouveaux riches, London, John Murray, 1999, p. 216) e assegurar a posição social a que se acha com direito. Como referia, numa conhecida boutade, o jornalista vitoriano Thomas H. S. Escott, em 1879, o século XIX tinha-se tornado “the Age of Money… in all its glory, ostentation, power and vulgarity”, sublinhando, a este propósito, que o “prestige of achievement” tinha substituído o “prestige of position” (ibid., pp. 243 e 257).

O entendimento desse princípio do achievement, pelo qual as posições sociais decorrem das capacidades individuais, deriva assim de um raciocínio falacioso; o da ausência das desigualdades derivadas das relações sociais realmente existentes, que condicionam sobremaneira as próprias possiblidades de desenvolvimento de eventuais aptidões, e que são permanentemente dissimuladas sob a capa ideológica da “igualdade de oportunidades”. Por outro lado, baseada nesta falácia, estabelece-se a certeza da incapacidade (e consequente menorização social) – numa versão benevolente – ou culpa – na versão hard – de todos aqueles que não conseguem atingir o incensado sucesso. Reconhecendo-se o êxito de alguns – e, apesar das disparidades – passa-se a exigir ipso facto a todos o mesmo desempenho, independentemente das condições para tal. Se alguns conseguem, penaliza-se o malogro dos restantes, camuflando-se a circunstância de que o êxito de uns é feito à custa e em detrimento de todos os outros. Quantas vezes não se ouve o discurso de que tributar os mais ricos equivale a penalizar o mérito e a iniciativa individuais? Ora, não é só pelo facto de coexistirem riqueza e miséria que a desigualdade social é obscena, mas pela constatação fundamental de que uma engendra a outra.

Foi esta falácia que Karl Marx denunciou, em 1875, na Crítica do Programa de Gotha, ao relacionar o reconhecimento social do mérito e das necessidades, dialética genialmente condensada na célebre formulação, “De cada um segundo as suas capacidades, a cada um segundo as suas necessidades”. Reconhecendo-se as diferenças dos talentos individuais, recusa-se a sanção social destes e a sua tradução numa situação de sujeição e dependência, com a consequente consagração do domínio dos poderosos e da exploração humana.



Hugo Fernandez




publicado por albardeiro às 13:52
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Novembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

O MAIS

PROPRIETÁRIOS

O JOGO

MÉRITO

TEXTOS

NO MELHOR PANO…

UM OUTRO MUNDO

COMEMORAÇÕES

PODE ALGUÉM SER QUEM NÃO ...

RESCALDO

arquivos

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds