Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Segunda-feira, 14 de Outubro de 2019
DONOS DISTO TUDO

Com o título “Os verdadeiros donos do dinheiro”, a revista Visão (19/9/2019), num artigo assinado por Rui Barroso e Paulo Zacarias Gomes, traz-nos revelações impressionantes sobre o efetivo centro do poder mundial. Estas são as histórias dos superpoderosos que gerem fortunas que rivalizam com a economia de países e que têm a capacidade real de influenciar governos e determinar políticas públicas. Para termos um ponto de comparação, Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, com uma fortuna avaliada em 100 mil milhões de euros (quase metade da riqueza produzida em Portugal num ano) está muito longe dos montantes de qualquer uma das 12 instituições financeiras, na sua esmagadora maioria norte-americanas, que ascendem aos biliões de euros; “Se fossem países, estariam na lista das maiores economias do mundo”, lê-se no artigo citado. Tratam-se de gigantes empresariais que têm a seu cargo um valor equivalente a um terço do PIB mundial. Ditando os destinos da economia global, estas grandes empresas de gestão de ativos não param de crescer, e “são estes grandes gestores «os mercados» que mostram o seu humor no sobe-e-desce nas bolsas e que ajudam a criar expetativas relativamente às decisões de bancos centrais e de governos”.

Ao contrário da Amazon, da Apple ou da Microsoft, estamos perante empresas praticamente desconhecidas da opinião pública, como a BlackRock, a Vanguard ou a State Street Global Advisors, sintomaticamente designadas big three. Para se ter uma ideia da escala do que falamos, o montante de 5,25 biliões de euros administrado pela BlackRock – a maior das 3 referidas – supera o PIB do Japão e apenas é ultrapassado pelo PIB da China e dos EUA. A Vanguard, com 4,26 biliões, é superior ao PIB da Alemanha e a State Street, com uma carteira de 2,20 biliões, situa-se praticamente ao nível do PIB da Índia. O seu negócio é a aplicação de enormes fluxos de capital no financiamento de milhares de empresas em que participam e onde a sua influência acionista é decisiva, por exemplo, na escolha da administração, na fixação de salários e dividendos, ou na definição de estratégias empresariais (em Portugal são acionistas de empresas tão estratégicas como a EDP, a Galp, a REN ou os CTT, com mais de 2,1 mil milhões de euros colocados na Bolsa nacional). Mas o seu papel é igualmente decisivo no fornecimento de liquidez aos bancos e, de uma forma geral, na especulação financeira internacional. Ora, é a existência destes colossos financeiros e a possibilidade de, em caso

de colapso, estes fundos de investimentos poderem arrastar consigo a economia mundial – como já aconteceu em 2008 – que constitui o verdadeiro “risco sistémico” para a estabilidade global.

Tamanha concentração de riqueza traduz-se, sobretudo, numa capacidade ímpar de condicionar a ação governativa a nível planetário e num poder desmesurado sobre os destinos da humanidade. Não sendo escrutinável, nem sujeito a mecanismos de regulação económica e mediação política, transforma-se num poder absoluto e discricionário, constituindo uma séria ameaça à nossa vida coletiva. Como podem as democracias sobreviver a tal estado de coisas? Nesta situação de financeirização das existências, o pensamento neoliberal hegemónico dilui a dimensão política na esfera económica, encarando todas as dimensões da vida social – e individual – numa lógica de mercado e de valorização comercial, em que “mesmo no domínio das ideologias e das convicções políticas tudo se compra e tudo se vende.”, como refere Boaventura de Sousa Santos no seu livro Pneumatóforo : escritos políticos (1981-2018) (Coimbra, Almedina, 2018, p. 195). E, a este propósito, o sociólogo coimbrão acrescenta: “Daí a corrupção endémica do sistema político, uma corrupção não só funcional como necessária. A democracia, enquanto gramática social e acordo de convivência cidadã, desaparece para dar lugar à democracia instrumental, a democracia tolerada enquanto serve os interesses de quem tem poder económico e social para a pôr ao serviço dos seus interesses.” (ibid., p. 195-196). Democratizar a democracia – sugestiva expressão que constituiu título do livro de Sousa Santos de 2002 (e que tinha como subtítulo “os caminhos da democracia participativa”) – torna-se, desta forma, um imperativo da sobrevivência dos preceitos básicos da cidadania e de um mínimo de dignidade das nossas sociedades.

Por isso, tomamos em devida consideração o desafio lançado pelo pensador social inglês Richard Tawney no prefácio à edição de 1951 da sua famosa obra Equality, publicado no já longínquo ano de 1931: “It may well be the case that democracy and capitalism, which at moments in their youth were allies, cannot live together, once both have come of age. When that contingency arises, it is necessary to choose between them.” (Richard H. Tawney, Equality, London, George Allen & Unwin, 1952, p. 15).

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 20:11
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

UM PAÍS

DONOS DISTO TUDO

CAUSA E EFEITO

CATALUNYA

PAÍS NORMAL

SÍNDROMA PULLMAN

ESPANTO

POR OUTRO LADO

ELES COMEM TUDO

O MAIS

arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds