Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Segunda-feira, 10 de Julho de 2023
Como será a educação daqui a 10, 15 ou vinte anos? E os professores, turmas, currículos?

Se fizermos o exercício de prever como será a educação na próxima década, talvez necessitemos, em primeiro lugar, em considerar como corrigir as desigualdades e oferecer novas possibilidades de aprendizagem para crianças e jovens; em segundo lugar, o que precisamos de continuar a fazer, o que deve ser abandonado e o que deve ser recriado? Pensando em respostas para essas questões, um estudo publicado pela Unesco (agência da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) no final de 2021 estabelece princípios e avança nos debates que, atualmente, começam a fazer parte da agenda de governos e discussões dentro e fora da escola, incluindo a formação de professores.

A prospetiva, em qualquer campo, é um exercício bastante arriscado. Afinal, como sabemos, havia muitos artigos no início da década de 2010 sobre a visão da década de 2020... Quem teria previsto um vírus altamente contagioso com consequências que ainda não compreendemos totalmente? Ninguém o fez! Estes "cisnes negros" podem perturbar tudo. No entanto, isto não impede que os peritos especulem sobre o que irá acontecer nas décadas vindouras.

A educação não é exceção. Façamos um breve resumo dos últimos dois séculos: partimos de um mundo onde, em 1820, 12% da população sabia escrever e ler. 200 anos mais tarde, a percentagem inverteu-se e apenas 14% do mundo é completamente analfabeto[i]. Este quadro poderia ser completo por estratos no domínio das competências primárias, mas o facto é que o modelo escolar tem conseguido educar a maioria das pessoas.

Desde então, a fórmula tem permanecido mais ou menos a mesma, independemente das adições tecnológicas ao longo do tempo. O papel em que os cálculos foram rabiscados tornou-se uma calculadora. Não contente com esta máquina, o computador apareceu. A Internet seguiu-se anos mais tarde, bem como smartphones, aplicações, realidade virtual e aumentada, IA, etc. No entanto, para muitos peritos, a verdadeira revolução ainda não teve lugar. Nenhuma destas tecnologias alterou fundamentalmente a abordagem educacional. Depois veio a pandemia de covid-19. Poderia, ou poderá, esta crise sem precedentes ser o início de um novo capítulo?[ii]

4 futuros possíveis

Em Setembro de 2020, enquanto a pandemia grassava e as vacinas estavam na fase experimental, a OCDE publicou um relatório sobre os quatro futuros possíveis da educação. Os peritos tentaram ver onde estaria a educação nos próximos vinte anos.[iii]

Em 2040, a que poderão os estudantes ter direito? Os quatro cenários são resumidos a seguir:

  1. Continuação da escola: Este é o cenário potencial onde as mudanças seriam menos percetíveis. As crianças continuariam a frequentar a escola da forma tradicional, e a graduação continuaria a ser o meio de acesso ao sucesso social e económico. Os países trabalhariam num núcleo comum, possivelmente para mais parcerias internacionais. Uma aprendizagem mais personalizada mudaria o papel do professor e os organismos públicos teriam uma presença determinante na educação.
  2. Educação externalizada: neste cenário, o lugar da escola será drasticamente reduzido. Formas de educação privadas ou baseadas na comunidade surgiriam em todo o lado. O papel da burocracia será sobremaneira reduzido, deixando uma maior escolha de programas aos alunos com a possibilidade de aprender ao seu próprio ritmo. Assim, será mais a comunidade profissional que daria valor a uma escolaridade diferente. Por exemplo, a OCDE e o Cedefop (Centro Europeu para o Desenvolvimento da Formação Profissional) previram cursos de formação profissional que poderiam ser concebidos como "crachás digitais" ou "microcredenciais" que os alunos obteriam. Cabe então às empresas ver qual destas qualificações/competências se adequa às suas necessidades.[iv]
  3. As escolas como laboratórios de aprendizagem: a escola continuaria a ser o centro da educação. No entanto, deixará de existir um currículo uniforme. Os atores locais, incluindo museus, centros tecnológicos, bibliotecas e outros, desenvolveriam programas baseados em valores comuns. Como resultado, a experimentação e a diversidade de conhecimentos tornam-se a norma. A aprendizagem personalizada é reforçada por um quadro de trabalho colaborativo.
  4. Aprender no trabalho: nesta visão, é o fim da escola. O mundo digital, capaz de deter mais conhecimentos do que nunca, poderia ser utilizado por cada indivíduo para aprender o que lhe convém 'de borla'. Inteligência artificial e soluções tecnológicas esbatem mais do que nunca a linha entre aprendizagem, trabalho e lazer. Consequentemente, é também um adeus aos professores institucionalizados, pois o indivíduo torna-se um consumidor da formação de que gosta.

Obviamente, os autores destes cenários estão conscientes de que os perigos naturais podem favorecer muito bem um ou outro dos cenários, ou mesmo criar outro. De facto, ao lê-las, apercebemo-nos disso mesmo. Devemos simplesmente ajustar o sistema atual para satisfazer necessidades futuras ou devemos imaginar um modelo completamente diferente?[v]                  

Adeus, caros professores?

Quando olhamos para o futuro da educação, mesmo excluindo os propostos pela OCDE, parece haver uma ideia persistente de que os professores como profissionais irão desaparecer. Afinal, porquê confiar em professores e livros quando a Internet e algoritmos sofisticados podem fazer o trabalho de forma ainda mais eficiente?[vi]

Tanto mais que um relatório publicado em 2021 pela Education International[vii] mostra claramente que o trabalho é cada vez mais ingrato, que os empregos estão a ser cada vez menos preenchidos, etc. Daí a fantasia de algumas pessoas de se livrarem destes "queixosos" por meios tecnológicos e aproximarem-se do que as indústrias precisam.

No entanto, não devemos “apregoar” imediatamente que o papel do educador se extinguiu. Antes de mais, porque muitos outros cenários tendem[viii] a mostrar que o seu lugar ainda está presente. Quer sejam trabalhadores públicos ou privados, a sua presença seria ainda necessária, nem que fosse apenas para acompanhar os alunos na sua viagem de estudo. De facto, pode parecer lógico recorrer à tecnologia como base para o ensino, mas quem será capaz de verificar verdadeiramente a compreensão dos alunos? Inteligências artificiais? Possivelmente, mas ainda estamos muito longe desta realidade e sabemos que as máquinas podem por vezes julgar mal as situações.

Tanto mais que os cenários prospetivos na educação continuam a não se materializar realmente. A chamada "mudança MOOC" que deveria mudar a face do mundo educacional terá sido, no final, principalmente um canal de formação adicional que não terá eclipsado os currículos tradicionais do corpo docente.

Estes cenários são, portanto, plausíveis, mas ainda muito longe de serem realizados. Tantas pequenas coisas poderiam levar a um quadro completamente diferente na(s) próxima(s) década(s).

Repensar, religar, repensar

Todos esses cenários têm implicações importantes para os objetivos e governança da educação, bem como para a força de trabalho docente. Os sistemas de ensino em muitos países já se abriram para novos atores, descentralizando-se do nacional para o local e, cada vez mais, para o internacional. O poder tornou-se mais distribuído, os processos mais inclusivos. A investigação e a inovação está a dar lugar à co-criação.

Podemos construir uma gama infinita de tais cenários. O futuro pode ser qualquer combinação deles e provavelmente parecerá muito diferente em diferentes lugares do mundo. Apesar disso, tal pensamento dá-nos as ferramentas para explorar as consequências para os objetivos e funções da educação, para a sua organização e estruturas, para a formação da força de trabalho educacional e para as políticas públicas. Em última análise, faz-nos pensar mais sobre o futuro que queremos para a educação. Muitas vezes significa resolver tensões e dilemas, pensemos nos seguintes:

  • Qual é o equilíbrio certo entre modernização e disrupção?
  • Como conciliar novos objetivos com velhas estruturas?
  • Como apoiamos alunos e professores com mentalidade global e raízes locais?
  • Como podemos promover a inovação enquanto reconhecemos a natureza socialmente altamente conservadora da educação?
  • Como alavancamos o novo potencial com a capacidade existente?
  • Como reconfiguramos os espaços, as pessoas, o tempo e as tecnologias para criar ambientes de aprendizagem poderosos?
  • No caso de desacordo, de quem é a voz de quem conta?
  • Quem é responsável pelos membros mais vulneráveis da nossa sociedade?
  • Se as “corporações” digitais globais são os principais provedores, que tipo de regime regulatório é necessário para resolver as já espinhosas questões de propriedade dos dados, da democracia e empoderamento do cidadão?

Pensar no futuro exige imaginação e também rigor. Devemos proteger-nos contra a tentação de escolher um futuro favorito, feito à medida - isso são cenarizações e muito menos prepararmo-nos para ele sozinhos. Num mundo onde choques como pandemias e eventos climáticos extremos devido às mudanças climáticas, agitação social e polarização política devem ser mais frequentes, não nos podemos dar ao luxo de ser “apanhados” desprevenidos novamente.

Este não é um grito de desespero – ao contrário, é uma (humilde) chamada à ação. A educação deve estar pronta. Conhecemos o poder da humanidade e a importância de aprender e crescer ao longo da vida. Insistimos na importância da educação como bem público, independentemente do cenário futuro.

Por isso: um novo contrato social para a educação?

Para dar conta das necessidades encontradas, a Unesco defende a criação de um novo Contrato Social Para a Educação, no qual todos os integrantes da sociedade atuem por benefícios comuns a partir de dois princípios básicos: acesso à educação de qualidade por toda a vida e fortalecimento da educação como um bem comum.

Segundo Sahle-Work Zewde,[ix] é necessário transformar a educação. “O respeito pelos direitos humanos e a preocupação com a educação enquanto um bem comum devem tornar-se os fios centrais que unem o nosso mundo compartilhado e futuro interconectado”, salientou na apresentação do documento.[x]

Ao longo do século 20, a educação pública tinha como foco apoiar a cidadania nacional e os esforços de desenvolvimento ao tornar a educação obrigatória para crianças e jovens. Hoje, diante dos riscos mencionados acima, a Unesco clama por união em torno de esforços coletivos e de acesso a conhecimento e à inovação necessários para moldar um futuro sustentável e pacífico para todos, ancorado na justiça social, maior igualdade económica e mais responsabilidade ambiental.

Quais são as propostas?

Quando analisamos as recomendações para o público envolvido na educação, o documento traz os seguintes pontos:

  • O modelo de ensino deve deixar de ter uma abordagem expositiva, centrada no professor e voltada para a realização individual, em vez disso, é necessário acentuar a colaboração e a solidariedade.
  • Os currículos que são frequentemente organizados como uma hierarquização de disciplinas precisam de mudar para enfatizar a aprendizagem ecológica, intercultural e interdisciplinar.
  • O ensino precisa de deixar de ser considerado uma prática individual para se tornar ainda mais profissionalizado e fruto de um esforço colaborativo.
  • As escolas são instituições que precisam de ser protegidas. No entanto, devemos passar da imposição de modelos universais e reimaginar escolas, incluindo arquiteturas, espaços, tempos, horários e grupos de alunos de diversas maneiras.
  • Em todos os tempos e espaços de aprendizagem, devemos deixar de pensar na educação como algo que ocorre principalmente nas escolas e em certas idades e, em vez disso, dar as boas-vindas e expandir as oportunidades educacionais em todos os lugares.

Como tirar do papel um novo contrato social para a educação?

  • Pela mudança e inovação em larga escala. Um novo contrato social virá à tona a partir de ações individuais e coletivas – manifestadas por atos de coragem, liderança, resistência, criatividade e cuidado. Um novo contrato social precisa de superar a discriminação, marginalização e exclusão. A educação deve dedicar-se a garantir a igualdade de género e os direitos de todos, independentemente da raça, etnia, religião, deficiência, orientação sexual, idade ou condição de cidadania. É necessário um compromisso robusto com o diálogo social, pensando e agindo de forma conjunta.
  • Por investigação e inovação. Um novo contrato social requer um programa de investigação colaborativa para a educação ao longo da vida. Este programa deve centrar-se no direito à educação e incluir diferentes tipos de evidências e formas de conhecimento, incluindo a aprendizagem horizontal e a troca de conhecimentos através das fronteiras. As contribuições devem vir de todos – professores a estudantes, de académicos e centros de investigação a governos e organizações da sociedade civil.
  • Solidariedade global e cooperação internacional. Um novo contrato social para a educação requer um compromisso renovado com a colaboração global num apoio à educação como um bem comum, com base numa cooperação mais justa e equitativa entre atores estatais e não-estatais. A comunidade internacional tem um papel fundamental a desempenhar, ajudando na construção de consensos, normas e referenciais comuns. As necessidades educacionais dos requerentes de asilo, refugiados, apátridas e migrantes, em particular, precisam de ser apoiadas por meio da cooperação internacional e do trabalho de instituições globais.
  • As universidades e outras instituições de ensino superior devem ter um papel ativo, atuando na investigação e na formação, como contribuintes para outras instituições e programas educacionais nas suas comunidades e em todo o mundo.
  • É fundamental que todos possam participar da construção do futuro da educação – crianças, jovens, famílias, professores, investigadores, ativistas, empregadores, lideranças culturais e religiosas.

A Unesco salienta que o relatório é mais um convite a pensar e imaginar do que um projeto. As questões que surgem precisam de ser tomadas e respondidas localmente nos países, nas escolas, nos programas e nos sistemas educacionais.

Tomando por referência a famosa frase de Sócrates: "Educação é acender uma chama, não encher um vaso", mais uma vez, acentuamos que a educação desempenha um papel fulcral na formação das sociedades e na preparação dos indivíduos para o futuro. À medida que nos aproximamos de 2030, os desafios da educação tornam-se cada vez mais complexos e diversificados. Para enfrentar estes desafios de forma eficaz, a formação de professores deve evoluir e adaptar-se. Nesta comunicação, não queria deixar de apontar, no meu entender, algumas das principais questões relacionadas com a formação de professores e os desafios previstos para a educação em 2030, salientando simultaneamente a necessidade de abordagens cientificamente competentes, nomeadamente:a) Avanços tecnológicos e literacia digital: em 2030, a tecnologia continuará a transformar a educação. Os professores devem estar preparados e apetrechados com as competências e os conhecimentos necessários para poderem integrar eficazmente a tecnologia nos seus processos letivos. Os programas de formação devem centrar-se no desenvolvimento da literacia digital, no fomento do pensamento crítico, na promoção de um comportamento responsável e cívico e na utilização de ferramentas inovadoras para uma aprendizagem personalizada. Os professores precisam de se adaptar às tecnologias emergentes, como a inteligência artificial, a realidade virtual e a realidade aumentada, para criar ambientes de aprendizagem envolventes e eficazes.b) Mudança na demografia e diversidade dos alunos: a população estudantil em 2030 será cada vez mais diversificada em termos de origens culturais, linguísticas e socioeconómicas – é imperativo responder às necessidades específicas de cada aluno. A formação de professores deve incluir estratégias para um ensino culturalmente pró-ativo, que envolva instrução diferenciada e práticas inclusivas. Os educadores devem desenvolver competências interculturais e adotar abordagens pedagógicas que promovam a equidade e a diversidade nos contextos de ensino.c) Cidadania global e desenvolvimento sustentável: face aos desafios globais como as alterações climáticas, a pobreza e a desigualdade, a educação em 2030 deve promover a cidadania global e o desenvolvimento sustentável. Os professores devem receber formação sobre a incorporação de temas como a educação ambiental, a justiça social e a tomada de decisões éticas nos seus currículos. Esta formação deve capacitar os professores para inspirar os alunos a tornarem-se cidadãos globais responsáveis que possam contribuir para um futuro sustentável.d) Aptidões e competências para o século XXI: as exigências da futura capacitação profissional requerem uma mudança no foco educacional. Os programas de formação de professores devem dar prioridade ao desenvolvimento de competências do século XXI, como o pensamento crítico, a criatividade, a colaboração, a comunicação e a resolução de problemas. Os professores devem ser formados para conceber experiências de aprendizagem baseadas em projetos, facilitar o trabalho em equipa e integrar contextos do mundo real nos seus contextos letivos. O desenvolvimento profissional contínuo deve ajudar os professores a manterem-se atualizados em relação à evolução das competências exigidas.e) Saúde mental e bem-estar: em 2030, a saúde mental e o bem-estar continuarão a ser questões críticas na educação. Os professores precisam de estar “bem preparados” com conhecimentos e estratégias para apoiar o desenvolvimento social e emocional dos alunos. Os programas de formação de professores devem incluir módulos sobre a promoção de uma saúde mental positiva, o reconhecimento de sinais de sofrimento e a prestação de apoio adequado. Os educadores devem também estar preparados para enfrentar os desafios colocados pelo impacto da tecnologia na saúde mental, como a gestão do tempo de ecrã e o ciberbullying… e outras formas de humilhação no ambiente virtual.f) Aprendizagem ao longo da vida e adaptabilidade: o ritmo da mudança no mundo moderno exige que os indivíduos se tornem aprendizes ao longo da vida. Os professores devem estar preparados para modelar e promover uma mentalidade de crescimento e adaptabilidade. Os programas de formação devem enfatizar a prática reflexiva, a aprendizagem autodirigida e a criação de redes profissionais. Os docentes devem adotar estratégias para facilitar a aprendizagem contínua para si próprios e para os seus alunos, promovendo uma cultura de aprendizagem ao longo da vida no sistema educativo.

Tudo aponta para que em 2030:

os desafios da educação serão complexos e multifacetados. Para enfrentar esses desafios de forma eficaz, a formação de professores deve ser abrangente e cientificamente competente. Os programas de formação devem dotar os professores das competências, conhecimentos e atitudes necessários para navegar nos avanços tecnológicos, promover a diversidade e a inclusão, fomentar a cidadania global, desenvolver competências do século XXI e cultivar uma cultura de aprendizagem ao longo da vida. Ao investir na formação de professores, podemos garantir que os educadores estão preparados para satisfazer as necessidades em evolução dos alunos e proporcionar uma educação de qualidade nos próximos anos.

Domingos Caeiro

(Universidade Aberta, julho de 2023)

 

[i] (https://interestingengineering.com/innovation/life-in-2050-a-glimpse-at-education-in-the-future)

[ii] (https://interestingengineering.com/innovation/life-in-2050-a-glimpse-at-education-in-the-future)

[iii] (https://www.oecd-ilibrary.org/education/back-to-the-future-s-of-education_178ef527-en)

[iv] (https://www.centre-inffo.fr/site-europe-international-formation/actualites-europe/3-scenarios-pour-le-futur-de-lapprentissage-en-europe)

[v] (https://www.weforum.org/agenda/2021/01/future-of-education-4-scenarios/)

[vi] (https://ottawacitizen.com/news/nine-near-future-scenarios-robot-assistants)

[vii] https://www.ei-ie.org/en/workarea/1316:future-of-work-in-education

[viii] https://crpe.org/in-the-future-diverse-approaches-to-schooling/

[ix]   https://www.councilwomenworldleaders.org/sahle-work-zewde.html

[x]    https://news.un.org/pt/story/2021/11/1770022

 

 



publicado por albardeiro às 12:56
link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Ricardo A a 11 de Fevereiro de 2024 às 14:26
"os desafios da educação serão complexos e multifacetados'--------- E de que maneira.


Comentar post

pesquisar
 
Junho 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

A COMPARAÇÃO

A FUSÃO

AJUSTE DE CONTAS

Seminário em Alenquer - A...

O MOMENTO DA VERDADE (em ...

ROLO COMPRESSOR

Reflexão sobre o artigo d...

AS PERGUNTAS

Valorizar os servidores d...

MÍNIMOS

arquivos

Junho 2024

Maio 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Outubro 2023

Julho 2023

Junho 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Outubro 2020

Julho 2020

Junho 2020

Abril 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub