Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Segunda-feira, 2 de Setembro de 2019
CAUSA E EFEITO

O estado de “emergência ambiental” que hoje vivemos radica em dois processos complementares: a necessidade da predação crescente dos recursos por parte de um sistema económico-financeiro despudoradamente ganancioso e irresponsável, que corresponde a uma nova fase de extrativismo desenfreado e acumulação “selvagem” de capital, e o consequente esgotamento dos bens disponíveis, que corresponde a uma acelerada degradação quer da qualidade de vida das populações, quer do meio ambiente planetário. O capitalismo globalizado é o grande responsável por esta situação.

Recusando-nos a identificar o capitalismo como a verdadeira raiz do problema (porque também era de um “capitalismo de Estado” que se alimentavam os socialismos “realmente existentes”) caímos naquilo que, a propósito do tema, Vítor Belanciano apelidou de “alienação ambiental”, explicando que, “Em vez de situar a discussão na política, ela é deslocada para os comportamentos, para as mudanças culturais ou para a ética.” O jornalista questiona se “É possível alguma ação política e social resolver a crise climática sem colocar em causa a estrutura de poder capitalista?”, para responder prontamente: “É pouco crível. […] É preciso pensar na reforma de um sistema que se mostra nocivo à vida sustentável na Terra.” (Público, 4/8/2019).

O ceticismo perante a evidência das alterações climáticas – que o conhecimento científico e a experiência vivencial tristemente comprovam sem margem para dúvidas – provém ou da profunda ignorância dos Trumps e Bolsonaros que por aí andam, ou da ilusão de que haverá sempre uma solução tecnológica para o problema (que mais não seja na preparação da nossa fuga para outro planeta!). Mas tem outra proveniência bem mais insidiosa; a daqueles que defendem a manutenção e mesmo o aprofundamento do atual statu quo, beneficiando dos desejados proveitos do sistema estabelecido a nível mundial, em nome da estabilidade e do crescimento. Estes são os piores, porque sem grande alarde, perpetuam a desgraça existente e antecipam a catástrofe futura.

Parece ser do lado destes que se coloca Carlos Guimarães Pinto, economista e presidente do novel partido Iniciativa Liberal, que, em artigo de opinião no jornal Público (15/8/2019) dissertou sobre os problemas ambientais. Criticando os ambientalistas – que, a dado passo, apelida de “fundamentalistas” – diz que “assumem uma posição quase religiosa em relação ao ambiente, em que a única atitude perante o problema é o sacrifício pessoal e coletivo. Em muitos casos guiados por preconceitos de origem marxista, o «decrescimento» ou o «fim da sociedade capitalista» é apontado como solução para os problemas do planeta.” A solução, para este economista liberal é, precisamente, crescer economicamente e assim responder aos anseios das populações, pois, como diz, “as pessoas só se preocupam com causas comunitárias de longo prazo quando as suas necessidades individuais de curto prazo estão resolvidas.” Dá como exemplo a necessidade de incentivar o progresso tecnológico para facilitar a adaptação do ser humano às alterações anunciadas, mas, para isso – cá está! – “é preciso haver capacidade de investimento e essa só se consegue com países capazes de um crescimento economicamente robusto”. Para Guimarães Pinto, “Chegou o momento de pensarmos no ambiente sob uma perspetiva realista e cientificamente transversal, abandonando perspetivas simplistas e enviesadas ideologicamente.”, concluindo, de forma eloquente: “Abdicar do crescimento económico, hostilizar quem o promove, é de uma profunda irresponsabilidade.”

Em oposição ao discurso desenvolvimentista, do que se trata é de promover uma economia sustentável que não pode deixar de passar por um decréscimo assinalável do consumo e dos gastos e por uma diminuição das assimetrias entre países e entre pessoas, através de um uso racional dos bens, da reutilização e reciclagem dos produtos e serviços e de uma distribuição mais igualitária da riqueza. Isto é, por uma significativa alteração dos atuais padrões de acumulação, desgaste e desperdício dos bens disponíveis. É óbvio que dificilmente conseguiremos atingir estes propósitos no âmbito de um sistema societário assente na busca obsessiva do lucro, da desregulação económica e da exploração do trabalho, do extremar das desigualdades, do esbanjamento olímpico e da pilhagem descontrolada dos recursos. Ou seja, do capitalismo! Urge, portanto, encontrar outro modelo de sociedade.

É justamente contra a despolitização do problema que o sociólogo norte-americano Jason W. Moore faz, desde 2013, a distinção entre uma visão demasiado anódina do que designa por “Antropoceno” – época da história da Terra a partir da qual a ação humana alterou negativa e de forma decisiva o ecossistema – para uma definição mais efetiva e interventiva de “Capitaloceno”, em que “as alterações climáticas provêm de um regime económico que assenta na extração de matérias-primas e na apropriação da energia não paga, uma predação durante muito tempo considerada como natural.” (Jean-Baptiste Malet, “O fim do mundo não vai acontecer”, Le Monde Diplomatique, ed. port., agosto de 2019, assim como as restantes referências deste parágrafo). E se logo em 1974, o engenheiro agrónomo francês René Dumont, no livro À vous de choisir: l’écologie ou la mort, alertava para o facto de que, “Se mantivermos a taxa de expansão atual da população e da produção industrial até ao próximo século, será o colapso total da nossa civilização”, o estado de “emergência ambiental” é, já hoje, vivido por centenas de milhões de indivíduos em todo o mundo: 821 milhões de pessoas subalimentadas, mil milhões sem alojamento ou instalações sanitárias condignas, 2,1 mil milhões sem fornecimento de água potável.

Daí que a questão ambiental seja uma matéria eminentemente política, no sentido de encontrar soluções alternativas para o devir coletivo. Como refere o diretor-executivo da revista Visão, Rui Tavares Guedes, “para se salvar o mundo, vai ser preciso mudar, primeiro, o mundo.” E aí, uma temática que parece consensual – a defesa do planeta – debate-se com a diversidade dos caminhos a seguir e com a pluralidade dos interesses a afrontar. Ora este é o domínio das opções políticas e do cotejo dos distintos projetos de sociedade e de sustentabilidade da nossa existência na Terra. Quem não compreender isto, pouco entenderá do que se passa nos nossos dias e, sobretudo, pouca eficácia terá na sua ação, por melhores intenções que apresente.

Da tosca taxinomia de posições que invocamos anteriormente face às alterações climáticas – os broncos e ignorantes, os iludidos tecnológicos, os sonsos oportunistas – falta referir uma última categoria: a dos ingénuos bem-intencionados. De todos, são aqueles que, pela atitude cândida que adotam, mais sofrem com o que vêem e, em simultâneo, menos eficazes se mostram na sua demanda. Porque, sendo sinceros nos seus propósitos, falham o alvo da sua indignação e alienam os mecanismos de atuação política ao seu dispôr. A jovem estudante sueca Greta Thunberg, que iniciou o movimento Skolstrejk för Klimatet (greve escolar pelo clima), declarou, angustiada, na edição de 2019 do Fórum Económico Mundial, em Davos, “Não quero que estejam cheios de esperança, quero que entrem em pânico. Quero que, todos os dias, tenham medo como eu. E depois quero que ajam”, proclamando, “Sou apenas um mensageiro” (o “messias 2.0”, como a apelidou ironicamente o jornalista francês Jean-Baptiste Malet, no artigo citado).

Mas será a greve às aulas, às sextas-feiras, que poderá resolver o problema? Será que é a escola a principal culpada pela situação a que chegamos? Ou, pelo contrário, não será na instituição escolar que os alunos tomam contacto, muitas vezes pela primeira vez, com a ecologia e as preocupações ambientais, tantas vezes negligenciadas pelas próprias famílias? Será este o alvo certo, ou será apenas “uma forma de lutar contra os sentimentos de culpa consumistas.” a que se refere o sociólogo alemão Wolfgang Streeck, em entrevista a Hugo Mendes na revista Manifesto (nº 3 primavera/verão 2019, p. 85)? Não seria mais eficaz o boicote a produtos geneticamente modificados ou fruto da exploração agropecuária intensiva e das empresas que os promovem? Não seria mais eficaz a exigência de mudanças profundas no estilo de vida consumista, boicotando as atividades gastadoras de grandes quantidades de energia ou de água, reciclando os próprios artigos de consumo (como o vestuário) ou recusando comprar produtos às empresas poluidoras e predadoras dos recursos naturais? Não seria mais eficaz juntar esforços a nível mundial a favor de uma maior igualdade e justiça social, contra a exploração económica e todas as iniciativas suicidárias do governo americano ou brasileiro relativamente à destruição do meio ambiente?

Aquando da “greve climática estudantil” global do passado dia 24 de maio, podia ler-se em cartazes ostentados por jovens, nas manifestações em Portugal, “Faltei à aula de história para fazer história” ou “Para quê ir à escola se não há futuro?” Mas é precisamente no meio académico e com base em estudos científicos – que estes jovens parecem enjeitar – que partem as denúncias mais claras acerca da crise ambiental. Pondo o dedo na ferida, o instituto finlandês BIOS, num relatório realizado para as Nações Unidas, confronta-nos claramente com a necessidade de “Matar o capitalismo para salvar a Terra” (título do artigo do jornalista Nuno Aguiar sobre a “emergência climática”, na revista Visão 30/5/2019), explicando que “A atuação com base na economia de mercado não será suficiente, mesmo com um preço de carbono elevado. […] Não basta o Estado corrigir as «falhas de mercado» de forma reativa.” Será que esta falta de foco nas formas de luta adotadas, não corresponde, afinal, a um elevado estado de alienação perante a realidade planetária? É que os problemas ambientais derivam do sistema capitalista e não o contrário.





Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 00:41
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



pesquisar
 
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

UM PAÍS

DONOS DISTO TUDO

CAUSA E EFEITO

CATALUNYA

PAÍS NORMAL

SÍNDROMA PULLMAN

ESPANTO

POR OUTRO LADO

ELES COMEM TUDO

O MAIS

arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds