Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sexta-feira, 14 de Junho de 2019
CATALUNYA

A 12 de fevereiro último, começou no Supremo Tribunal Espanhol, em Madrid, o julgamento de 12 governantes e líderes sociais catalães cujo único crime – político, está bem de ver – foi a organização de um referendo sobre a independência da Catalunha. Estes dirigentes políticos catalães, no pleno exercício das funções governativas para as quais foram eleitos, conduziram todo o processo de forma absolutamente pacífica e no estrito cumprimento das regras democráticas consagradas em qualquer parte do mundo. Existindo uma questão fraturante a condicionar os destinos da região autónoma, havia que consultar a vontade dos seus cidadãos. Foi o que fizeram a 1 de outubro de 2017. E foi isso que os conduziu à prisão.

Tratou-se de uma decisão extemporânea, de um ato inconsiderado de uma qualquer fação extremista? Não. A questão é antiga e cala fundo na comunidade catalã. Região possuidora, desde sempre, de língua e cultura próprias, bem como de um forte sentimento identitário, o seu caráter autónomo foi, na história mais recente, reconhecido (juntamente com outros nacionalismos periféricos) pela II República espanhola (1931-36), mas prontamente reprimido pela ditadura franquista (1939-1975). Acabou por ficar consagrado na formulação dúbia da Constituição de Espanha de 1978, onde, no seu artigo 2º, se “reconhece e garante o direito à autonomia das nacionalidades e regiões” que integram o território espanhol, ainda que, simultaneamente se proclame a “indissolúvel unidade da Nação espanhola, pátria comum e indivisível de todos os espanhóis”, uma solução de compromisso que, como refere Filipe Vasconcelos Romão, “Em termos políticos, terá como consequência a organização de Espanha na forma de Estado autonómico, um meio termo entre o federalismo, defendido pela esquerda e pelas alas moderadas dos nacionalismos catalão e basco, e o unitarismo, pretendido pela direita nacionalista espanhola.” (Filipe Vasconcelos Romão, Espanha e Catalunha, Choque Entre Nacionalismos, Silveira, Letras Errantes, 2017, pp. 28-29).

Desde o período da transição democrática, após a morte de Francisco Franco, até ao começo do nosso século, a indefinição de propósitos e o impasse das expetativas teve um início de resolução durante o consulado de José Luis Rodríguez Zapatero, dirigente do PSOE e chefe do Governo espanhol de 2004 a 2011, ao aprovar uma reforma do Estatuto da Catalunha que era enquadrado numa lógica mais federal para o todo nacional e que foi aprovado, em 2005, por 85% dos deputados do Parlamento da Catalunha, por 73% dos eleitores catalães, em consulta realizada para o efeito em junho de 2006, assim como pela maioria absoluta dos representantes ao Congresso dos Deputados, em Madrid, também no ano de 2006. Inconformado com estes resultados, e na pior tradição centralizadora do regime franquista, o Partido Popular (PP), que liderava, à época, a oposição, interpôs recurso para o Tribunal Constitucional (TC), solicitando a fiscalização constitucional do documento sufragado. Em 2010, o TC veio dar razão a este recurso, tendo chumbado 41 artigos do referido Estatuto. Tudo se agravou. Voltaram ressentimentos antigos e extremaram-se posições. A atitude sobranceira e irresponsável dos governos do PP de Mariano Rajoy (2011-2018) de pura e simplesmente ignorar a questão catalã, desconsiderando as pretensões autonomistas em nome de um discurso nacionalista espanhol radical, convenientemente escudado numa defesa inflexível da Constituição de 1978, levou a uma rutura do pacto constitucional por parte dos catalães em nome do “direito a decidir”.

Desde então, à reivindicação política de uma autonomia acrescida por parte dos catalães, responde o poder de Madrid com a irredutibilidade do poder imperial, a brutalidade da violência policial e a intransigência das forças partidárias de direita, do PP ao Ciudadanos, secundados pelos falangistas do Vox. E também das autoridades judiciais que, ao pretenderem judicializar uma questão essencialmente política, criminalizaram a possibilidade do debate democrático e da decisão cidadã. Mais do que o reconhecimento, como direito fundamental, do preceito internacional da autodeterminação dos povos, a recusa do referendo é uma flagrante violação dos mais elementares princípios da democracia a que o Estado espanhol está vinculado, tanto pela sua história recente, como pela sua condição de país integrante da União Europeia. Daí a justa interrogação de José Pacheco Pereira: “Em que países da Europa é que seria hoje possível fazer um processo por «sedição»? Dois: a Rússia e a Espanha.” (Público, 16/3/2019).

Este diferendo só pode ser resolvido através da consulta livre e democrática das populações envolvidas. Como, de resto, o exemplo da Escócia amplamente demonstrou. Ganha quem tiver mais votos. É esta a regra de ouro da democracia. Só então se poderá gritar bem alto “Visca Catalunya lliure!”



Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 21:39
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

UM PAÍS

DONOS DISTO TUDO

CAUSA E EFEITO

CATALUNYA

PAÍS NORMAL

SÍNDROMA PULLMAN

ESPANTO

POR OUTRO LADO

ELES COMEM TUDO

O MAIS

arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds