Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Domingo, 2 de Janeiro de 2022
72 QUILÓMETROS

No Afeganistão, 45 milhas (cerca de 72 quilómetros) marca, a partir de agora, uma nova fronteira da indignidade. Desde o passado dia 26 de dezembro, os taliban anunciaram que as mulheres têm de ser acompanhadas por um parente do sexo masculino para realizarem viagens de longa distância, recomendando aos motoristas dos transportes coletivos que apenas aceitem passageiras portadoras de véu islâmico. Tal absurdo, emanado de um autointitulado “Ministério para a Promoção da Virtude e da Prevenção do Vício” – designação sinistra para a atuação de um poder totalitário – vem demonstrar, mais uma vez, aquilo que era já uma certeza: a barbárie que se abateu sobre o Afeganistão com a chegada dos taliban ao poder, em agosto deste ano, “vai tornar as mulheres afegãs prisioneiras”, conforme denunciou Heather Barr, da organização não-governamental Human Rights Watch (Público, 27/12/2021).

Porque é de direitos humanos que se trata; nada mais. E tal como é inconcebível, nos nossos dias, que um ser humano seja propriedade de outro, como acontecia com a escravatura no mundo antigo, é igualmente intolerável que a metade feminina da população afegã seja considerada inferior, desprovida de direitos, de razão e de vontade, a ponto de ter que se sujeitar a uma tutela masculina, tão aviltante para as mulheres como vergonhosa para os próprios homens. Infelizmente não é caso único. Mas não pode deixar de ser considerada uma aberração e de merecer a mais firme condenação da Humanidade.

Uma das principais conquistas da modernidade é a perceção da evolução das sociedades e a noção clara de que não se pode parar o tempo histórico. Não é possível reviver o século VII em pleno século XXI. Claro que, filosoficamente, os direitos humanos são contingentes à própria historicidade, mas a força da sua facticidade decorre da aprovação universal dos seus postulados e do reconhecimento formal da Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU (1948), por países de todas as proveniências e tradições culturais, incluindo o Afeganistão. Nas palavras do filósofo germânico Jürgen Habermas, “los derechos humanos provienen menos del transfondo cultural particular de la civilización occidental que del intento de responder a desafios específicos planteados por una modernidade social que ha acabado por abarcar todo el globo” (cit. in Perry Anderson, Spectrum, Madrid, Akal, 2008, p. 168).

Aliás, como bem lembra Rui Tavares a propósito da génese deste documento (Público, 27/8/21), foram as delegadas indiana, Hansa Mehta, e brasileira, Bertha Lutz, que propuseram, logo nas primeiras sessões da Comissão da ONU encarregue da sua elaboração, a denominação mais inclusiva de “Direitos Humanos”, em vez de “Direitos do Homem” (como anteriores documentos históricos europeus consignavam). Foram também os representantes filipino, Carlos Romulo, o chinês PC Chang e o libanês Charles Malik, que mais defenderam o caráter universal dos seus postulados. Nenhum deles era ocidental.

Há um velho provérbio afegão que diz: “Vocês têm relógios, mas nós temos tempo”. Mas, como justamente lembrou o nosso compatriota Padre António Vieira já nos idos de seiscentos, “Não há poder maior no mundo que o do tempo: tudo sujeita, tudo muda, tudo acaba”. Que realidade é esta que irrompeu no Afeganistão? Certamente não falamos de espiritualidade devota, mas da ditadura de uma súcia de tiranos que a coberto da legitimação religiosa asseguram uma autoridade discricionária e absoluta. A isso costuma chamar-se fascismo!

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 21:47
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Maio 2022
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

O ECLIPSE

Atualidades - velhas e no...

JOGO DE ESPELHOS

CONSEQUENTE

72 QUILÓMETROS

TEATRO DO ABSURDO

ATITUDES

O TEMPO

DE CIMA

COISAS ASSIM

arquivos

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Outubro 2020

Julho 2020

Junho 2020

Abril 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub