Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Terça-feira, 26 de Março de 2024
AJUSTE DE CONTAS

Acho que é fantástico, 50 anos depois do 25 de Abril, que nós tenhamos 50 deputados. Acho que não podia haver maior ajuste de contas com a História”, declarou André Ventura, ufano, ao jornalista Vítor Gonçalves, no programa “Grande Entrevista” da RTP1 (22/3/24), dias depois de ter conseguido alcançar 18% dos votos nas eleições legislativas antecipadas de 10 de março (cerca de um milhão e 100 mil votos).

As razões de tal feito são claramente sintetizadas no recente livro de Vítor Matos, Na cabeça de André Ventura (Lisboa, Zigurate, 2024). O jornalista do Expresso mostrou como o líder do Chega soube federar e dar voz a uma série de descontentamentos presentes na sociedade portuguesa, como “o racismo envergonhado, o ressentimento contra as elites e os políticos, a raiva dos que viveram toda a vida revoltados com a sua condição, os que se sentem excluídos, ou uma parte da direita que nunca se encaixou na democracia” (Público, 25/2/24). A defesa de todo um ideário que deveria ser motivo de vergonha, não só demonstrou ter uma recetividade cada vez mais alargada, como já não sente qualquer pejo em fazer-se ouvir. Trata-se, apesar de tudo (ou, se quisermos, por enquanto!), de uma minoria, ainda que muito ruidosa. E, ao contrário do que é propagandeado – “a voz do Portugal esquecido”, como proclamou Ventura, no congresso de Santarém, em 2023 –, este alegado protesto contra as elites e postura “antissistema”, não passam de um mito que, como todos os mitos, têm grande poder de persuasão, mas assentam essencialmente em falsidades e em distorções da realidade. Longe de representar qualquer ameaça para o sistema capitalista, pois claro! – o Chega apenas quer ter a força suficiente para trocar de elites do poder, aproveitando-se da irreflexão e credulidade de populações que se sentem genuinamente desprotegidas e ameaçadas pela globalização neoliberal.

O Chega é um franchising do movimento internacional de extrema-direita do radical norte-americano Steve Bannon. A única novidade que traz, desde o seu surgimento em 2019, é ter chegado a Portugal. De resto, com uma ou outra variante nacional, o receituário populista é sempre o mesmo: fórmulas simples para problemas complexos. Não só não resolvem nada como, ao aprofundarem as disfuncionalidades da democracia liberal e as desigualdades e injustiças do capitalismo, perpetuam a concentração do poder e da riqueza nas verdadeiras elites dominantes, não nas figuras mediáticas ou nas personalidades públicas que vão passando ao sabor dos tempos. Até o insuspeito (porque assumidamente liberal) Pedro Marques Lopes reconhece esta circunstância quando, na sua habitual crónica da Visão, “Politicamente correto”, escreve, “os Venturas e quejandos não passam de oportunistas que não querem saber da vida das pessoas e que apenas exploram os seus sentimentos primários para criar um mundo onde todos viverão pior e onde uma elite viverá ainda melhor.” (Visão, 14/3/24). Aliás, na descrição sociológica do Chega que faz Francisco Mendes da Silva, advogado e comentador político próximo do CDS, “Há ali muitos privilegiados, bem instalados, a impulsionarem a energia suicida do populismo. Se tudo rebentar, esses safar-se-ão. Os realmente desprotegidos é que não.” (Público, 15/3/24). Atentemos, por isso, no aviso que nos faz a escritora e jornalista Ana Cristina Leonardo, na sua rubrica do Ípsilon, “Não sejamos, porém, ingénuos. Se o populismo representa um escape e um protesto, alguém o financia. E não são decerto os deserdados da Terra a fazê-lo. Estará, pois, na altura de rever Os Malditos de Visconti. Já lá estava (quase) tudo.” (Ípsilon, Público, 15/3/24).

A exaustiva investigação do jornalista Miguel Carvalho no Público (25/2/24) é, a este propósito, deveras elucidativa. Os apoios do Chega vão desde sociedades de investimento imobiliário, como a do cônsul honorário da Roménia em Portugal, Alain Bonte, que também tem avultados interesses na indústria farmacêutica, seguros e informática, em parceria com uma das mulheres mais ricas e poderosas da Roménia, Catia Radulescu, a donativos oficiais de membros dos clãs Mello e Champalimaud (como é o caso do empresário e gestor Miguel Sommer Champalimaud), de João Bravo, o mais importante vendedor de armas e equipamento militar ao Estado português, de Miguel Costa Félix, empresário do setor imobiliário e turismo, de Frederico Pais, fundador do portal Alerta Emprego e da Betting Connections, consultora sediada em Malta e empresa líder no recrutamento para a indústria de jogos e apostas online, de Jorge Ortigão Costa, do grupo Sogepoc, de Salvador Posser de Andrade, ligado à Coporgest e imobiliário (antigo vice-presidente do Chega), da família Pedrosa, dona do grupo Barraqueiro, do engenheiro Luís Delgado e Silva, antigo gerente de operações na Schlumberger (líder mundial em serviços petrolíferos) e dirigente da secção portuguesa da Society of Petroleum Engineers, do empresário do setor dos transportes, José Paulo Duarte, do engenheiro Luís Aguiar de Matos, criador de cavalos e antigo vice-presidente do Sporting na direção de Sousa Cintra, do historiador Carlos Alberto Damas, ex-alto funcionário do BES e biógrafo da família Espírito Santo, do coronel de infantaria aposentado Cordeiro Simões, comandante de um batalhão em Timor, membro do Comando da Força Conjunta Aliada da NATO e conselheiro da embaixada portuguesa na Áustria, ou da família Pacheco de Amorim, nomeadamente de Francisco Pacheco de Amorim (irmão do dirigente e principal ideólogo do Chega, Diogo Pacheco de Amorim), da sociedade Pares by Construmed, que gere mais de 100 milhões de euros em património imobiliário e é líder no mercado de arrendamento.

A estes juntaram-se elementos da aristocracia, como a família Mendia, donos e gestores de instituições financeiras, imobiliário, turismo e restauração, ligados à Portucale e Grupo Espírito Santo (envolvidos no escândalo Paradise Papers), Luís Lencastre Lima Raposo, do conselho fiscal do Grupo Reditus (tecnologias de informação e serviços de outsourcing) ou José Cunha Coutinho, antigo candidato do PPV – Portugal Pró-Vida – e Cavaleiro da Ordem de S. Silvestre pelo Vaticano. De entre os apoiantes do Chega presentes no jantar de notáveis no restaurante Montes Claros, em Monsanto, a 5 de fevereiro de 2020, quando André Ventura se candidatou a Belém, contaram-se o advogado Jorge de Abreu, José Morais Cabral, ex-CDS, fundador da CIP e ligado a negócios farmacêuticos, João Talone, sexto visconde de Ribamar, gestor e ex-CEO da EDP, Cristina e Teresa Roque, herdeiras do falecido banqueiro Horácio Roque, do Banif, André Luiz Gomes, advogado de Joe Berardo, Rita Salgado, empresária do ramo alimentar, ligada ao movimento ultracatólico Schoenstatt, o médico João Almeida e Castro, presidente da IPSS Ser+ (organização para a prevenção e combate à Sida), dirigente do Porsche Club 356 de Portugal e com negócios no imobiliário de luxo, bem como a jurista Aida Franco Nogueira, filha do antigo embaixador e ministro dos Negócios Estrangeiros de Salazar, Franco Nogueira. Dificilmente poderemos considerar estes personagens “desvalidos da sorte” e, muito menos, elementos “antissistema”.

Claro que o fenómeno do populismo de extrema-direita é difícil de combater, especialmente quando os sucessivos governos PSD e PS que, desde o 25 de Abril, se têm perpetuado à frente dos destinos do nosso país, renunciaram a resolver os problemas com que se debatem a generalidade das pessoas, insistindo na mesma fórmula exploradora, especulativa e extrativista de funcionamento da sociedade. Nestas circunstâncias, emergem com facilidade posições extremistas e narrativas contra factuais, configurando o que se designou por “pós-verdade” ou “realidade alternativa”, tão características dos desvarios do consulado Trump. Como justamente refere a escritora Dulce Maria Cardoso, “A ligação dos abandonados ao populismo é, assim, essencialmente emotiva. E como tal irracional e quase indestrutível. Esse alguém [o líder populista] dirá e fará o que quiser que os seus seguidores secundá-lo-ão.” (Público, 8/3/24). A mesma atitude de crença e de insensatez tão bem explicitada no Facebook do ex-sargento para-quedista e apoiante do Chega, Cândido de Oliveira, quando, ao insurgir-se contra os políticos, declara, “Só o cano frio da espingarda encostado à testa é capaz de impor algum respeito.” (P2, Público, 25/2/24).

Por isso, fazemos nossas as palavras de Miguel Esteves Cardoso quando lembrou, no próprio dia do escrutínio, “Diz-se que «já não há fascismo nem nazismo». Pois não. Mas a natureza humana não mudou, e os instintos humanos que levaram ao fascismo e ao nazismo continuam a ser os mesmos de sempre.” (Público, 10/3/24). Ou, como sublinhou mais cruamente Dulce Maria Cardoso nas vésperas das eleições e perante sondagens inequívocas da implantação do Chega, “Afinal, o monstro estava apenas adormecido. Nem podia ser de outra maneira. O monstro nunca morre.” (Público, 8/3/24). E assim estamos.


Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 21:18
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito (1)

pesquisar
 
Maio 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

A FUSÃO

AJUSTE DE CONTAS

Seminário em Alenquer - A...

O MOMENTO DA VERDADE (em ...

ROLO COMPRESSOR

Reflexão sobre o artigo d...

AS PERGUNTAS

Valorizar os servidores d...

MÍNIMOS

Como será a educação daqu...

arquivos

Maio 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Outubro 2023

Julho 2023

Junho 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Outubro 2020

Julho 2020

Junho 2020

Abril 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub