Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sexta-feira, 9 de Junho de 2023
EXCESSIVO

Ouvido na comissão parlamentar de Orçamento e Finanças em março deste ano, o inefável presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB), Vítor Bento, declarou que os bancos “apresentaram sempre a maior disponibilidade para colaborar com os seus clientes, facilitando-lhes a vida o mais possível”, sublinhando, contudo, que “também não podem fazer milagres” (Jornal de Negócios, 14/3/2023). Não podem? Em proveito próprio podem e de que maneira; um autêntico milagre bíblico da multiplicação dos pães e dos peixes!

Senão, vejamos. Segundo os cálculos feitos pelo DN/Dinheiro Vivo, os seis maiores bancos a operar no nosso país alcançaram, no primeiro trimestre deste ano, um resultado líquido agregado de 954,6 milhões de euros, ou seja, um lucro de cerca de 10,7 milhões de euros por dia, o que, comparado com o período homólogo, representa uma subida de 55% (Diário de Notícias, 16/5/2023). Acresce que, em linha com o exercício anterior, foi a Caixa Geral de Depósitos, o banco do Estado, que voltou a liderar a subida dos ganhos, somando 285 milhões de euros, mais 95% face aos 146 milhões registados no primeiro trimestre de 2022. Na banca privada, foi o Millennium BCP o recordista dos lucros, quase duplicando (90%) os seus resultados líquidos para 215 milhões de euros. O Montepio, o mais pequeno dos seis bancos nacionais, triplicou os seus resultados, conseguindo lucrar mais neste primeiro trimestre do que em todo o ano anterior: passou de 11,4 milhões obtidos até março de 2022, para 35,3 milhões de euros.

As razões para este “milagre” encontram-se, precisamente, na diferença do montante obtido entre os juros cobrados no crédito e os juros pagos nos depósitos, bem como na proliferação e agravamento desmedido das comissões bancárias (que geraram uma receita global de 640,7 milhões de euros), fatores que proporcionaram à CGD, Santander Totta, BPI, Millennium BCP, Novo Banco e Montepio, em conjunto, um encaixe de 2,08 mil milhões de euros. Neste “fabuloso negócio da banca”, como se lhe refere o jornalista Manuel Carvalho em editorial do Público (16/5/2023), “os bancos vivem o melhor dos mundos: dão-se ao luxo de ganhar com as altas comissões, ganham com a subida dos juros e continuam a ganhar com a segunda taxa de juros para os depósitos mais baixa da zona euro.” (lembremos que os bancos portugueses estavam a remunerar os depósitos até um ano com uma taxa de 0,88%, menos de metade da média da Zona Euro, situada nos 2,05%). Decorrendo de uma “relação desequilibrada com os seus clientes” e “em grande parte do castigo aos depositantes portugueses”, para Manuel Carvalho, estes “resultados exuberantes e esse desempenho esconde uma dimensão irracional.”

O enorme stock monetário depositado nos bancos ascendia, em março, a 345 mil milhões de euros, o que representa mais do que o produto interno bruto anual do país. Estes números são confirmados pela afirmação de Vítor Bento de “excesso de liquidez” da banca. Com assinalável desfaçatez (sabendo que, perante uma efetiva cartelização do setor bancário, as alternativas são praticamente inexistentes), o presidente da APB, não hesitou em afirmar, na conferência “Por onde vai a economia portuguesa?” organizada em finais de maio, em Lisboa, pela SEDES e pela Ordem dos Economistas que “Qualquer empresa procura o lucro porque isso faz parte da lógica de uma economia de mercado concorrencial” e que “os clientes devem procurar melhores condições nos depósitos”. Foi, precisamente, o que tentaram fazer muitos portugueses. A redução dos depósitos bancários e a fuga das poupanças para a aquisição dos Certificados de Aforro, assim como a redução dos pedidos de empréstimo e a amortização antecipada de créditos à habitação, foram a resposta dos clientes para este estado de coisas. Entre julho de 2022 e março deste ano, o volume total de depósitos nos bancos nacionais reduziu-se em 35 mil milhões de euros.

Num contexto inflacionista e de perda acentuada de poder de compra da generalidade da população, a subida das taxas de juro por parte do Banco Central Europeu, desde há cerca de um ano, acabou por significar “uma espécie de jackpot para os bancos”, nas palavras do jornalista Rui Barroso (Visão, 18/5/2023). É que, como diz Manuel Carvalho, “A realidade mudou em favor da banca e a banca não mudou para se ajustar à realidade.” Perante a evidência da necessidade de subida das taxas de juro dos depósitos bancários, Marcelo Rebelo de Sousa pediu um “esforçozinho” aos bancos; em contrapartida, o Governo deu-lhes sim uma “mãozinha”, suspendendo a série E dos Certificados de Aforro que oferecia uma taxa de juro anual que podia atingir os 3,5%. Fez mais do que suspender uma emissão de títulos; suspendeu a concorrência e fez um enorme favor aos banqueiros e acionistas financeiros. Afinal é muito mais rentável uma “economia de mercado concorrencial” quando o próprio Estado falseia as regras da proclamada “livre concorrência”.

Para Vítor Bento, “sendo o sistema concorrencial, a concorrência elimina todos os excessos que possa haver pontualmente em qualquer situação”, concluindo, de forma taxativa, “Eu não reconheço que haja lucros excessivos. Quando muito, os lucros podem ser legítimos ou ilegítimos. Eu não vejo nenhuma situação de ilegitimidade”. A não ser aquela que decorre, precisamente, da existência de lucros excessivos que Vítor Bento persiste em não ver. Será só um problema de perceção?



Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 23:29
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Junho 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

A COMPARAÇÃO

A FUSÃO

AJUSTE DE CONTAS

Seminário em Alenquer - A...

O MOMENTO DA VERDADE (em ...

ROLO COMPRESSOR

Reflexão sobre o artigo d...

AS PERGUNTAS

Valorizar os servidores d...

MÍNIMOS

arquivos

Junho 2024

Maio 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Outubro 2023

Julho 2023

Junho 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Outubro 2020

Julho 2020

Junho 2020

Abril 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub