Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Domingo, 30 de Abril de 2023
DEMOCRACIA

Poderá, numa democracia, um governo governar contra a vontade maioritária e reiteradamente manifestada da população? Poderá o “governo do povo, pelo povo e para o povo”, na definição lapidar de Abraham Lincoln no célebre discurso de 1863, em Gettysburg, deliberar contra o povo? A julgar pelo que se passa em França com o aumento da idade da reforma, parece que sim. De forma esmagadora (as sondagens à opinião pública contabilizam cerca de 70% de opositores à reforma e até 90% quando apenas se conta a população ativa) e reiterada (com constantes manifestações nas principais cidades francesas), a resistência francesa ao aumento da idade da reforma dos atuais 62 para os 64 constitui uma enorme onda de contestação à reforma que o Presidente Emmanuel Macron e a sua primeira-ministra, Elisabeth Borne, querem impor a todo o custo, juntando gente de várias idades, profissões e condição social.

Apesar das mobilizações recorde – cerca de 300 manifestações e comícios no dia 7 de março e 3,5 milhões de manifestantes nas ruas – desde a primeira jornada de luta, a 19 de janeiro, que o adiamento da idade da reforma foi imposto de forma intransigente pelo Governo de Macron, usando todo o tipo de expedientes legislativos manhosos para o conseguir: limitar a duração dos debates parlamentares (artigo 47-1 da Constituição), obrigar à votação da reforma em bloco e não artigo a artigo (artigo 44-3) e, finalmente, a 16 de março de 2023, o tristemente “célebre” artigo 49-3 que autorizou a dispensa do voto dos deputados da Assembleia Nacional, remetendo a lei diretamente para o Senado. Assim, como refere o historiador Benoît Bréville, “No final, a sua reforma das pensões, que compromete a vida dos franceses para várias décadas, só terá sido aprovada por senadores eleitos por sufrágio indireto, que cuidaram de proteger o seu próprio regime especial no momento em que eliminavam os dos outros.”, acrescentando que “Os dois anos de trabalho suplementar impostos sem aprovação da Assembleia Nacional apenas assentam, assim, na legitimidade de uma instituição dominada por um partido (o Republicanos) que não ultrapassou 5% dos votos nas últimas eleições presidenciais, e da qual estão ausentes as duas principais formações (a Reunião Nacional [RN] e a França Insubmissa [LFI]…” (Benoît Bréville, “Um povo de pé, um poder obstinado”, Le Monde Diplomatique, ed. portuguesa, abril de 2023).

O próprio Macron, na primeira volta das eleições presidenciais há um ano (24 de abril de 2022), apenas obteve 20,7% dos votos, contando para a sua vitória na 2ª volta (58,5%) com os votos daqueles que queriam barrar Marine Le Pen, conforme o próprio reconheceu na noite da vitória: “Eu sei que muitos dos nossos compatriotas não votaram em mim para apoiar as ideias que eu defendo, mas para fazer barragem à extrema-direita. […] Tenho consciência de que este voto me obriga para os próximos anos.” Compromisso rapidamente esquecido quando, a 21 de março último, afirmou, sem qualquer rebuço, “A multidão não tem legitimidade face ao povo que se exprime através dos seus eleitos”. Como se lê no Le Monde Diplomatique, “O mundo político perdeu crédito, deteriorado por governos cujo objetivo é tornar felizes os acionistas […]. Quando a orientação é o desprezo pelas pessoas comuns, os dirigentes só alimentam dois tipos de reações: a resignação ou a revolta. Eles apostam na resignação, mas o desejo de viver uma vida digna reacendeu a força de lutar entre os menos politizados e remobilizou sindicatos.” (“Pensões de reforma: onda de choque em França”, Le Monde Diplomatique, ed. portuguesa, abril de 2023).

Esta forma de atuar, que está longe de ser caso único e que encontra em Portugal exemplos similares (a ostracização de classes profissionais inteiras, como a dos docentes), não pode deixar de merecer alguma reflexão. Antes de mais pelo significado que estas medidas têm na vida das comunidades. É que, como refere Paulo Pedroso, sociólogo e ex-ministro do Trabalho, em entrevista ao Público (8/4/23), “um sistema de segurança social, para ser forte, tem de merecer a confiança das pessoas. É preferível uma reforma menos perfeita e negociada do que uma reforma que pareça perfeita e que não é aceite.” Se a média da idade da reforma dos países da União Europeia está nos 65 anos e em Portugal nos 66 anos, não se terá ido já longe de mais?

Embora o progressivo envelhecimento da população, a crescente digitalização e as transformações do mundo do trabalho sejam realidades presentes na generalidade dos países europeus, há questões que devem ser tidas em conta e que os cidadãos insistentemente reclamam: não só se têm de encontrar novas fontes de financiamento dos sistemas de segurança social (nomeadamente através da taxação das gigantes tecnológicas), combater com eficácia a evasão fiscal e promover o fim das offshores, como potenciar as indústrias e serviços ligados aos reformados e pensionistas que podem constituir um fator acrescido de dinamismo da economia. Longe de serem uma população descartável, reformados e pensionistas são cidadãos ativos e intervenientes na sociedade. Podem representar simultaneamente uma oportunidade de reforço da coesão social e de desenvolvimento económico.

Está também em causa o entendimento da própria democracia. O princípio da soberania popular, ainda que a governação obedeça aos ditames da representação política e do jogo parlamentar, poderá reduzir-se à periódica liturgia eleitoral? Poderá o sistema democrático limitar-se a uma competição pelo voto popular para a conquista do poder, subsumindo a realização do bem comum a um mero cálculo eleitoral? Tratar-se-á de um simples jogo de elites, corporizado na formação de uma “classe política” – segundo a conhecida designação do politólogo italiano Gaetano Mosca – ou a emanação de uma verdadeira cidadania? Ecoam as palavras de Jean-Jacques Rousseau, no livro III do seu Du Contrat Social (1762): “Le peuple anglais pense être libre, il se trompe fort; il ne l’est que durant l’élection des membres du parlement: sitôt qu’ils sont élus, il est esclave, il n’est rien.” (Paris, Le Livre de Poche,1996, p. 118). Neste caso, estaremos perante o domínio efetivo da democracia ou apenas da sua encenação? Queremos uma democracia “de baixa intensidade”, em que à votação maioritária se deseja que corresponda uma resignação cidadã, ou não será a possibilidade da população se fazer ouvir – e ser tida em conta – fora dos períodos eleitorais, condição sine qua non para uma democracia plena?

É a democracia participativa que confere substância à democracia representativa. Só a articulação das duas vincula governantes e governados aos pressupostos da cidadania, evitando simultaneamente o poder excessivo da “classe política” e o populismo das soluções plebiscitárias. Ainda que o interesse geral não coincida, naturalmente, com o interesse de todos, é fundamental que a governação não se reduza ao interesse de alguns. Nesse caso, estaremos perante o que Boaventura de Sousa Santos descreve como a “liquidação do potencial emancipatório da modernidade pela via dupla da hegemonização da racionalidade técnico-científica […] e da hipertrofia do princípio do mercado em detrimento do princípio do Estado e com o «esquecimento» total do princípio da comunidade rousseauiana.” (Boaventura de Sousa Santos, Pela Mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade, Porto, Afrontamento, 1994, p. 208). Como conclui, mais adiante, o sociólogo coimbrão, “O capitalismo [liberal] não é criticável por não ser democrático, mas por não ser suficientemente democrático.” (ibid. p. 232).

Uma influência real dos cidadãos na governação permitirá a sua vinculação à democracia e assegurará a harmonia da sociedade. As pessoas precisam que os seus problemas encontrem eco nas políticas públicas. O seu afastamento da participação política (exceto nos momentos eleitorais pontuais), levará à descrença na democracia. E esta conduzirá, inevitavelmente, ao populismo e à tirania. Como sublinham o economista Jean-Paul Fitoussi e o historiador Pierre Rosanvallon, “A ascensão do populismo deve ser compreendida a partir das diferentes figuras da deceção democrática. A crise política alimenta-se antes de mais do sentimento de traição da representação: os representantes não fazem o que os representados desejariam.” (Jean-Paul Fitoussi e Pierre Rosanvallon, A Nova Era das Desigualdades, Oeiras, Celta, 1997, p. 135).



Hugo Fernandez







publicado por albardeiro às 20:20
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Junho 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

A COMPARAÇÃO

A FUSÃO

AJUSTE DE CONTAS

Seminário em Alenquer - A...

O MOMENTO DA VERDADE (em ...

ROLO COMPRESSOR

Reflexão sobre o artigo d...

AS PERGUNTAS

Valorizar os servidores d...

MÍNIMOS

arquivos

Junho 2024

Maio 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Outubro 2023

Julho 2023

Junho 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Outubro 2020

Julho 2020

Junho 2020

Abril 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub