Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sexta-feira, 4 de Junho de 2021
LIBERDADES

Do conclave do MEL (Movimento Europa e Liberdade), reunido recentemente em Lisboa, ressalta um único tema: a liberdade. Mas de que liberdade se trata? A liberdade estritamente privada, aquela que opõe o indivíduo ao Estado ou a qualquer constrangimento coletivo, a liberdade que nasce da “atomização social pelo ideal da concorrência de egoísmos, sobretudo entre os que estão ou aspiram a estar no topo da pirâmide social.”, nas palavras do economista João Rodrigues (“A liberdade a sério está para além do liberalismo”, Le Monde Diplomatique, ed. portuguesa, abril 2021). No fundo, a lógica de uma liberdade antissocial. A preocupação com a defesa à outrance deste individualismo – baseado na ideia matricial da posse (e daí o conhecido epíteto que lhe deu o sociólogo canadiano, Crawford Macpherson, de “individualismo possessivo”) – enviesa qualquer visão minimamente realista da sociedade e dos seus problemas, assentando na rejeição de uma alegada ditadura do politicamente correto (que supostamente seria apanágio da esquerda) e a efabulação, tão lapidarmente enunciada pela inefável neocon Maria de Fátima Bonifácio, de que “a liberdade e, portanto, a cidadania, está ameaçada pela omnipotência de um socialismo que arrebatou o poder e a partir do poder, quais gangsters em luta entre si, monopoliza a opinião publicada e esmaga a liberdade pública e privada.” (Público, 4/5/2021). De que é que esta senhora está a falar?

A 3ª Convenção do MEL (depois de anteriores edições em 2019 e 2020), que reuniu representantes da direita e da extrema-direita lusa e que tinha como objetivos a “construção de um horizonte de futuro para Portugal e a dignificação da imagem política na sociedade portuguesa”, quedou-se por um chorrilho de disparates e de teorias da conspiração, um arrazoado de delírios negacionistas e de mistificações populistas sob o pano de fundo, nunca abertamente declarado, da litania neoliberal da privatização total da economia, da máxima exploração laboral e da precarização da mão-de-obra, do desmantelamento do Estado social e da simplificação do sistema fiscal – leia-se o fim da progressividade fiscal e a redução de impostos para os mais ricos – e a reativação da famigerada e arcaica (tão antiga quanto o espírito fatalista e providencialista próprio do Ancien Régime, isto é, de tempos pré-liberais!) TINA, “there is no alternative”. Receita velha e conhecida, portanto.

Na reunião do MEL, as dificuldades e problemas reais do país, desde a desigualdade crescente, a pobreza e exclusão social, a degradação ambiental, a corrupção e a evasão fiscal, o subfinanciamento e consequente deterioração dos serviços públicos e da Segurança Social ou as sequelas pandémicas, estiveram olimpicamente ausentes. É significativo que assim seja. O alvo sempre foi – e sempre será – a esquerda e os valores que ela representa. Susana Garcia, candidata de extrema-direita pelo PSD ao município da Amadora nas próximas eleições autárquicas verbalizou, de forma absolutamente liminar, os propósitos desta ala política: “exterminar a esquerda”. O seu correligionário de extrema-direita, mas, desta vez, pelo Chega, declarou, no recente congresso deste partido, que, se fosse governo, iria “prender os dirigentes de esquerda”. Mas, junto com a esquerda, não será a própria democracia que acabará por ficar aprisionada? É sabido que a extrema-direita, ao longo da história, se serviu sempre da democracia para a destruir. E, como justamente denuncia o deputado pelo BE, José Manuel Pureza, “Neste tempo em que a democracia e o Estado de direito se tornaram empecilhos descartáveis para os navegadores à bolina da finança, em que o desdém das regras básicas da responsabilidade para com a representação popular assumiu expressões pornográficas – os «depoimentos» de Berardo, Vieira, Vasconcellos ou Moniz da Maia na comissão de inquérito ao Novo Banco são isso mesmo –, a extrema-direita passou a ser o seu rosto político.” (Visão, 27/5/21).

Em Espanha, também o PP e a sua candidata e recém-eleita presidente da Comunidade de Madrid, Isabel Díaz Ayuso, proclamou a “liberdade” contra o “socialismo e o comunismo”. O seu lema de campanha para as eleições de 4 de maio foi “Comunismo ou Liberdade”, utilizando as medidas restritivas de combate à pandemia de Covid-19 como arma política, ao desafiar o confinamento estabelecido a nível nacional pelo Governo do PSOE/Podemos e, por exemplo, manter bares e restaurantes abertos na capital espanhola, ao mesmo tempo que desvalorizava o facto de Madrid ser um dos três grandes focos de pandemia em Espanha e escamoteava a quase nulidade das suas políticas sociais. Como declarou Isabel Ayuso, “Quando te chamam fascista, estás do lado certo”, na sequência do envio de cartas com ameaças de morte (balas e uma navalha ensanguentada) a vários dirigentes políticos e governativos de esquerda. É este o exemplo que a direita portuguesa parece querer seguir.

A aparente popularidade destas posições políticas radica na subtil distinção, sublinhada por Boaventura de Sousa Santos, entre “participação” e “pertença”. Para este sociólogo coimbrão, a extrema-direita promove uma “lógica de pertença, seja ela nacionalista ou racista, contra a lógica de participação que é própria da democracia.” (Público, 22/5/21) E passa a explicar: “A diferença é radical e, por isso, invisível. Participamos numa realidade contribuindo para a construir, enquanto pertencemos a uma realidade já plenamente construída (nação, raça, etnia, casta), seja a construção real ou inventada. A pertença confere uma segurança a quem pertence na mesma proporção em que exclui quem a ela não pertence. Em períodos de crise, esta segurança é preciosa.” Boaventura conclui: “As escolhas em que assentam a participação e a pertença são muito diferentes. Na participação escolhe-se entre; na pertença escolhe-se contra.” Ora é precisamente o aprofundamento das desigualdades e a falência do Estado social – e não qualquer imaginada crise do “individualismo possessivo” – que alimenta o rancor extremista. Como sentencia de forma exemplar José Manuel Pureza, “A extrema-direita anima o povo zangado para evitar mostrar que é aliada de quem castiga o povo sofrido.”


Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 21:53
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Outubro 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


posts recentes

O TEMPO

DE CIMA

COISAS ASSIM

LIBERDADES

OS FUNDAMENTOS

COMO DISSE?

AMANHÃ ACONTECEU

ANATOMIA DO PENSAMENTO FA...

CRÓNICA AMERICANA

TEMPO DE VÉSPERAS

arquivos

Outubro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Outubro 2020

Julho 2020

Junho 2020

Abril 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub