Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Segunda-feira, 13 de Julho de 2020
O HOMEM MAIS PERIGOSO DO MUNDO

Que a hipocrisia impera no universo político (e não só!) é uma realidade indesmentível. E bastam os três exemplos aludidos por Serge Halimi, jornalista e diretor editorial do Le Monde Diplomatique, a propósito do movimento Black Lives Matter nos EUA, para o comprovar: Estée Lauder, perfumista e uma das principais financiadoras da campanha eleitoral que levou Donald Trump ao poder, em 2016, promete doar 10 milhões de dólares para “favorecer a justiça social e racial, bem como um maior acesso à educação” (verba, de resto, bastante modesta para tamanho desígnio); a participação numa manifestação antirracista de Willard (“Mitt”) Romney, candidato republicano às eleições presidenciais de 2012, que declarou publicamente que 47% da população americana era constituída por parasitas (referia-se, claro, aos mais pobres, a maior parte deles negros); ou o gesto de se ajoelhar em frente a uma caixa-forte gigante da sua instituição por parte de Jamie Dimon, presidente executivo do banco JPMorgan, que obteve lucros milionários ao aliciar inúmeras famílias negras com créditos imobiliários muito além das suas possibilidades, o que acabou por as levar ao sobre-endividamento e à ruína (Le Monde Diplomatique, ed. portuguesa, julho 2020). Mas é evidente que esta constatação não substitui uma análise aturada das circunstâncias que lhe subjazem.

Da mesma forma, dificilmente nos podemos cingir ao estudo da personalidade dos líderes políticos para explicar as opções seguidas na governação dos respetivos países. Mas há casos em que disfunções sociais se juntam a patologias individuais – em especial, em situações de concentração do poder – potenciando os efeitos nefastos de umas e de outras. Nestas conjunturas, o caráter individual dos responsáveis políticos pode revelar-se decisivo, por efeito de uma simbiose com os seus apoiantes, indutora de um mimetismo levado ao extremo. São vários os exemplos históricos que o comprovam, dos quais o mais paradigmático é, sem dúvida, o de Adolf Hitler na Alemanha devastada entre guerras. Nos dias que correm, não há exemplo mais flagrante que o de Donald Trump no seio da fragmentada sociedade americana em contexto de globalização; ambas personalidades psicóticas ou com acentuados distúrbios mentais, exercendo o poder em sociedades com um elevado nível de disfuncionalidade.

O atual presidente norte-americano é, com efeito, um autêntico case study. Numa situação particularmente agravada com a pandemia do Covid-19, e quando, neste mês de julho, os EUA batem recordes mundiais de infeções diárias com cerca de 60 mil casos e já ultrapassam os 3 milhões de infetados (mas cujo número real poderá ser bem superior, chegando próximo dos 25 milhões, segundo o responsável dos serviços imunológicos americanos, Robert Redfield), a que acresce o inimaginável número de 135 mil mortos, Trump, em entrevista à Fox Business, insiste que a doença vai “desaparecer” e, por isso, se recusa a delinear uma estratégia para fazer face ao enorme incremento do surto por todo país: “Acredito que estamos a ir muito bem com o coronavírus. Acho que, em algum momento, isto vai simplesmente desaparecer” (I, 3/7/20). Que razões podem explicar semelhante cegueira?

Como refere, em entrevista ao Público, o professor catedrático de Filosofia da Universidade de Brown nos EUA, o açoriano Onésimo Teotónio Almeida, “Trump tem sido muito pior do que a covid-19. Num artigo, falei mesmo da covid-2016, referência ao ano em que foi eleito. Para ele, não tenho mais palavras, pois já disse tudo. Há três anos usei numa entrevista o adjetivo «asqueroso». Mantenho-o.” (Público, 27/6/2020). E, fazendo alusão ao testemunho do ex-homem de confiança do presidente norte-americano, John Bolton, no livro recém-publicado The Room Where It Happened, ele “Não respeita ninguém nem sequer os que escolhe para colaboradores imediatos; não quer saber de ninguém, a não ser de si mesmo”. É fácil constatar que Trump age só a pensar nos seus interesses e, antes de mais, na manutenção do seu protagonismo através da reeleição. A sua ânsia de poder, ao serviço de uma megalomania e egocentrismo doentios, faz com que nada mais importe senão a sua pessoa, nem quando tem o destino de milhões dos seus conterrâneos nas mãos.

Esta perturbação da personalidade ficou, mais uma vez, amplamente demonstrada com a recente iniciativa da sua governação. Num momento em que se assiste à perda generalizada de postos de trabalho e dos respetivos pacotes de seguros privados e em que milhões de norte-americanos estão a ser afetados pela pandemia de covid-19, a administração Trump, por intermédio do seu Departamento de Justiça, pediu ao Supremo Tribunal que revogue o Affordable Care Act (mais conhecido por “Obamacare”), assinado pelo anterior Presidente Barack Obama, em 2010, sistema público de acesso aos serviços sanitários que permitiu, só este ano, que 24 milhões de pessoas acedessem a um seguro de saúde a valores acessíveis e com uma cobertura equiparável ao do setor privado. Promessa eleitoral nuclear da campanha de Trump em 2016 (e após a tentativa frustrada de derrubar a lei no Congresso, em 2017 – apesar do Partido Republicano dominar, nessa altura, a tanto a Câmara dos Representantes como o Senado – em virtude da oposição de alguns membros da maioria), esta atitude foi justamente classificada pelos Democratas como “Um ato de inexplicável crueldade” (Público, 27/6/2020). Mas tamanha “crueldade” pode, afinal, ter explicação.

No livro da sobrinha de Trump, a psicóloga clínica Mary J. Trump, (filha do irmão mais velho do Presidente, Fred Trump Jr., que morreu alcoólico quando Mary tinha dez anos), intitulado Too Much And Never Enough: How My Family Created The World’s Most Dangerous Man, é dito que o tio mantém uma psique infantil, sendo “Incapaz de crescer, aprender ou evoluir, incapaz de controlar as suas emoções, de moderar as suas respostas ou absorver e sintetizar informação.” (Público, 9/7/20). Vítima de “privações que o marcaram para toda a vida” e de um ambiente de bullying por parte do patriarca da família, Fred Trump – que Mary caracteriza como um “sociopata” – que propagava todo o tipo de ideias racistas, xenófobas e sexistas na família, Trump revela um caráter e um comportamento que, segundo a sobrinha, “ameaçam a saúde, a segurança económica e o tecido social do mundo”.

Onésimo Teotónio Almeida, na entrevista referida, não deixará de sublinhar que “É a maior aberração que já vi em termos de Presidente, e o mistério está em entender-se como é que grande parte do eleitorado não enxerga isso.” Esse é, sem dúvida, o grande paradoxo do fenómeno Trump; é que ele foi eleito (tal como Hitler).

 

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 14:19
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Julho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

O HOMEM MAIS PERIGOSO DO ...

NADA COMO DANTES?

SOBREVIVÊNCIA

ENTENDAMO-NOS

COLAPSO

UM PAÍS

DONOS DISTO TUDO

CAUSA E EFEITO

CATALUNYA

PAÍS NORMAL

arquivos

Julho 2020

Junho 2020

Abril 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds