Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Domingo, 14 de Junho de 2020
NADA COMO DANTES?

A crise pandémica que vivemos (e, a bem dizer, a generalidade das outras que a história registou) parece destinada a confirmar aquela intuição tão sarcástica quanto certeira de George Orwell, na sua consagrada obra Animal Farm, publicada em 1945, de que “os animais são todos iguais, mas alguns são mais iguais que os outros”. Com efeito, nas justas palavras da jornalista Sandra Monteiro, as principais vítimas do Covid-19 “São os mais pobres, cujos rendimentos nunca permitem ficar em casa sem trabalhar, nem no estado de emergência. São aqueles cujas casas não têm condições de habitabilidade e cujos meios de deslocação para o trabalho não permitem cumprir regras de higiene e distanciamento físico. São aqueles cujos empregos, precários, temporários ou informais, já antes da pandemia colocavam problemas de saúde e segurança, concentravam a maior parte dos acidentes de trabalho e continuam a carecer da intervenção da Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT).” (editorial do Le Monde Diplomatique, ed. portuguesa, junho 2020). Como explica a diretora do Le Monde Diplomatique português, “Muito invisíveis no espaço mediático, estes trabalhadores continuaram a desempenhar funções essenciais fossem quais fossem as condições, porque qualquer perda de rendimento era insuportável. Saíram e voltaram a casa com medo de infetar e de ser infetado. Foram os primeiros a saber que os transportes iam cheios demais, que não tinham equipamentos de proteção adequados, mas não puderam dar-se ao luxo de parar.”

É esta mesma lógica exploradora do capitalismo reinante que, por outro lado, viabiliza negócios tão escandalosos como os do Novo Banco. Os prejuízos deste banco, detido maioritariamente pela fundo abutre norte-americano Lone Star (ou, como se designa em economês muito politicamente correto, fundo de private equity), cresceram 92% no primeiro trimestre deste ano, quando tinham ascendido, em 2019, a prejuízos de 1059 milhões de euros. No momento em que são injetados pelo Estado mais 850 milhões de euros no Fundo de Resolução para o financiamento desta instituição bancária (último pacote de uma transferência que orça, desde agosto de 2014, em mais de 7 mil e 800 milhões de euros), a remuneração da respetiva equipa de gestão, que aumentou 75% em dois anos (para perto de 2,5 milhões de euros), viu-se reforçada com a atribuição de prémios de desempenho na ordem dos 2 milhões de euros. Mas para premiar o quê, se durante este período o banco não fez mais do que desbaratar dinheiros públicos e acumular prejuízos? Talvez não fosse mau lembrar princípios elementares de gestão empresarial como os do “oversight and accountability”, que podemos traduzir por escrutínio e responsabilização.

Infelizmente, não é caso único. As empresas portuguesas cotadas no PSI20 (muitas delas beneficiando de ajudas do Estado) vão distribuir mais de dois mil milhões de euros de dividendos aos seus acionistas. As gigantes nacionais EDP e Galp distribuíram mesmo um montante de dividendos relativos ao exercício do ano passado superior aos lucros alcançados, respetivamente 695 milhões (situando-se o lucro de 2019 em 512 milhões) e 580 (com lucros de 560 milhões de euros). Com o país a braços com uma contração de cerca de 8% do PIB (segundo o FMI), perto de um milhão de trabalhadores em lay-off , centenas de milhares de outros com os parcos rendimentos diminuídos por reduções de horário, apoio à família ou absoluta precarização da sua situação laboral e os números do desemprego a atingirem os dois dígitos, os rendimentos intocados destes nababos são verdadeiramente obscenos (Visão, 14/5/2020). Se pensarmos que todos os anos se perdem cerca de 250 milhões de euros de receita tributária em Portugal só com o dinheiro que vai para o paraíso fiscal holandês, a narrativa do país “viver acima das suas possibilidades” perde todo o sentido.

E se António Mexia, o gestor nacional mais bem pago, recebeu 2,2 milhões de euros o ano passado (52 vezes mais do que a média dos trabalhadores da EDP), os presidentes executivos das cotadas norte-americanas levam para casa, em média, 17 milhões de euros por ano, cerca de 280 vezes mais que os seus trabalhadores. O patrão da Amazon, Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo (com um património calculado em 149 mil milhões de dólares, isto é, 60% da riqueza gerada anualmente em Portugal), conseguiu, no contexto da epidemia, e com o aumento das encomendas online, valorizar a sua fortuna em 34,5 mil milhões de dólares, segundo dados da Bloomberg, havendo 80 multimilionários que já enriqueceram, este ano, mais de mil milhões de dólares, de que se destaca Mark Zuckerberg; com o confinamento global e recordes na utilização das plataformas digitais, este multimilionário norte-americano amealhou mais de 9 mil milhões de dólares (Visão, 11/6/2020).

Por isso, aqueles que pressagiam mudanças radicais da nossa vida em consequência da pandemia, estão concretamente a falar de quê? Alguém duvida que, assim que for descoberta a vacina, ou pelo menos um tratamento eficaz contra o vírus, tudo voltará a ser como dantes (a não ser, talvez, o epifenómeno estilístico do uso da máscara)? É que nada de estrutural sofreu verdadeiramente alterações. Os constrangimentos impostos à vida coletiva são conjunturais e com o limite temporal que a terapêutica ditar.

E é pena que assim seja. Segundo a constatação do economista e investigador do CES (Centro de Estudos Sociais) José Reis, “Os tempos que correm representam o mais radical confronto com a lógica do capitalismo que alguma vez presenciámos.”, explicando que “O sistema social, económico e político cuja natureza intrínseca consiste no alargamento incessante das transações, nas mobilidades, na acumulação, na exclusão de muitos (pela propriedade e pelo dinheiro) do acesso aos frutos da criação de riqueza, na exploração de recursos, espaços e pessoas e, enfim, na instituição de desigualdades, viu-se subitamente perante a paragem, o regresso de muitos de nós a um espaço limitado, a inviabilidade do exercício generalizado das atividades, a instituição maciça de formas de provisão de natureza «horizontal», onde o primeiro elemento não é o negócio. E, mais ainda, viu-se perante a possibilidade do regresso recorrente deste tipo de limitações e perante a necessidade de reconversões intensas que terão de se confrontar com outros princípios que não os da concorrência e do lucro, seguindo a trajetória linear do tempo.” (José Reis, “Cuidar de Portugal: hipóteses de economia política em tempos convulsos”, Le Monde Diplomatique, ed. portuguesa, junho 2020). Ao reiterar a opinião de muitos sobre a necessidade da economia estar ao serviço da sociedade e não o inverso, José Reis defende que se aproveite esta oportunidade para a implementação do que designa por “economia do cuidado”.

Até porque, como refere a jornalista e escritora brasileira Eliane Brum no El País (citada pelo jornalista António Rodrigues), “o pior que nos pode acontecer depois da pandemia é precisamente voltar à normalidade.” (Público, 17/4/2020).



Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 21:39
link do post | comentar | favorito

pesquisar
 
Julho 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

O HOMEM MAIS PERIGOSO DO ...

NADA COMO DANTES?

SOBREVIVÊNCIA

ENTENDAMO-NOS

COLAPSO

UM PAÍS

DONOS DISTO TUDO

CAUSA E EFEITO

CATALUNYA

PAÍS NORMAL

arquivos

Julho 2020

Junho 2020

Abril 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Setembro 2018

Julho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO
subscrever feeds