Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sábado, 2 de Julho de 2016
PRAÇA DA JORNA

A recente polémica sobre a capitalização da Caixa Geral de Depósitos junto das instituições europeias é um exemplo flagrante da forma mentis prevalecente na atual União. Em declarações prestadas sobre o assunto no início do mês de junho, a comissária europeia da Concorrência, Margrethe Vestager, não levantou objeções a essa intenção, “desde que o Estado invista no banco como faria qualquer outro investidor privado.” (TSF, 6/6/2016), garantindo que não há, por parte da Comissão Europeia, qualquer preconceito em relação à propriedade pública de um banco: “De maneira nenhuma. Nós somos neutros em relação à propriedade. Por isso, não há qualquer questão em relação à propriedade”, assegurou a comissária. E, numa velada ameaça ao Governo português, acrescentou que "As decisões não podem ser políticas. Também porque eventualmente podem ter que ser levadas a tribunal. E o tribunal não vai ouvir nada que seja político ou preconceituoso relativamente a um Estado ou um tipo de propriedade em vez de outro tipo de propriedade".

Isto é, o dinheiro público a disponibilizar pelo Estado português para financiar um banco público tem que seguir uma lógica privada de investimento, que apenas tem por objetivo a maximização dos lucros, e não o cumprimento das funções que um banco do Estado deve ter no incentivo à economia e no privilegiar do investimento público. Remetendo-se a questão para o domínio exclusivamente jurídico e procedimental, proclama-se, alto e bom som, a inutilidade das opções políticas na governação dos bens públicos. Escamoteiam-se, desta forma, os preceitos ideológicos subjacentes a semelhante posição e remetem-se os eventuais diferendos para as inevitabilidades normativas. Qualquer ideia de soberania nacional fica assim subsumida aos sacrossantos “mercados” e a meras conveniências mercantis. É este o estado da União Europeia.

Poucos dias depois, em entrevista ao jornal Público (13/6/2016), o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, a propósito do crescente sentimento de desencanto dos europeus relativamente à UE (e o crescimento das forças políticas nacionalistas e xenófobas), afirmou que “há na Europa, não apenas um sentimento de injustiça, mas uma realidade de injustiça.”, explicando, de seguida “Se os governos pedem sacrifícios aos pais – menos salários, mais trabalho, mais impostos, menos serviços públicos –, dizendo-lhes que é para benefício dos seus filhos no futuro, eles compreendem. Agora, quando se lhes pede que aceitem estes sacrifícios para salvar os bancos e os seus filhos estão no desemprego, revoltam-se.” (tenhamos em mente, para o caso português, e segundo uma nota do Banco de Portugal – que pela primeira vez revelou informações sobre esta matéria –, que os resgates do sistema financeiro representaram, entre 2007 e 2015, um aumento do défice público em 7%, atingindo perto dos 13 mil milhões de euros). A conclusão que Schulz tira desta situação é que “a resposta séria é organizar uma economia mais justa. Temos um crescimento considerável do grande capital nos últimos anos e, do outro lado, um aumento considerável da pobreza. Isso mostra que não vivemos numa sociedade justa e razoável.” Mas quantos não denunciaram já esta realidade e foram vilipendiados e, pura e simplesmente, ostracizados? Serão estas palavras ditadas pela má consciência de um eurocrata?

Como compreender, por exemplo, que a questão das sanções por não cumprimento do défice público de 3% que pesa sobre os países da União, tenha tratamentos diferenciados por parte de Bruxelas? Recorde-se, por exemplo, que entre 1999 e 2015, Portugal falhou 10 vezes o cumprimento das regras orçamentais; à sua frente, porém, está a França que, em igual período de tempo, entrou em incumprimento por 11 vezes. Mas, como afirmou eloquentemente o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, a hipótese de sanções contra esta última está afastada porque “A França é a França.”! Como podia ter aludido ao reiterado incumprimento, desta vez por excedentes externos, da Alemanha, que, no passado mês de março registou o valor recorde de 30,4 mil milhões de euros, em flagrante violação das regras do Tratado Orçamental. Com esta espantosa sinceridade, fica traçado o quadro completo do arbítrio, do abuso de poder e dos jogos de interesses em que se transformou a União Europeia.

O artigo publicado no “The Guardian” a 5/4/2016 (e traduzido no número de junho do Courrier Internacional, de onde retiramos as citações) do ex-ministro das Finanças grego Yanis Varoufakis, é deveras impressionante. Num relato biográfico inicial, Varoufakis fala do seu tio Panayiotis que foi diretor da empresa alemã Siemens na Grécia de meados da década de 50 até se ter demitido nos finais dos anos 70. A razão para essa demissão foram as constantes pressões dos seus superiores germânicos para subornar políticos gregos de forma a assegurar a posição dominante da Siemens na Grécia, nomeadamente na conquista de contratos leoninos na digitalização da rede telefónica grega. Já depois da adesão deste país à União Europeia, em 1981, esta história edificante repete-se, por intermédio de um seu sucessor, Michalis Christoforakos. Quando as autoridades gregas começaram a investigar o assunto, esse indivíduo fugiu para a Alemanha, que sempre recusou a sua extradição para Atenas para responder perante a justiça do seu país. Complacentes com a corrupção – que tanto vituperam no caso dos malandros do sul da Europa – e com a defesa estrénua de interesses próprios, as autoridades alemãs deram mostras inequívocas daquilo que, em grande medida, tem sido a base do seu domínio europeu (lembremo-nos, a propósito, da venda de dispendioso material de guerra alemão a uma Grécia já sobreendividada, com o correspondente beneplácito comunitário). Atitude condizente, aliás, com a espantosa – porque profundamente antidemocrática – resposta do ministro das Finanças alemão Wolfgang Schäuble, quanto à necessidade de uma renegociação do “programa económico grego”, pedida pelo governo do Syriza: “As eleições não podem alterar o programa económico de um Estado-membro”. Fica, assim, demonstrada aquilo que Varoufakis considera ser a “derrota final da ideia de uma Europa unida, humanista e democrática.”

Em 1815, o corifeu do liberalismo doutrinário, Benjamin Constant, escrevia, “A riqueza é uma força que se aplica melhor a todo e qualquer interesse e, por consequência, é muito mais real e mais bem obedecida. O poder ameaça, a riqueza compensa. Foge-se ao poder enganando-o; mas para obter os favores da riqueza é preciso servi-la. Ela vai acabar por prevalecer.” (cit. em Luciano Canfora, A Democracia. História de uma Ideologia, Lisboa, Edições 70, 2007, p. 91). Ora, como refere o professor de Filologia Clássica da Universidade de Bari, Luciano Canfora, a situação que hoje se vive é que “os poderes decisivos se furtaram ao predomínio dos órgãos eletivos, e são confortados pelo «plebiscito dos mercados», bem mais do que o dos votos. O poder está noutro lado e a criação de organismos supranacionais «técnicos», de caráter europeu (que inclusive fisicamente estão noutro lado), contribuiu muito para que os parlamentos nacionais deixassem de ter o controlo das decisões fundamentais para a economia (isto é, fundamentais tout court).” (Canfora, 2007: 284-285). Ora é precisamente aqui que reside o problema; a democracia passa a ser um mero negócio, como tudo o resto. A democracia deixa de significar “soberania popular” para se converter em conventículo de interesses obscuros e de poderes fáticos [aquilo que o jurista e antifascista italiano, Sílvio Trentin, a propósito da realidade americana, caracterizava como o “governo dos conselhos de administração” (cit. Canfora, 2007: 211)]. Como conclui o académico italiano, “a anulação soft do sufrágio universal é, de todas as maneiras, compensada pela graciosa concessão de continuar a fazer-se ciclicamente legitimar através de eleições.” (Canfora, 2007: 285). Triste consolação.

Quando o comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, o ex-governante português Carlos Moedas, afirma que a União Europeia “É um caminho norteado por princípios: direitos fundamentais, democracia, Estado de direito, tolerância e solidariedade.” (Diário do Alentejo, 17/6/2016), só pode dar vontade de rir! Transformada numa “praça da jorna” entre uns poucos países poderosos e os restantes, seus dependentes e prontos a aceitar quaisquer condições, a presente União Europeia não passa de uma caricatura dos princípios proclamados aquando da sua constituição. Não admira, por isso, o resultado do referendo britânico.

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 12:39
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds