Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sábado, 8 de Fevereiro de 2014
“ODIO GLI INDIFFERENTI”

 

A expressão, no original italiano, é de António Gramsci, em texto escrito em 1917. Para o dirigente comunista sardo era impensável a vida humana desligada da sociedade e da necessidade de intervenção cidadã, já que os Homens não podem permanecer estranhos à cidade e demitir-se da cidadania. “A indiferença é o peso morto da história”, dizia, enfatizando o ónus brutal da passividade “daqueles com que não se pode contar”. A indiferença e o absentismo das multidões dá azo, por outro lado, a todo o tipo de maquinações e à possibilidade da manipulação por parte de uns poucos do querer coletivo. Nestas circunstâncias, os Homens deixarão de ser atores para se tornarem meros figurantes de uma trama que não controlam e que inevitavelmente se desenrolará em seu prejuízo. Todos, quem se interessou e quem não quis saber, quem foi ativo e quem se mostrou indiferente, quem lutou e quem não lutou, serão afetados. Será então tarde de mais.

As piores situações da história da humanidade decorreram, segundo um aforismo célebre, “do consentimento de muitos, da convicção de alguns e do assentimento de quase todos”. Mas uma coisa é certa; nunca os indiferentes poderão reclamar inocência. Pelo contrário. Na sua passividade cúmplice, revelar-se-ão os principais culpados das situações de degradação social advindas e serão os verdadeiros carrascos dos que se sacrificaram para as impedir. Isto mesmo já sabia, no século XVI, o filósofo francês Étienne de la Boetie, denunciando a conivência das populações com os regimes tirânicos, a fácil aceitação do que ele denominou “servidão voluntária”. Também nos inícios do século XX, o sociólogo alemão Max Weber afirmava, com notável perspicácia, que “neutro é quem já se decidiu pelo mais forte”.

Como é possível ser “neutro” perante a atual realidade portuguesa? Como é possível não querer saber? Como é possível ser indiferente quando as mais recentes estatísticas oficiais da União Europeia (Eurostat) indicam que um quarto dos cidadãos portugueses vive na pobreza e em situação de exclusão social (25,3%, ou seja 2,7 milhões de pessoas) e a classe média está num processo acelerado de empobrecimento? Como se pode esquecer que o desemprego atinge cerca de um milhão de portugueses e 200 mil já foram forçados a emigrar? Como contemporizar com uma perda brutal do rendimento das famílias portuguesas que, segundo o Instituto Nacional de Estatística, recuou para níveis do início do século XXI? Como aceitar que cerca de meio milhão de crianças tenha perdido o abono de família e que, segundo o mesmo estudo sobre o Índice de Bem-Estar do INE, a percentagem de pessoas com mais de 15 anos a viverem em agregados familiares em que a totalidade dos seus elementos em idade ativa estão desempregados tenha tido um agravamento de 60% nos últimos anos?

Principalmente, como tolerar o que nos revela o Relatório de Ultra Riqueza no Mundo 2013 do banco suíço UBS, segundo o qual, em Portugal, há mais 85 milionários – indivíduos com fortunas superiores a 30 milhões de dólares (perto de 22,4 milhões de euros) – do que em 2012 (correspondendo a um acréscimo de 10,8%) e que os 870 milionários portugueses atualmente existentes detêm, em conjunto, uma fortuna avaliada em 100 mil milhões de dólares (75 mil milhões de euros), valor que representa um aumento de 11,1% em relação a 2012 (Público, 8/11/2013)? Note-se que, segundo este estudo, o crescimento do número de multimilionários em Portugal, um dos países mais flagelados pela crise na Europa, foi maior do que a média europeia (8,7%), sendo o valor das suas fortunas também superior ao da média europeia (10,4%). Como é isto possível?! Como pode tal suceder num país intervencionado pela troika internacional e a braços com uma das piores situações económicas da sua história? Como se podem deixar extremar desta maneira as desigualdades sociais no nosso país? Acusando o atual governo de estar a transformar Portugal num “terreno salgado e estéril”, José Pacheco Pereira dirá mesmo “Pode-se-lhes perdoar tudo, os erros de política, a incompetência, o amiguismo, uma parte da corrupção dos grandes e dos médios, menos isto, este salgar da terra que pisamos, apenas para obter uns ganhos pequeninos no presente e com o custo de enormes estragos no futuro.” (Público, 30/11/2013).

Porque a solidariedade humana e a empatia com os outros se constitui como uma efetiva força moral, no escrito de 1917 anteriormente referido, António Gramsci dirá: “Chi vive veramente non può non essere cittadino, e parteggiare. Indifferenza è abulia, è parassitismo, è vigliaccheria, non è vita. [...] Vivo, sono partigiano. Perciò odio chi non parteggia, odio gli indifferenti.” São verdades que não necessitam de tradução. Verdades antigas, a recordar-nos a famosa máxima do filósofo ateniense Platão, “o castigo para quem não acredita na política e não se interessa por ela é ser governado por gente de pior qualidade”.

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 03:02
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Janeiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

FAZER DE CONTA

DE QUE FALAMOS?

arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds