Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Terça-feira, 8 de Setembro de 2015
O PRINCÍPIO DA REALIDADE

Num artigo de opinião no jornal Público (11agosto2015), João Miguel Tavares faz o “Elogio de Rui Tavares” – título da crónica – e do livro que este recentemente publicou, Esquerda e Direita – Guia Histórico para o Século XXI, Lisboa, Tinta-da-China, 2015. O motivo para tal panegírico prende-se com aquilo que João Miguel Tavares considera ser uma raridade no pensamento da esquerda: “ele não fala da direita a partir de uma posição de superioridade moral”. O cronista explica essa atitude da esquerda, “porque o valor da igualdade é mais dado a cartadas morais do que o valor da liberdade, na medida em que tem uma relação mais próxima com as condições de vida das pessoas e com a luta contra a injustiça social”, enquanto que “A defesa da liberdade e do mérito individual, típica da direita, exige percorrer mais quilómetros até se refletir no bem-estar comum – exige, digamos assim, mais paciência, maior elaboração e uma certa fé na «mão invisível».”

Não nos iremos debruçar sobre os méritos ou deméritos do livro citado (que é, aliás, excelente). Limitar-nos-emos à análise do que sobre ele é comentado. E, a esse propósito, parece-nos que as considerações feitas por João Miguel Tavares assentam num conjunto (digamos assim) de mal entendidos. Com efeito a grande diferença entre esquerda e direita radica na posição que se tem perante os poderes instituídos. Trata-se de uma diferença política e não de uma distinção moral. Na esquerda há uma clara contestação da lógica capitalista. Na direita há a sua aceitação e exaltação. Quer uma, quer outra destas posições servem determinados interesses sociais que, sendo legítimos, são profundamente divergentes. Pôr estas questões em termos de moralidade confunde as coisas e apouca as razões de ser de projetos alternativos de sociedade.

Outra dimensão do problema é a discussão que decorre das elaborações teóricas que justificam as posições assumidas. Aí aparece a dicotomia igualdade/liberdade, a questão do mérito individual ou do bem-estar comum. Antes de mais convém referir – e ao contrário do que considera João Miguel Tavares – que a esquerda, porque se opõe à ordem vigente, tem um trabalho bem mais árduo (e exige, convenhamos, muito mais resiliência e espírito de sacrifício) na fundamentação das suas posições e no combate politico aos seus adversários do que a direita, que, sendo poder e suportando o sistema, usufrui de meios institucionais e ideológicos muitíssimo mais poderosos que permitem que o pensamento dominante se transforme numa doxa omnipresente. Só uma profunda consciência sobre a atual situação e uma aguda perceção das desigualdades e injustiças sociais promovidas pela globalização neoliberal permitem perspetivar outros caminhos para a vida coletiva. E isso, quer se queira quer não, é património da esquerda.

Aquilo que a esquerda desvenda – e que a direita pretende ocultar – é a elementar e matricial circunstância, como explicou o filósofo e sociólogo alemão Jürgen Habermas em meados dos anos 70 do século passado, de “Todas las sociedades de clases, puesto que su reproducción se basa en la apropriación privilegiada de la riqueza producida por la sociedad, tienen que resolver el siguiente problema: distribuir el produto social de manera desigual y sin embargo legítima.” (Problemas de Legitimación en el Capitalismo Tardio [1973], Madrid, Cátedra, 1999, p. 162). Cita, a propósito, o seu compatriota e sociólogo da política Claus Offe, quando este diz que “la dominación política es, en las sociedades industriales capitalistas, el método de dominación de classe que no se da a conocer como tal” (ibid., p. 233, itálicos no original). O que diferencia as pessoas de esquerda das de direita (ou, para o efeito, de todas as outras) é que aquelas intuíram e denunciam a exploração e desigualdade sociais como características orgânicas do sistema capitalista, não havendo discurso ideológico que consiga escamotear essa realidade. Quem, pelo contrário, apoia semelhante sistema – de forma consciente ou não – não pode deixar de se tornar cúmplice da iniquidade.

É, assim, impossível para a esquerda ter “fé na «mão invisível»” que concorra para o “bem-comum” a que alude João Miguel Tavares (retomando a conhecida formulação de Adam Smith no enaltecimento das virtudes da iniciativa individual e do mercado livre no bem estar da sociedade), porque a prossecução dos interesses individuais não passa disso mesmo, como a ordem neoliberal amplamente tem demonstrado. O “bem-comum” exige, pelo contrário, um sentimento de pertença a uma comunidade e a luta pela dignificação da vida de todos, através do desenvolvimento de políticas inclusivas e da promoção efetiva da igualdade de oportunidades entre os cidadãos. E só quando estes pressupostos estiverem garantidos é que fará sentido falar de “mérito individual”, premiando aqueles que efetivamente merecem e obstando à perpetuação de estatutos herdados ou adquiridos à partida.

São estas as verdadeiras exigências do pleno usufruto da liberdade que, longe de estar em contradição com a busca de uma melhoria generalizada das condições de vida da população, são um seu requisito indispensável. Não há liberdade sem igualdade social. Para assegurar a consecução da autonomia individual é necessário que haja condições para tal, isto é, que o indivíduo possua um nível de vivências, instrução, assistência e rendimento que lhe permita fazer as escolhas que entenda. Logicamente a sociedade tem que estar organizada para esse fim, o que manifestamente não é o que se passa nos nossos dias. Com efeito, a situação de crise permanente que a globalização neoliberal nos trouxe – e que implica um retrocesso civilizacional a vários níveis – traduz-se naquilo que o estimado professor da Universidade de Évora, Silvério da Rocha-Cunha designa por “uma inefável propensão para, ideologicamente, fazer da necessidade virtude.” (Crítica da Razão Simplificadora. Escritos sobre Poder e Cidadania numa Era de Compressão, Famalicão, Húmus, 2015, p. 151).

Por isso é que, para a esquerda, o mito do self made man – pelo menos quando aplicado de forma generalizada – é sumamente falacioso, tendo mais a ver com intenções piedosas ou expetativas vãs, do que com a realidade dos factos. E este logro, longe de se poder atribuir a razões de (mau) carácter ou de hipocrisia individuais, ou a um qualquer espírito conspirativo – precisamente porque não se trata de uma questão moral –, decorre antes de um mecanismo doutrinário engendrado pelo próprio funcionamento do sistema capitalista. Os críticos do liberalismo acentuam, aliás, este aspeto mistificador do statu quo, que faz com que esta ideologia seja considerada ou uma “obra-prima de cinismo político”, ou constitua uma “incrível «ingenuidade» perigosa.”, conforme a caracterizou o filósofo francês Michel Richard num manual clássico do pensamento contemporâneo (As Grandes Correntes do Pensamento Contemporâneo, trad. José Saramago, Lisboa, Moraes, 1978, p. 36).

É, em todo o caso, nestas distinções que se pode verificar um maior ou menor grau de congruência com a realidade da esquerda e da direita e ajuizar da maior ou menor valia das respetivas propostas. Tomando de empréstimo o conceito de Freud de “princípio da realidade”, isto é, a capacidade mental de enfrentar as exigências da vida real e das consequências dos próprios atos, suportando contrariedades e adiando compensações (princípio do funcionamento mental que, como disse em 1911 o médico neurologista austríaco, faz parte do processo normal de amadurecimento do indivíduo), dir-se-ia que o realismo e objetividade da esquerda é inversamente proporcional ao distanciamento e distorção da realidade por parte da direita.
Se ser de esquerda, como alega João Miguel Tavares, é uma questão de moral (neste caso, superioridade da dita!), ser de direita parece resultar de uma postura, a bem dizer, religiosa, uma questão de fé. Porquê? Porque se acredita viver num mundo equilibrado, próspero, justo, enfim, harmonioso – o “fim da história”, proclamado por Fukuyama – um mundo onde impera a meritocracia, onde não há exploração, onde a igualdade de oportunidades é uma realidade, onde todos têm a vida que merecem. Será que à direita falta, afinal, o “princípio da realidade”?

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 00:07
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds