Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Domingo, 7 de Dezembro de 2014
O MEXILHÃO

No final de 2014, existem em Portugal 2,5 milhões de portugueses a viver abaixo do limiar da pobreza, mais de um terço de crianças a viver na pobreza ou em risco de nela cair, um milhão de desempregados ou subempregados (estágios ou prestações precárias de serviços), esses mesmos que foram acusados de viver “acima das possibilidades” e que agora carregam o opróbrio do conformismo, da preguiça e da falta de iniciativa e espírito empreendedor, resumido no sumamente demagógico chavão de “subsídio-dependentes”. Os números mais recentes do Instituto Nacional de Estatística, publicados por ocasião do Dia Internacional da Erradicação da Pobreza que se assinalou no passado dia 17 de outubro, revelam que a pobreza atingiu, em 2012, 18,7% da população (mais 0,8% que em 2011), com um crescimento ainda mais acentuado da pobreza infantil, que passou dos 21,8% em 2011 para 24,4% em 2012, sendo que, em termos da denominada pobreza consistente (indicador referente a quem está simultaneamente em risco de pobreza e em situação de privação material) os números são ainda mais preocupantes, a atingir 29,9% das crianças e 25,5% dos adultos em 2012 (contra 22,5% em 2011). Tudo devido a uma política deliberada de redução das transferências sociais induzida pelo dogmatismo neoliberal do governo de Pedro Passos Coelho e Paulo Portas que, após terem ganho as eleições em 2011, revelaram as suas verdadeiras intenções: empobrecer os portugueses.
Como é fácil de constatar na análise do relatório do INE, o ano de 2011 marca precisamente o momento em que os índices de pobreza se acentuam. De então para cá, com o aumento dos fatores de crise económica e a despudorada política de desproteção social do atual poder político, era impossível não se chegar à presente situação. Alguns exemplos bastam para demonstrar esta triste realidade: se em 2010 havia cerca de 526 mil beneficiários do RSI, em 2013 este número baixou para cerca de 360 mil (a par com a diminuição do montante da respetiva prestação). Ao mesmo tempo, o desemprego de longa duração atinge perto de meio milhão de pessoas, acrescidos de perto de 300 mil subempregados (por exemplo em contratos emprego-inserção) ou a frequentar ações de formação, dos quais pouco mais de 30% recebem ainda subsídio de desemprego.
O que ainda é mais escandaloso é que este agravamento da pobreza não se deve à falta de recursos do país – que, apesar de escassos, devido ao garrote da troika internacional, podiam ser distribuídos de forma mais equitativa – mas ao enorme aumento das desigualdades sociais. Segundo a Global Wealth Report de 2014, do Crédit Suisse, 76 mil portugueses possuem um património superior a um milhão de dólares (mais 30 mil do que em 2011, note-se!), sendo que os 10% mais ricos detêm perto de 60% da riqueza total do país. Neste mesmo período de agravamento das condições de vida da generalidade da população portuguesa, assistiu-se à multiplicação da abertura de contas milionárias nos bancos da Suíça e à transferência das sedes de grandes grupos económicos como a Sonae ou a Jerónimo Martins para paraísos fiscais, sonegando ao Estado português (e, em última instância, a Portugal e aos portugueses) milhares de milhões de euros em impostos que podiam ser decisivos para minorar alguns dos problemas com que nos defrontamos.
É, por isso, de um enorme cinismo o discurso que Passos Coelho proferiu sobre a crise, no encerramento de um seminário de Economia Social promovido pela União de Misericórdias de Portugal, no passado dia 5 de dezembro, em Braga, afirmando que «Ao contrário do que era o jargão popular de que quem se lixa é o mexilhão, de que são sempre os mesmos (...) desta vez todos contribuíram e contribuiu mais quem tinha mais, disso não há dúvida» acrescentando que «a crise económica não agravou as desigualdades, houve até uma tendência para corrigir algumas delas». Vê-se!

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 19:55
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Janeiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

FAZER DE CONTA

DE QUE FALAMOS?

arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds