Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Quarta-feira, 13 de Janeiro de 2016
HEGEMONIA

Como todas as situações de dominação hegemónica, a ordem neoliberal globalizada recusa ser vista enquanto tal. A sua soberania passa por ser um imperativo natural de ordenação das sociedades, que corresponde a uma espécie de destino inevitável da existência humana; aquele mesmo que está na base do célebre aforismo “o que tem de ser, tem muita força”. Ora a história humana já há muito que demonstrou ser uma – essa sim inexorável – sucessão destes supostos fatalismos que, no seu devir, desmentem a cada passo as certezas e imperativos que antes eram tidos como absolutos. A recorrente possibilidade da recomposição da vida em sociedade segundo moldes distintos constitui, afinal, a maior das virtudes (e o mais insuperável fascínio) da crónica da humanidade.

Convém precisar que o poder hegemónico não é menos poder pelo facto de substituir a pura e simples intimidação e coerção físicas, próprias do domínio totalitário, pela capacidade acrescida do convencimento e persuasão, isto é, da influência doutrinária. Sendo igualmente exercida de forma intensa e constante, fá-lo sem o recurso direto e ostensivo à violência, o que lhe empresta não só uma aura de legitimidade, como lhe permite alcançar um razoável consenso, induzido pela passividade (ou melhor, alienação) da maioria da população. A defesa dos interesses dos grupos sociais dominantes passa, assim, a traduzir as aspirações da generalidade da população, pelo enviesamento ideológico da sua relação com a realidade. Universalizando e naturalizando o poder, este torna-se invisível e, nessa medida, virtualmente inexistente. A defesa da ordem instalada é entendida como sendo do interesse do conjunto da sociedade, refletindo o que aparenta ser o “senso comum”. Cumpre-se, afinal, o mesmo objetivo de dominação que a palavra grega egemonia pressupunha (“direção suprema”), embora difiram os meios utilizados para atingir tal desígnio.

Merece, a este propósito, especial reparo a intervenção de Cavaco Silva no encerramento do Conselho da Diáspora nos finais do passado mês de dezembro. Não por qualquer relevância do personagem em questão ou do areópago onde discursou. Mas por constituir um exemplo acabado da mistificação ideológica a que fizemos referência. Apontando a crise grega e a negociação do terceiro resgate a este país como "exemplo que em matéria de governação a realidade acaba sempre por derrotar a ideologia", Cavaco Silva vincou a necessidade de “pragmatismo” na ação da União Europeia. Como se este “pragmatismo” fosse uma opção ideologicamente inócua e como se a “realidade” e a “ideologia” não estivessem inextricavelmente ligadas! Centrado na sua magistral ignorância e com a desmesurada sobranceria dos possidónios, para Cavaco, a realidade é linear e não admite escolhas. Como ele próprio um dia afirmou, perante a mesma informação, duas pessoas não podem deixar de ter a mesma opinião; é a lógica imbecil do “nunca me engano e raras vezes tenho dúvidas”. A realidade é única e não permite diferentes interpretações. Qualquer outra atitude não passa de “ideologia”, falsa por definição, indesejável por convicção. Como se a realidade não fosse enformada por construções ideológicas alternativas, como se o mundo não fosse moldado por projetos de sociedade distintos, como se o próprio Cavaco não se filiasse numa corrente político-ideológica perfeitamente identificável. O que é próprio de uma ideologia é existir precisamente em relação, em confronto, com outras, como nos ensinaram, há muito, Karl Marx ou Karl Mannheim.

Um conhecimento elementar de filosofia ou ciência políticas são suficientes para refutar este tipo de desfaçatez. Basta consultar, por exemplo, a recente obra Ideologias políticas contemporâneas, coordenada pelo professor de Filosofia Política da Universidade do Minho, João Cardoso Rosas (Coimbra, Almedina, 2013), cujo parágrafo inicial é lapidar: “Não existe ação política sem ideologia. A ideologia política não é algo de opcional, uma coisa que podemos ter ou não, à qual podemos renunciar em nome do pragmatismo ou da tecnocracia. Esse mesmo pragmatismo ou tecnocracia é sempre uma forma de ideologia não assumida. Aliás, os discursos que rejeitam explicitamente a ideologia são, não raro, os mais dogmáticos de todos, aqueles em que a ideologia está mais enquistada enquanto falsa consciência da realidade.” (p. 7). Fica assim desmascarada aquilo que o afamado jornalista britânico Owen Jones muito apropriadamente designa por “pretensão à levitação social e ideológica”, a propósito do pensamento tecnocrático no ensino universitário da economia. [cit. Luís Bernardo (org.), Correntes invisíveis – neoliberalismo no séc. XXI, Lisboa, Deriva/Le Monde Diplomatique (ed. port.), 2015, p. 99].

A dominação hegemónica e a submissão ao statu quo traduzem-se numa combinação de conformismo, fatalismo e ceticismo. Conformismo porque a intensidade da dominação é, como vimos, diretamente proporcional à sua opacidade e invisibilidade. Fatalismo porque a ordem neoliberal é exemplarmente expressa no mantra “there is no alternative”, em que qualquer mudança é vista como inviável e mesmo prejudicial à generalidade dos interesses da sociedade. Ceticismo porque a ostracização sistemática das opiniões divergentes e a impossibilidade efetiva (não formal ou episódica, mas real e estratégica, isto é, numa proporção que possibilite, de facto, confrontar o poder instalado – e aqui os meios de comunicação social têm enormes responsabilidades na assunção da sua função original de contrapoder), fazem com que as alternativas sejam olhadas com desconfiança, preferindo-se sempre os equilíbrios da submissão aos desafios da liberdade.

Mas com certeza que há alternativas. Não por qualquer idealismo voluntarista. Mas porque ao longo da história da humanidade, os becos sem saída parecem suceder-se e, no entanto, passamos sempre a outra fase. Depois do “fim da história”, esta, naturalmente, prossegue. O que há uns anos parecia politicamente impossível, torna-se politicamente inevitável. Como disse o recém-eleito líder dos trabalhistas britânicos, Jeremy Corbyn, “Não temos de ser injustos, a pobreza não é inevitável. As coisas podem mudar e vão mudar.” (I, 14setembro2015).

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 23:59
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Julho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds