Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Terça-feira, 3 de Maio de 2016
FAZER DE CONTA

De há uns anos a esta parte, o ensino tem sido o parente pobre das políticas públicas em Portugal. Invocado recorrentemente como uma prioridade do investimento nacional, falta-lhe sempre isso mesmo: o investimento. Tutelado por comissários políticos ou apaniguados eleitorais, o setor do ensino vive num estado de permanente indigência, pasto de ajustes de contas obscuros ou de amadorismos mais ou menos iluminados. Amadorismos esses que, esbarrando na premência de acudir às ingentes necessidades pedagógicas, se escudam no profissionalismo político da dilação das decisões, da prossecução inconfessada de propósitos distintos e na litania dos constrangimentos orçamentais.

Faz-se, então, de conta. E as autoridades governamentais exigem que apareça a omelete sem haver os respetivos ovos o que, está bem de ver, é algo que pertence ao reino da fantasia (invocamos, a este propósito, o famoso “milagre das rosas” medieval, quando o rei D. Dinis, informado sobre as despesas que acarretavam para o tesouro real as ações de caridade da rainha D. Isabel, a interpelou numa das suas caminhadas para distribuir alimento aos necessitados e, do seu regaço cheio de pão, saíram rosas: “São rosas, meu senhor, são rosas!”, terá exclamado, ainda surpresa, a piedosa monarca, doravante proclamada como “rainha santa”). Culpam-se, mesmo, os agentes educativos por não conseguirem lograr semelhante sortilégio, que cumpra o duplo desiderato de satisfazer as estatísticas – colocando-nos num lugar honroso nos rankings internacionais – e aquietar a consciência dos governantes.

A reprovação dos alunos é questão que ciclicamente vem à baila e que parece causar grande comoção nos nossos responsáveis. Duas ilações são, de imediato, retiradas: a primeira, a de que Portugal é dos países da Europa onde mais se chumba (ainda que estejamos acompanhados de países como a Espanha, a França, a Holanda ou o Luxemburgo); a segunda, a de que o chumbo não está associado a um ganho de aprendizagem. Sobre esta última constatação (já que, quanto à primeira inferência, dificilmente poderemos comparar contextos nacionais tão diversos), não podíamos estar mais de acordo.

Era então suposto, para ultrapassar semelhante problema, que as escolas fossem dotadas dos recursos humanos suficientes para fazerem o acompanhamento mais individualizado dos alunos, quer através de parcerias pedagógicas em sala de aula, de equipas de professores de apoio, da constituição de grupos diferenciados de aprendizagem, de salas de estudo assistidas, etc. Mas não foram. Em vez disso, os docentes, paulatinamente reduzidos, vêem-se a braços com horários cada vez mais sobrecarregados, com um crescente número de turmas atribuídas e com uma quantidade claramente excessiva de alunos por turma, condições que dificultam sobremaneira – quando não inviabilizam – a desejável diferenciação pedagógica e o sucesso educativo. Era necessário que houvesse uma revisão séria, ponderada e participada da matriz curricular e dos programas em vigor que permitisse ajuizar da sua exequibilidade e adequação às necessidades e capacidades dos discentes e às condições efetivamente disponíveis nas escolas. Que houvesse a preocupação de ajustar os planos de trabalho previstos à necessidade de implementação de metodologias ativas de aprendizagem, à realização de atividades experimentais, ao desenvolvimento de projetos didáticos diversificados, que promovessem o desenvolvimento cognitivo, emocional e cívico dos alunos, com vista à sua participação ativa e eficaz na sociedade. Mas não houve. Em vez disso, a lecionação rotineira de programas, por vezes, com dezenas de anos de existência, a prossecução de metas de aprendizagem irrealistas, a implementação de cargas horárias disciplinares insuficientes, circunstâncias geradoras de frustração, desmotivação e – lá está! – insucesso.

Encobre-se, então, o raciocínio elementar de que, se um aluno não consegue atingir os objetivos mínimos num número significativo de disciplinas, não poderá prosseguir para uma nova fase do seu plano de estudos. O que é de uma evidência cristalina – lamentável, é certo, mas óbvia! – passa por um dislate e torna-se motivo de escândalo, abatendo-se um verdadeiro anátema sobre quem o constata. Percebe-se a reação; é o próprio sistema educativo que assim é posto em causa, vindo ao de cima todas as carências de que enferma e todas as insuficiências das atuações governativas nesta área. Para justificar progressões académicas que mais não são do que expedientes administrativos, inventam-se teorias pedagógicas falaciosas como a “lógica de ciclo” (que apenas poderá ter algum cabimento em disciplinas de abordagem em espiral e não naquelas cujas aprendizagens têm uma natureza sequencial), admitindo-se como procedimento normal o absurdo dos alunos passarem de ano sem terem quaisquer condições para o efeito, na vã esperança de que possam adquirir os requisitos indispensáveis mais tarde (por obra e graça do espírito santo, certamente). Escamoteiam-se os problemas, iludem-se responsabilidades e finge-se o sucesso. Faz-se de conta.

A recente entrevista do ex-ministro da Educação, Eduardo Marçal Grilo, ao Jornal de Letras (27/4/2016), constitui mais um exemplo da mistificação que rodeia estas matérias. À pergunta do jornalista, “Mas ter um projeto individualizado para cada aluno é uma tarefa muito complicada em turmas com 30 alunos, não?”, o antigo governante reponde que, pelo contrário, “Não há nenhuma demonstração científica de que quanto mais pequena é a turma melhor é o aproveitamento”, elencando uma série de razões que o comprovam: “Depende muito do tipo de estudante, da qualidade do professor e da organização da sala de aula.” No entanto, estas que parecem ser asserções lógicas e razoáveis são, logo de seguida, postas em causa pelo próprio Marçal Grilo quando reconhece que “A única coisa que está provado relativamente às turmas grandes é o problema da disciplina e do ambiente que se vive na sala de aula. Normalmente, o facto de a turma ser maior obriga o professor a gastar mais tempo a tornar a turma gerível, o que significa que tem menos tempo para pôr os miúdos a pensar e para transmitir conhecimento.” Mas é disto mesmo que estamos a falar! O problema das turmas grandes, como qualquer docente sabe – daquele “saber de experiência feito” a que Camões se referia – é que o tempo que se perde a gerir a turma compromete sobremaneira a aprendizagem, os tais “pôr os miúdos a pensar” e “transmitir conhecimento” de que fala Marçal Grilo, pondo necessariamente em causa o aproveitamento dos alunos. A “demonstração científica” anteriormente invocada esbarra, afinal, na prova da realidade. Parece, isso sim, persistir um pensamento nas políticas públicas educativas essencialmente formatado para questões de ordem financeira e orçamental – aumentar o número de alunos por turma permite reduzir custos (pelo efeito conjugado da diminuição do número de turmas e, por essa via, de docentes necessários para a lecionação) – e não para preocupações de caráter pedagógico.

Com cada vez menos condições para exercerem condignamente a sua função, assaca-se aos professores e às escolas o ónus da situação. Exige-se-lhes o impossível. É que, para haver um sistema de ensino com qualidade, é preciso investir… e muito!

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 00:51
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De silva a 7 de Maio de 2016 às 09:54
If justice would ever Justa there would be so many debtors.
Just see the illegal collective dismissal of the Casino Estoril, as it appears judge with new home for refusing interim measures is difficult to prove to have been purchased with money from offshore, or harms hundreds of people who spend borrowers for lack of justice fair.

http://revelaraverdadesemcensura.blogspot.pt/2012_06_01_archive.html


Comentar post

pesquisar
 
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds