Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Terça-feira, 17 de Novembro de 2015
COMO SE…

A histeria com que a direita encarou o acordo a que chegaram os partidos de esquerda para apoiar um governo de António Costa é bem reveladora do que está em jogo. Tudo serviu para esconder a evidência do resultado das últimas eleições: a esquerda ganhou (apesar de tudo) e a direita perdeu (depois de tudo). E foi a constatação deste facto elementar que levou a esquerda a unir-se e a direita a desesperar, recorrendo a todo o tipo de diatribes, desde o puro e simples insulto, à descabelada ameaça da eminência de um PREC II, até às disparatadas acusações de ilegitimidade.

Como se o desejo de inverter o processo de empobrecimento e degradação da vida dos portugueses fosse um despautério (afinal, em que país vivem os dirigentes do PSD e CDS?), como se a ambição de devolver salários, pensões e reformas cortadas pelo governo cessante fosse um absurdo (afinal que interesses servia a direita no poder?), como se o anseio de ter serviços públicos universais e de qualidade fosse um desvario e como se o propósito de diminuir as desigualdades e injustiças sociais fosse um crime (de resto, tudo extravagâncias mais do que condicionadas pelo espartilho orçamental imposto por esta União Europeia dominada pela cartilha neoliberal).

Como se uma maioria parlamentar de esquerda não pudesse ter a mesma capacidade decisória que a maioria de direita que nos tem governado. Como se a direita tivesse o monopólio da governação e a esquerda estivesse condenada a um estado permanente de vassalagem política. Como se a responsabilidade e o patriotismo tivessem cor partidária. Como se não fosse essencial contribuir para a construção de uma Europa dos cidadãos que coloque os interesses económico-financeiros no seu devido lugar. Como se não fosse urgente reabilitar a democracia europeia, resgatando-a da permanente chantagem dos “mercados” que fazem da soberania popular uma caricatura e das eleições uma mera recomposição dos mesmos ditames. Lembremo-nos da afirmação taxativa do presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, sobre eleições do passado dia 4 de outubro, “A situação para Portugal não muda. A situação económica e financeira não muda de um dia para o outro devido às eleições. Por isso, não creio que haja razão para uma grande mudança de política neste momento.”, reiterando a posição assumida pelo ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble – “As eleições não mudam nada” – a propósito do anterior processo eleitoral grego.

A dirigente do Bloco de Esquerda, Mariana Mortágua, em entrevista ao Público (13/11/2015), enunciou o fundamental sobre a atitude da direita portuguesa: “O enorme medo da direita é que se prove que afinal havia alternativa.” Mas para isso, a esquerda portuguesa tem que assentar num programa mínimo de convergência que, preservando a identidade e as reivindicações de cada uma das formações políticas, coloque o projeto comum como prioridade absoluta. Ater-se ao essencial (prescindindo mesmo, se necessário for, de alguns propósitos) é condição sine qua non para a durabilidade – não só desejável, mas vital – da esquerda. Como disse sabiamente José Pacheco Pereira a propósito deste “casamento” dos partidos da esquerda, “há uma coisa que os esposos devem ter clara na sua cabeça, escrita em letras de fogo, tatuada nas mãos e nos braços, para que estejam sempre a ver, é que o divórcio será muito mais gravoso e penoso.” (Público, 31/10/2015), acrescentando que, para que um governo de esquerda resulte, tem de “governar razoavelmente, onde o ótimo é inimigo do bom”. Se isso acontecer, Pacheco Pereira não tem dúvidas em considerar que “provocará um ponto sem retorno na vida política portuguesa.” A alternativa é uma irremediável perpetuação da direita mais revanchista no poder e o aniquilamento da capacidade da esquerda em protagonizar outros caminhos para a nossa sociedade.

Passos Coelho chama a este entendimento político, “autêntico reviralho”. Pois que seja!

 

                                                                                                         Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 13:25
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds