Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sexta-feira, 7 de Março de 2014
ANIVERSÁRIO

Hoje o Albardeiro é notícia. Passaram dez anos desde a sua estreia na blogosfera. Dez anos de um projeto que nasceu e se desenvolveu a duas mãos, numa parceria de preocupações comuns, de cumplicidades várias, mas, sobretudo de uma fraterna amizade que encontrou as suas raízes na vivência universitária do início dos anos oitenta do século XX e se manteve – já lá vai uma vida – numa partilha de sentimentos e convicções. Uma vivência feita de debate aceso de ideias e de crítica permanente a tudo o que considerávamos incorreto ou condenável. Foi assim que, no seio de um grupo mais alargado de amigos, crescemos e nos tornamos muito do que somos hoje. Com os anos e o embate quotidiano com uma sociedade cada vez mais injusta e hipócrita – e, em termos pessoais, com uma realidade profissional cada vez mais degradada e menos gratificante – mantivemos o mesmo espírito inconformado e o mesmo desejo de ver cumpridas as grandes promessas legadas pela instauração da democracia no nosso país.

            Muitos foram os temas abordados ao longo destes anos nesta tribuna virtual de opinião. Em termos internacionais, vivemos o rescaldo do 11 de setembro de 2001 e o pesadelo da administração de George W. Bush que, tomando o mundo como refém, impôs a lógica maniqueísta do “ou estão connosco ou estão com os terroristas” que tão funestas consequências viria a ter a nível global, espalhando, sob o manto da “guerra preventiva”, o terror aos quatro cantos do planeta. A mesma lógica belicista que presidiu à invasão do Afeganistão em outubro de 2001 e do Iraque em março de 2003 e que, sob o manto do denominado “eixo do mal”, viria a consagrar o diktat do poder americano, doravante erigido em verdade universal.

O mesmo pensamento único que presidiu à emergência da chamada “terceira via”, que conluiou a governação de Blair, Schröder e Clinton com a lógica predadora da globalização neoliberal, a desregulação e desestatização das economias nacionais e com a generalizada degradação das condições de vida das populações, ainda que a coberto duma pretensa humanização da ortodoxia neoconservadora de Ronald Reagan e Margaret Thatcher, naquilo que, à época, a revista francesa Nouvelle Observateur caracterizou como um "prolongamento vagamente social da revolução thatcherista". Foi este o caminho que conduziu à crise do subprime norte-americano de 2008 e à destruição da ordem social demoliberal que conhecíamos desde a II Guerra Mundial, à falência do Estado-Providência e ao colapso dos direitos sociais, bem como a uma regressão civilizacional de matriz dickensoniana, pelo efeito conjugado da extrema desvalorização da produção, do trabalho e das condições de existência da esmagadora maioria das pessoas e de uma hipervalorização da especulação financeira e da ganância exploradora de uns poucos, com a exponenciação obscena dos lucros e um brutal aprofundamento das desigualdades sociais daí decorrentes. Chegamos a um ponto em que a crença iluminista no progresso da humanidade acabou e em que nos limitamos a correr atrás do prejuízo, com a pungente certeza de que as gerações vindouras viverão pior do que aquelas que vão (sobre)vivendo nas atuais circunstâncias. Haverá pior cenário do que este?

A nível nacional confrontamo-nos com o interstício na democracia (na ausência de eleições) do governo populista e irresponsável de Santana Lopes, despudoradamente apadrinhado por Jorge Sampaio após a deserção de Durão Barroso para Bruxelas, e o longo consulado socratista que tão dramáticas consequências teve para o país. Implantava-se em Portugal uma versão retardada da famigerada “terceira via”, abrindo-se o caminho para a ofensiva neoliberal protagonizada por Passos Coelho. Apenas mudou o estilo e o grau. Se, para José Sócrates, as pessoas eram um enorme incómodo, para Passos Coelho elas são, pura e simplesmente, descartáveis. Só isso pode explicar a espantosa afirmação do líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, segundo o qual “A vida das pessoas não está melhor, mas o país está muito melhor”, como se um país não fosse os seus habitantes, como se a proclamada melhoria do país não tivesse obrigatoriamente que se refletir no bem-estar comum, como se houvesse outros portugueses a ter em consideração (afinal quem é que está melhor?), enfim, como se alguém estivesse a beneficiar de tudo isto! Com uma dívida pública a rondar os 130% do PIB (em 1999 não chegava aos 50%), que obriga a uma despesa anual com juros da ordem dos 7 mil milhões de euros – tanto quanto o orçamento da saúde ou da educação em Portugal –, com uma taxa de desemprego acima dos 16% (quando, no início do século XXI, era de pouco mais de 4%), com um défice orçamental, segundo consta, de 4% (quando, naquela época, era de 2,9%), com uma contração acumulada do PIB português, desde 2011, de 6,3%, com uma taxa de emigração a ultrapassar o recorde de 1966, estamos, concretamente, a falar de quê? Já agora, convém lembrar que, neste momento, o patamar da dívida pública se situa acima do pico histórico da bancarrota de 1892, que foi de 124%. Perante estes dados, o discurso da “responsabilidade” e a exaltação dos partidos do designado “arco da governabilidade” (PS/PSD/CDS) não poderão deixar de cair por terra. É que, como diz Viriato Soromenho-Marques, “Sem verdade e lucidez, a propaganda continuará a ser o maior inimigo da esperança.” (Visão, 30 de janeiro de 2014).

Por isso, alguns reclamam mesmo a guilhotina de Robespierre. Numa crónica do Financial Times de 16 de janeiro de 2014, afirma-se o seguinte: “É tempo de reconhecer a nossa derrota. Os banqueiros safaram-se. Eles frustraram os assaltos dos dirigentes políticos, dos reguladores e dos cidadãos em fúria, para a seguir se erguerem, indemnes, das ruínas fumegantes do grande crash de 2008. Alguns de nós pensámos que um choque desta dimensão podia contribuir para mudar as coisas: que parvos! (…) Países inteiros e empresas declararam falência. Chefes de Estado foram varridos como lixo e, por todo o mundo, trabalhadores perderam o seu emprego. Estamos todos um pouco mais pobres do que poderíamos estar. Mas em Wall Street e na City de Londres tudo continua como dantes, como se nada tivesse acontecido. (…) Nem o seu poder [dos banqueiros], nem o seu património foi afectado pela crise. Dou por mim a pensar onde andará a guilhotina de Robespierre.” (Le Monde Diplomatique, ed. portuguesa, fevereiro de 2014). Pensemos, por um momento, que as oitenta e cinco pessoas mais ricas do planeta possuem 1 bilião de libras esterlinas, tanto quanto detêm as 3,5 milhões de pessoas (cerca de metade dos habitantes do nosso planeta) mais pobres do mundo, segundo dados da ONG Oxfam sobre as desigualdades no mundo, divulgadas nas vésperas do Fórum Económico Mundial realizado em Davos em janeiro último (Le Monde Diplomatique, ed. portuguesa, fevereiro de 2014).

            O Albardeiro faz dez anos. Só temos a força das palavras, é certo. Mas como dizia o filósofo e líder da resistência francesa durante a 2ª Guerra Mundial, Jacques Ellul, “La parole parle… donc en somme il se passe quelque chose”. Assim sendo, venham mais dez!

 

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 13:41
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds