Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Domingo, 1 de Fevereiro de 2015
ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS

Erigido em pensamento único, o neoliberalismo aceita mal o diferente e mais ainda o divergente. Seguindo a velha máxima de outros totalitarismos de que “quem não está connosco está contra nós”, remete a política (precisamente no sentido clássico que lhe deu a Grécia Antiga, já lá vão mais de três mil anos, de governo da polis) para o “caixote do lixo da história”, escudando as suas opções programáticas e ideológicas numa falsa tecnicidade económico-financeira. Governando os países a partir de folhas de cálculo, as decisões aparecem como indiscutíveis e inevitáveis, descartando todas as alternativas e reduzindo o universo das possibilidades (a política assume-se, como se sabe, como a arte do possível) ao horizonte limitado dos interesses de fação. Tudo o resto é apodado de leviano e irresponsável.


Ao elegerem o Syryza, os gregos deram uma lição de democracia (também no sentido clássico de “poder do povo”) a uma Europa imersa na doxa neoliberal. As eleições do passado dia 25 de janeiro foram uma autêntica “pedrada no charco” nas águas turvas e lamacentas de uma União Europeia moribunda e enfeudada à lógica predatória da maximização dos lucros privados à custa da exploração despudorada dos seus cidadãos, lógica que apenas tem levado a um brutal aumento das desigualdades e das injustiças sociais. Apesar de todo o tipo de manobras e chantagens feitas sobre os eleitores gregos, estes mantiveram-se firmes e demonstraram uma dignidade de que poucos se poderão gabar (basta ver a reação das autoridades portuguesas). A Grécia não se encontra apenas numa grave crise económica, está num estado de verdadeira catástrofe humanitária. O desemprego atinge 25% da população ativa (65% entre os jovens), pagam-se salários de 350 euros (em 2010 o salário mínimo era de 750), o subsídio de desemprego dura apenas 3 meses (após o que também se perde o acesso aos cuidados públicos de saúde, bem como a outros apoios sociais), a pobreza anda perto dos 40% da população, o PIB caiu 25% e a dívida externa continua a crescer, situando-se nos 177% do PIB grego. Perante este cenário de emergência nacional, o Syryza tomou uma posição perfeitamente sensata e responsável: rejeitar a continuação da espiral austeritária imposta pelos agiotas internacionais e restantes parceiros europeus e tentar salvar os próprios gregos do abismo, procurando revitalizar a economia nacional. Alguém poderá contestar a justeza deste objetivo?


Recorde-se que do montante total da dívida grega, que ascende a 307 mil milhões de euros, apenas 53 mil milhões são devidos aos mercados, sendo o restante de entidades institucionais, sobretudo europeias (a parte do FMI não ultrapassa os 32 mil milhões) e, portanto, suscetíveis de negociação e de revisão das políticas até agora dominantes na União Europeia. Por exemplo, na reforma do Tratado Orçamental e na redefinição do papel orçamental (e não só monetário) do BCE no sentido daquilo que fez o Governo dos EUA que, usando os recursos financeiros da Reserva Federal, conseguiu recuperar a economia americana e ultrapassar a recessão.


Para Viriato Soromenho-Marques a atual construção europeia tem sobretudo que responder a uma questão fundamental: “por que razão, depois de cinco anos de austeridade, a dívida pública continua a aumentar nos países intervencionados, e a deflação se estende como um manto gelado por toda a Europa?” (Visão, 29/1/2015). Percebe-se que o atual estado de coisas mais não é do que um mecanismo de poder induzido pelo pensamento hegemónico que, através da desorganização dos aparelhos produtivos nacionais, da destruição dos direitos civilizacionais que a Europa persegue desde há duzentos anos e do incremento da anomia social e do desespero individual, tem em vista a extorsão de mais-valias que apenas beneficiam a lógica especulativa dos grandes grupos financeiros e condenam ad eternum os países devedores a uma situação de miséria e subserviência. Para quê manter esta situação, ou melhor, para benefício de quem? É que, pela lógica das coisas, todo o credor deveria estar interessado em que o devedor tenha condições para fazer face aos seus compromissos e não seja asfixiado por constrangimentos que agravam constantemente a sua situação e impedem o pagamento da dívida. Por isso, sejamos claros; não é o retorno financeiro que se busca, mas a sujeição a lógicas de exploração extremas e à consequente subordinação aos poderes fáticos da ortodoxia neoliberal.


Quando Passos Coelho declara aos jornalistas, na Universidade Católica de Lisboa, logo no dia seguinte às eleições na Grécia, que era um “conto de crianças” a ideia de que “é possível que um país, por exemplo, não queira assumir os seus compromissos, não pagar as suas dívidas, querer aumentar os salários, baixar os impostos e ainda ter a obrigação de, nos seus parceiros, garantir o financiamento sem contrapartidas”, mais não faz do que perpetuar o enorme engodo da atual ordem europeia, colocando-se simultaneamente no reverente papel do bom aluno dos poderes instituídos. Pelo contrário, só alguém que vive numa espécie de País das Maravilhas, como o nosso primeiro-ministro, pode acreditar que Portugal está isento de problemas idênticos aos da Grécia e não caminha a passos largos para algo semelhante ao colapso grego. A perceção desta realidade é, aliás, crescente na sociedade portuguesa. Até o insuspeitíssimo Luís Amado escreveu, na sua habitual crónica na revista Visão (29/1/2015), que “No deserto político em que a Europa se transformou, asfixiada pela burocracia e pelo medo, Tsipras [líder do Syriza e atual chefe do Governo grego] é, sem dúvida, uma figura inspiradora, um líder carismático que exibe coragem, energia e ambição”.


Em 2009, 1% dos gregos detinha 48,6% da riqueza nacional; em 2014, segundo o inquérito anual do banco Crédit Suisse, esse grupo de privilegiados era já detentor de 56% do património grego. Isto é o que verdadeiramente está em jogo. Será responsável manter esta situação?

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 23:10
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds