Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sábado, 21 de Fevereiro de 2009
A LATA

O inefável Pedro Norton, na sua habitual crónica na revista Visão, começa por nos alertar para as consequências da crise económica por que passamos, dizendo que “ninguém duvida que seremos forçados a mudar, estruturalmente, de hábitos e de estilo de vida.” (Visão, 12/2/09). Esta promissora afirmação, reveladora de uma sensatez e de uma sensibilidade social surpreendentes na personagem em questão, culmina no apelo de que é “chegada a altura de pensar na política.” Não podíamos estar mais de acordo. Mais adiante, diz mesmo “Porque será política a próxima crise. Porque está criado um caldo explosivo para fazer da política o cenário do próximo terramoto.” Isto promete, pensamos. Mas eis senão quando, umas linhas abaixo, Pedro Norton nos brinda com a pérola, “Falo de uma crise da própria Democracia e dos valores Liberais (digo bem: Liberais) [sic] que a sustentam.”, para logo a seguir desferir a estocada final: “Precisamos, mais do que nunca, de cuidar dos valores liberais que são, há mais de 20 anos, o sustentáculo da democracia e da civilização ocidental.” Bem… Relevando uma referência cronológica no mínimo estranha e conceitos mais do que discutíveis, e mesmo passando por alto a proposição “E não falo apenas «da rua» e do aumento do descontentamento dos contribuintes, do desespero dos desempregados, da angústia dos que não conseguem projectar o amanhã.” – minudências, está bem de ver! – o nosso autor introduz-nos no âmago da verdadeira perplexidade que aflige actualmente os pensadores do sistema. Não está, aliás, sozinho nesta demanda. O editorialista do Público, Paulo Ferreira, embora reconhecendo o falhanço dos mecanismos de controlo do mundo empresarial, não deixa de sublinhar que “compete ao Estado suprir esta dramática falha no mercado. Contra o mercado? Não. Para defender o mercado daquela que é hoje a principal ameaça: os seus próprios excessos.” (Público, 12/2/09). É preciso ter lata!


Ficamos assim a saber que, perante o evidente colapso da actual ordem das coisas, enquanto uns assobiam para o lado e esperam que a crise passe, outros consideram que a melhor defesa é o ataque. O mal não está neste modelo económico e social neo-liberal, mas apenas nos seus excessos, por via da irresponsabilidade, ganância ou incompetência de alguns agentes empresariais. Arranjando-se meia dúzia de bodes-expiatórios, resolve-se o problema… pelo menos o problema de consciência. Resistindo à realidade, alguns militantes da causa, como o dirigente liberal francês Alain Madelin, não hesitam em afirmar “Deixem os liberais de fora desta crise; não se trata de uma derrota das teorias liberais, nem sequer dos mecanismos liberais” (Le Monde Diplomatique, 6/2/09). Por seu lado, o economista e historiador Nicolas Baverez insiste que “O liberalismo não é portanto a causa, mas a solução para a crise do capitalismo globalizado” (ibidem). Há mesmo quem culpe o Estado pelo facto de não ter sido suficientemente liberal, empurrando, por via de sucessivas regulamentações monetárias e cambiais, os inocentes empresários e especuladores financeiros para a bancarrota. Ficamos pasmados com tanta clarividência!


Relegando a actual situação económica e financeira para a esfera da regulação normal dos próprios mercados e considerando as crises como um mecanismo periódico de purificação do sistema capitalista, estes autores esquecem o colapso generalizado dos sistemas financeiros nacionais e internacionais, a quebra sem precedentes do comércio mundial, a espiral generalizada de falências e desemprego e a necessidade de intervenções maciças dos Estados para tentar salvar as economias. Todos estes factores ultrapassam em muito o âmbito da “mão invisível” do mercado. Poderá não ser a crise fatal do capitalismo. Mas que terá que haver uma redefinição das regras do jogo, parece-me uma evidência. Dificilmente bastará brandir o habitual fantasma dos aproveitamentos esquerdistas ou de supostas derivas demagógicas esperando-se, sobretudo, que tudo continue na mesma.


Aquilo que o próprio presidente da Reserva Federal Americana, Alen Greenspan, designou por “exuberância irracional dos mercados” (Le Monde Diplomatique, 6/2/09), é o resultado premeditado das políticas neo-liberais estabelecidas pelo chamado “consenso de Washington” que, desde os anos 80 do século passado até aos nossos dias, muito claramente defenderam a liberalização total do comércio mundial, o desmantelamento do sector empresarial do Estado, a financeirização da economia e a desregulamentação do mercado de trabalho. Basta recordar os consulados de Ronald Reagan ou Margaret Thatcher, bem como os mais recentes de George W. Bush e Tony Blair ou, no caso do nosso país, de Cavaco Silva a José Sócrates.


Então não são precisamente os invocados “valores liberais” que incitam ao individualismo extremo e ao egoísmo primário, ao êxito social a qualquer preço, rejeitando a mínima cooperação e solidariedade entre as pessoas e fazendo a apologia constante do direito do mais forte, mesmo que esse direito ponha em causa a dignidade de todos os outros, que explicam o ponto a que se chegou? Não foram precisamente as teses da liberalíssima Escola de Chicago e do seu mais lídimo representante, o Prémio Nobel da Economia em 1976, Milton Friedman – ensaiadas no Chile de Augusto Pinochet – que estiveram na origem da actual situação? Não é com base nesses mesmos “valores” que se assiste a uma crescente monetarização de todos os aspectos da vida pessoal e social e ao carácter verdadeiramente predatório e desumano de um sistema assente no desequilíbrio abissal entre as remunerações do trabalho e do capital, com a maximização desmesurada dos lucros por contraste com a absoluta precarização do emprego e o drástico decréscimo dos rendimentos da generalidade da população, fazendo aumentar exponencialmente as injustiças sociais? Não tem sido através das mais mesquinhas “engenharias financeiras”, da proliferação das offshores, da socialização das perdas e privatização dos lucros, dos crescentes investimentos especulativos e da indução do sobreendividamento, que assistimos à implementação dos princípios canónicos da liberalização, flexibilização, desregulamentação e globalização? Não é precisamente esta escalada de disrupção social e económica, associada aos fenómenos cada vez mais acentuados da corrupção e das fraudes à escala planetária, que corporiza a passagem de um estado de welfare para o warfare?


É que, como diz o insuspeito Paulo Ferreira, num editorial do Público, “Uma das causas principais desta crise financeira está nos pacotes salariais dos gestores dos bancos. Porque uma coisa é a prática saudável de premiar o mérito e remunerar em função dos resultados. Outra, bem diferente, é a autêntica pornografia a que se chegou.” (12/2/09). Pois é. Parafraseando o título da crónica de Pedro Norton, “É a política, estúpido!”


Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 11:01
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Janeiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

FAZER DE CONTA

DE QUE FALAMOS?

arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds