Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Quarta-feira, 4 de Março de 2009
OFENSAS

Ficou tristemente célebre, durante o fascismo, o grito ritual “Quem manda? Quem manda? Quem manda? Salazar! Salazar! Salazar!” Afirmava-se, desta forma, não só um poder absoluto, como uma visão fulanizada da política, em que o ditador era representado como um pater famílias, na mais perfeita tradição judaico-cristã, com a missão de preservar o que se designava por “viver habitualmente”. Só Salazar sabia o que era melhor para os portugueses e, por essa vigilância e orientação, estes deviam-lhe eterna gratidão. O Chefe apresentava-se como infalível e omnisciente. Por isso, o poder exigia obediência total à população e a divergência política era vista como desrespeito, na melhor das hipóteses, ou delinquência, na pior. Esta última atitude implicava o respectivo castigo que, consoante a gravidade da prevaricação, podia ir de uns “safanões dados a tempo” ao puro e simples assassinato. Em qualquer das situações, a dissensão era vista como uma intolerável afronta a um suposto Pai que velava pelo bem-estar de todos. A divergência era não só insuportável – e, acreditava-se, fruto do mais acabado desvario – como incompreensível, dada a evidente dedicação e altruísmo com que o poder era exercido. Salazar tinha “casado com a Pátria”. E a Pátria tinha obrigação de lhe agradecer. Seria uma gravíssima ofensa não demonstrar semelhante gratidão. Abandonava-se, assim, a esfera política e tudo se resumia ao âmbito pessoal.


Também Sócrates se sente ofendido. Desde que o caso Freeport reapareceu, que Sócrates se considera insultado e difamado. Tal como já tinha acontecido por causa da sua carreira académica ou das suas obras de engenharia. Não consegue discernir que, em todas estas situações, estão em causa questões públicas, com figuras públicas, no âmbito de funções públicas. Questões políticas, portanto. Para Sócrates não. Tratam-se de calúnias veiculadas por aquilo que designou “campanha negra” seguindo “as técnicas habituais da deturpação e insídia”, em que todos estão envolvidos até prova em contrário, invertendo mesmo o ónus da prova e pondo em causa o princípio básico do Estado de direito do in dubio pro reo. Até a campanha política da JSD, com a afixação do cartaz “Pinócrates”, que pretende denunciar as falsas promessas do Governo PS, foi considerada um insulto pessoal e não uma contestação política. Como justamente diz Pacheco Pereira, invocando o mito platónico relativamente ao diligente Augusto Santos Silva, “Estamos na caverna, obviamente, de costas para o conhecimento e virados para a propaganda.” (Público, 19/2/09).


Sabemos, assim, que para Sócrates, “quem não está connosco está contra nós”, como dizia o velho “Botas”. A diferença é que aquele tinha o aparelho repressivo necessário para eliminar a dissidência. Este apenas pode recorrer – democracia oblige – ao abafamento da contestação e à ostracização sistemática dos seus autores. Salazar suprimia, Sócrates exclui. Mas é semelhante a arrogância e prepotência da governação, a autosuficiência de ambos e o seu profundo desdém face às opiniões adversas. O primeiro seguia o figurino fascista; o segundo o padrão autoritário. A crença é, no entanto, similar. Perante um Governo que supostamente tão bem cuida dos interesses do país, só pessoas muito mal intencionadas podem contestar as políticas seguidas. São pessoas que, basicamente, estão contra as pessoas. As políticas do Governo não são passíveis de contestação pelo simples facto de que Sócrates não erra e sabe sempre o que é melhor para todos. Por isso manda e manda sempre bem. Por isso despreza os partidos da oposição. Por isso lhe é indiferente a contestação de um número crescente de portugueses ou mesmo de sectores profissionais inteiros, numa unanimidade surpreendente e nunca antes vista. Por isso faz da arrogância e do autismo um método permanente de actuação política. E por isso se ofende, tal como Salazar, quando alguém põe em causa os seus mandamentos. Com aquele a História já ajustou contas. Quanto a este, há uma árdua batalha a travar, em defesa da dignidade e da democracia.


Com efeito, o actual Governo destrói a liberdade, impede o diálogo, obriga a calar e obedecer. É assim, de resto, dentro do próprio PS, quando alguns militantes denunciam o clima de medo e intimidação existentes. Quando se sente contestado, Sócrates não discute propostas, ofende. Veja-se a desconsideração reiterada com que agride pessoalmente os seus adversários políticos e o permanente uso de argumentos ad hominem. Vejam-se os comentários grosseiros sobre – imagine-se! – a maneira de falar de alguns deputados, como aconteceu recentemente, com Francisco Louçã, num debate na Assembleia da República. Sócrates apenas se preocupou em ironizar a ênfase que este deputado colocou no tom de voz quando se referiu aos Bancos, esquecendo-se, porém, de justificar a política de favorecimento do sistema bancário seguida por este Governo e a sua responsabilidade na actual situação económica e social. Vejam-se as injúrias lançadas no recente Congresso do PS, em Espinho, contra pessoas e partidos da oposição, apelidando-os de “irresponsáveis”, “parasitas” ou “cobardes”, precisamente por aqueles que se dizem vítimas “da infâmia, da calúnia e do insulto”.


Sócrates ofende na arrogância e na brutalidade do mando, ofende na intolerância, ofende na indignidade com que trata indivíduos e instituições que o contestam. Sócrates não admite outras opiniões e esmaga a diferença. Compreendem-se, por isso, as palavras de Vitorino Magalhães Godinho: “Não temos democracia em Portugal, isso é fantasia. [Temos] um Estado corporativo como Salazar sonhou e nunca conseguiu.” (Diário de Notícias, 27/2/09).


Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 18:59
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds