Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Quarta-feira, 30 de Setembro de 2009
PORTUGAL CONTEMPORÂNEO

Sobre o Sr. Professor e os seus pupilos!!


A direita indígena, sobretudo a do PSD, e as desventuras do Presidente da República, o cidadão Aníbal Cavaco Silva. Ao longo de vinte e cinco anos de humilhante sujeição, durante os quais, com raríssimas excepções, não deu um pio para questionar o líder incontestável, essa direita do PSD rastejou aos pés de Cavaco, subjugou-se a Cavaco, não deu um passo sem antes perscrutar as palavras de S. Ex.ª, os silêncios de S. Ex.ª, os recados de S. Ex.ª, os esgares e os trejeitos de S. Ex.ª, para lhe tentar adivinhar as vontades e as intenções. Quando S. Ex.ª anunciou a retirada da vida política, lá para os idos de 1995, logo um coro de lamentações se ergueu. No momento imediato, todos, mas todos sem excepção, eram filhos e herdeiros de Cavaco, sugerindo intimidade com S. Ex.ª, e garantindo fidelidade aos princípios, ao pensamento e à acção de S. Ex.ª. Quando a Excelência se remeteu a um longo silêncio sobre o seu futuro político (que negava peremptoriamente poder existir), todos proclamaram em vozes circunspectas e em tom de surdina – para não sobressaltar S. Ex.ª – que ninguém – ninguém! – tinha autoridade ou legitimidade para exigir a S. Ex.ª que despertasse da letargia a que humanamente se dedicara. O tempo era de S. Ex.ª, e tudo que a pudesse importunar não seria admissível. Quando S. Ex.ª anunciou a parábola política da “moeda boa e da moeda má”, logo os inúmeros admiradores venerandos de S. Ex.ª exultaram de gozo e rejubilaram de prazer. S. Ex.ª estava viva e atenta, e pusera na devida ordem alguns seres inferiores que não lhe tinham o amor e a devoção necessários à contemplação da sua magnificência. Mas, o orgasmo total, o prazer máximo e absoluto, o delírio, o êxtase, o Nirvana chegaram – finalmente – num dia de nevoeiro, quando S. Ex.ª anunciou no Mausoléu de Belém, que anos antes mandara erguer para perpetuar a sua Glória, que regressaria ao convívio dos simples e mortais. Regressou em ombros, em apoteose, em triunfo, sobre um tapete rastejante de admiradores, discípulos e servos esperançados. S. Ex.ª vinha pôr isto na ordem!


Agora, S. Ex.ª parece outro. Já não tem aquela afirmação e autoridade que antes todos lhe viam e temiam. Já não manda, nem comanda. E há mesmo quem lhe falte ao respeito e que garanta que ele é, como Sócrates, humano, logo, mortal. Como Sócrates, o outro, claro, não o nosso que está a um pequeno passo de comprovar a sua imortalidade política, própria de uma nova e irresistível Excelência. Cavaco já sai depreciativamente nas primeiras páginas dos jornais, logo ele, que antigamente nem os lia, e faz até comunicações ao povo para os comentar, como um vulgar comentador político. Como se o povo estivesse interessado no que diz, que não fosse para o desdizer. O Cavaquencis Excelentissimus já era, e a direita do PSD tem que lhe arrear, arrear tão ou mais forte, se possível, do que a concorrência. Ao fim de vinte e cinco anos de humilhante sujeição, tem que demonstrar que tem vida própria e que não depende dele para nada. Que ele até lhe é prejudicial e que, se calhar, as eleições foram perdidas pela sua nefasta influência, já que o partido, o PÊÉSSEDÊ, não teve nisso qualquer responsabilidade. Em contrapartida, há quem ache conveniente não o apoiar nas próximas eleições presidenciais. Se bem que o melhor, o que era mesmo conveniente,caso o homem tivesse um lampejo de lucidez, seria nem se candidatar, ir-se embora, emigrar para o Pulo do Lobo, e quanto mais depressa melhor. Esta direita sensata repele e incomoda. É um nojo.


PORTUGAL CONTEMPORÂNEO: diário de um país visto à distãncia



publicado por albardeiro às 17:21
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds