Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Segunda-feira, 9 de Julho de 2012
POLÍTICA

Que aos governantes ou políticos em geral não se exija formação superior parece-me do mais elementar bom senso. Mas que se deve exigir honestidade na declaração de habilitações literárias também me parece evidente. Não pelo estatuto social que estas possam conferir, mas precisamente pela assunção da transparência e lisura de procedimentos em todas as circunstâncias da vida pública. De qualquer forma, bem mais grave é a postura de instituições universitárias que apadrinham formações espúrias, reconhecendo habilitações nulas e creditando academicamente competências inexistentes. Mais uma vez é a questão da honestidade e lisura de procedimentos que está em causa. Mas, neste caso, acrescida da ignorância científica, o que, tratando-se de uma universidade, é coisa inaceitável.

A que propósito a atividade política pode merecer créditos científicos, ainda que seja num curso de ciência política? É que qualquer conhecimento científico exige um afastamento prudente face ao objeto de investigação, bem como um estudo aturado, condições que a mera ação política está longe de poder assegurar, desde logo pela falta da intenção e disposição que tal empreendimento implica. Podemos mesmo considerar que a participação ativa na contenda política inviabiliza, em larga medida, o tempo e distanciamento epistemológico necessários à reflexão sobre essa prática. Sendo a política o objeto de estudo da ciência política, dificilmente aquela poderá induzir, sem outros desideratos, a produção de conhecimento científico. Apenas alguns indivíduos particularmente dotados o conseguiram fazer, o que está longe de constituir regra para o comum dos mortais. Aliás, a própria etimologia latina scientia significa precisamente um conhecimento adquirido através do estudo.

E o que é, afinal, a ciência política? Por mais variados que sejam os seus enfoques, é o resultado de uma coerência lógica e provada na aportação de dados e interpretações, através de uma definição clara de conceitos e enunciados sobre a dimensão política das sociedades e a elucidação das ideias e mecanismos conducentes às escolhas individuais e coletivas que são tomadas para o seu governo comum. Na definição de um manual clássico sobre a matéria, “A política é uma atividade generalizada que tem lugar em todos os âmbitos em que os seres humanos se ocupam em produzir e reproduzir as suas vidas. Esta atividade pode implicar tanto enfrentamento como cooperação, de maneira que os problemas se apresentam e resolvem através de decisões tomadas coletivamente. A ciência política é uma disciplina académica que pretende descrever, analisar e explicar de forma sistemática esta tomada de decisões, assim como os valores e pontos de vista que lhes estão subjacentes.” [tradução minha] (Marsh, David; Stoker, Gerry, eds., Theory and Methods in Political Science, New York, Macmillan, 1955). Qualquer estudante do primeiro ano do curso de ciência política sabe do que estou a falar.

O que surpreende (ou talvez não!) é que tudo isto devia ser do conhecimento da universidade em causa. Não o sendo, dificilmente esse estabelecimento de ensino poderá continuar a ostentar semelhante estatuto académico. Havendo outros interesses inconfessáveis em jogo, então configura-se uma situação de compadrio ou mesmo de fraude e aí entramos no âmbito da investigação criminal. De qualquer maneira, nada disto tem a ver com ciência… mas tão só com determinado estilo de fazer política.

 

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 23:59
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Março 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


posts recentes

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

arquivos

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds