Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Terça-feira, 1 de Maio de 2012
SERVIDÃO VOLUNTÁRIA

Quando Étienne de La Boetie escreveu o Discurso sobre aServidão Voluntária em meados do século XVI, queria denunciar o que aparentava ser um terrível paradoxo: o sacrifício voluntário da liberdade individual. Questionava-se o filósofo e humanista francês sobre as razões que levariam povos inteiros a submeter-se aos ditames de uns poucos governantes que tiranicamente impunham a sua vontade. A resposta encontrada demonstra a sua profunda repulsa perante todas as formas de opressão; com efeito, para La Boétie, são os próprios Homens que fomentam a sujeição que lhes é imposta porque se deixam dominar, outorgando a alguns um poder que devia ser seu. Uma perversa sensação de tranquilidade, induzida mais pelo hábito do que pela coação, faz com que aquilo que não deveria passar de um estado de exceção – bastava que as populações se rebelassem – se torne regra universal e seja acatada sem conflitos assinaláveis. Da sua reflexão decorreram conclusões perenes para a história do pensamento político, como a irracionalidade da servidão, a proclamação da liberdade e igualdade cívicas e, sobretudo, a ilegitimidade de qualquer poder absoluto. Ressoam, pois, as palavras de La Boétie: “São os povos, portanto, que se deixam, ou melhor, se fazem manietar, pois quebrariam seus laços recusando-se apenas a servir. É o povo que se sujeita e se degola; que, podendo escolher entre ser súbdito ou ser livre, rejeita a liberdade e aceita o jugo, que consente seu mal, ou melhor, persegue-o.”

Da mesma forma, quando Paul Lafargue fez a apologia do Direito à Preguiça, em 1880, no semanário socialista L’Égalité, pretendeu denunciar a servidão do trabalho industrial, com o pesadíssimo lastro de esforço desumano, degradação e miséria a que estavam sujeitos os operários da época. Em vez do tão proclamado “direito ao trabalho”, o genro de Karl Marx avançava um utópico “direito à preguiça”, que se traduziria na construção de uma sociedade mais justa em que o usufruto do tempo livre permitiria o desenvolvimento individual e o gozo da verdadeira felicidade – “saborearem as alegrias terrenas, fazer amor e divertir-se”. À alienação produtivista, de que os únicos beneficiários acabavam por ser os capitalistas que obtinham lucros crescentes com a exploração da enorme massa de assalariados, Lafargue contrapunha o aperfeiçoamento das qualidades morais e capacidades intelectuais de cada um, que só o ócio poderia viabilizar. O dirigente revolucionário termina a sua longa exortação com o seguinte apelo: “Ó Preguiça, tem piedade da nossa longa miséria! Ó Preguiça, mãe das artes e das nobres virtudes, sê o bálsamo das angústias humanas!”

Tanto um como o outro dos autores considerados quiseram ver o outro lado das coisas, aquilo que não se sabe – ou que se não quer saber – mas que, em todos os tempos e lugares, condiciona sobremaneira as opções individuais e as escolhas públicas. Idêntico exercício fez o filósofo português José Gil quando dirigiu a edição comemorativa do 22º aniversário do jornal Público (5/3/2012), em que intentou colmatar o que designou por “vazio das não-notícias” (“Vivemos num país desconhecido”, afirma o filósofo). Nessa “sondagem imaginária”, questionava-se, por exemplo, o ego e a identidade dos portugueses, isto é, “a relação de adesão e pertença subjectiva a uma comunidade” e as energias libertadas (ou constrangidas) pela imagem que cada um tem de si e do país onde vive. Para José Gil, “Todo o discurso em Portugal sobre competitividade, produtividade, empreendedorismo depende de forças vitais e de afectividades. Para que haja coesão, esforço colectivo é preciso que se dê a possibilidade ao ego de se dissolver com entusiasmo num investimento que o ultrapasse e dê força à comunidade.” Questionava-se igualmente “a progressão da dinâmica da pobreza” e uma “verdadeira inventariação dos pobres”, empreendimento tanto mais ousado quanto a ausência de dados decorrerá necessariamente da estrutura não igualitária do nosso sistema sócio-político, baseada no axioma oficial de que “não pode existir uma sociedade sem pobres ou, pelo menos, sem desigualdade”, ao invés de um paradigma alternativo que postule que “a ausência de pobreza deve ser uma condição primeira da existência e da organização social democrática (como pode sobreviver uma sociedade de pobres?)”. Questionava-se ainda a opacidade da organização do Estado e da estrutura política, já que, com um sistema transparente, “o regime teria que ser subvertido porque implicaria uma mudança total da relação entre economia e política, da corrupção em Portugal, do sistema jurídico e do funcionamento político.”, tornando-se promotor de uma verdadeira democracia e sentido de Estado “sem que a função política fosse uma mais-valia de poder.” Ou a ausência de dados fiáveis acerca do que é e como funciona a justiça no nosso país. Ou a subestimação do número de mortes pelo deficiente funcionamento do sistema de saúde português. Ou a especificidade da profissão docente e a importância decisiva da relação professor-aluno na qualidade da educação. Ou a “cultura do medo” instalada – “Para quê ousar afirmar os seus direitos, se todo o sistema entrava a acção?”

Esta tentativa de apresentar uma espécie de “avesso do estado da nação” é-nos dado por uma série de perguntas incómodas que ficaram sem resposta e das quais destacamos algumas: Quantos portugueses vivem ativamente a solidariedade social? Quantos se sentem parte integrante de uma comunidade nacional pela força coletiva que ela lhes transmite? Em que medida o conhecimento da História de Portugal desde o 25 de Abril contribuiu para o seu sentimento de ser português? Prefere admirar ou ser admirado? Gosta mais de si ou da imagem que os outros lhe reenviam de si? Sente-se mais, menos ou tão português agora do que antes da entrada de Portugal na Comunidade Europeia? Gosta mais de si por ser português? Quantos políticos se preocupam com a pobreza? Quantos portugueses tiveram que cortar na alimentação porque o orçamento familiar não chega para pagar as despesas? Quantas crianças não comem quatro refeições diárias? Quantos novos critérios deveriam ser acrescentados à atual definição oficial de pobreza? Quantos deputados usaram informação secreta em benefício próprio? Quantos portugueses se sentem representados pelos deputados? Quantos documentos estão em segredo de Estado? E que documentos? Quantos detentores de cargos públicos tentaram manipular jornalistas na democracia? Quantos políticos têm negócios em offshores? Quantos ministros foram ocupar cargos de chefia em grandes empresas depois de abandonarem o governo? Qual a percentagem de portugueses que subornaria alguém? Quanto custa em média ao Estado um julgamento de um pequeno delito? Quanto tempo demora a ser julgado? Quantos políticos condenáveis por tráfico de influências, corrupção e peculato foram realmente investigados? Quantos foram condenados? Quantas mulheres foram sexualmente abusadas ao longo da vida? Quantos pedófilos foram condenados? Quantas pessoas vão morrer até ao fim deste ano por não terem acesso aos tratamentos adequados? Quantos portugueses morrem por não serem atendidos a tempo? Até que ponto em Portugal as taxas de mortalidade variam em função das diferenças sociais? Quantas pessoas vivem mal por ignorarem que o seu problema é do foro psiquiátrico? Quantos portugueses tomam antidepressivos e ansiolíticos? Quantas mortes por suicídio se devem à depressão? Quantos crimes não chegam a ser denunciados porque as vítimas não acreditam na justiça ou têm medo dos agressores? Quais as competências fundamentais que a escola ignora quando avalia os alunos? Quanto é que os alunos realmente aprendem das matérias que lhes são ensinadas? Que peso tem a relação aluno-professor na definição das políticas educativas? Quantas horas os responsáveis estimam necessárias para os professores prepararem as lições? Que consciência têm os responsáveis pelas políticas educativas da especificidade da profissão docente? Quantos alunos desistem do ensino superior por razões económicas? Quantos portugueses não têm medo: da autoridade? Do Estado? Dos políticos? De perder o emprego? De arriscar? De assumir responsabilidades?

O objetivo destas interrogações – e muitas outras, seguramente, poderiam ser consideradas – é o de abrir linhas de fuga, incitar a pensar de forma diferente, desencadear o que o autor caracteriza como “poderosas forças de criação”. Para José Gil, sobretudo, “Não estamos condenados ao que julgamos que nos condenaram. Só assim poderemos conceber reformas radicais que libertem as energias e mudem o país.”

 

Hugo Fernandez

 



publicado por albardeiro às 20:41
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

ESTADO DA QUESTÃO

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds