Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sábado, 17 de Setembro de 2011
“E NÃO SE PODE EXTERMINÁ-LOS?”

O nosso país costuma sobressair pelos piores motivos. No entanto, no que se refere aos transplantes de órgãos vitais, esse não é o caso. Com efeito, Portugal assume uma posição de destaque a nível mundial, chegando a liderar nas transplantações de fígado e de rim ex aequo com países como os E.U.A. Todos nos devíamos orgulhar disso. Porém, nem todos compartilham esse sentimento.

Por incrível que isso possa parecer é a própria tutela da Saúde, pela mão do ministro Paulo Macedo, que reprova tal performance e, a pretexto da redução de custos, pretende travar esta dinâmica de sucesso. A razão, enunciada em entrevista televisiva à TVI no passado dia um de setembro, surpreende pelo assombro: “é preciso perceber se o País pode sustentar o atual número de transplantes”. Tal afirmação, especialmente vinda de quem vem, é de uma enorme gravidade. Antes de mais pela mesquinhez da linguagem contabilística utilizada, quando estamos a falar de salvar vidas humanas. Não se trata de luxos, nem de mordomias ou futilidades. Trata-se de doentes que, sem este tratamento, terão uma qualidade de vida miserável e, a breve prazo, estarão condenados a morrer. Parece, por outro lado, evidente que, no domínio da saúde, a maior poupança que um país pode fazer é conseguir manter os seus cidadãos saudáveis. Como disse Fernando Macário, presidente da Sociedade Portuguesa de Transplantação, “O transplante não é uma despesa, mas um investimento na vida e na qualidade de vida.” (Visão, 8/9/11). Trata-se, portanto, de uma questão básica de sociabilidade e de civilização.

Podemos, ainda assim (e mesmo contra as evidências) pensar que Paulo Macedo está apenas a intentar um esforço diligente na salvaguarda do Serviço Nacional de Saúde. Mas será esta verdadeiramente uma prioridade a considerar? Não haverá muitas outras situações no SNS onde, sem prejuízo para os utentes, é possível minimizar custos? Ou será que toda esta área de intervenção é demasiado apetecível – dada a sua natureza vital – para continuar a ser assegurada, sem intuitos lucrativos, pelo Estado? É que, ao reduzir para metade o valor dos apoios para estas cirurgias (cujo pagamento, aliás, tem sido sucessivamente adiado), o Ministério da Saúde desresponsabiliza-se pela continuação, na quantidade e qualidade alcançadas, deste serviço, empurrando equipas médicas e doentes – aqueles que tenham rendimentos suficientes para isso, bem entendido – para o sector privado de saúde. As palavras de Fernando Macário não deixam, a este respeito, margem para dúvidas: “é preciso recompensar os profissionais que têm de manter uma enorme disponibilidade e um elevado grau de competências, sob pena de escaparem para os hospitais privados”. Tratar-se-á, afinal, de uma questão de discriminação social, o que não deixa de ser igualmente intolerável.

Na sequência das declarações de Paulo Macedo, os responsáveis máximos pela transplantação em Portugal apresentaram a sua demissão. Como alegou, na ocasião, João Pena, presidente demissionário da Autoridade para os Serviços de Sangue e Transplantação, “demiti-me porque não colaboro com uma pessoa que não tem respeito pela vida humana” (Expresso, 3/9/11), acrescentando, “não posso aceitar que o ministro seja indiferente à morte de pessoas em lista de espera”. E João Pena faz um apelo veemente: “Este senhor tem de ser posto fora; não pode estar a cuidar de doentes”.

Para José Sócrates as pessoas eram um enorme incómodo. Para o governo de Passos Coelho serão, pura e simplesmente, dispensáveis?

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 22:34
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Janeiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

FAZER DE CONTA

DE QUE FALAMOS?

arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds