Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sábado, 13 de Agosto de 2011
AFIRMAÇÕES

Há afirmações que, embora com pesos e propósitos diferentes, têm o dom de nos indignar. Infelizmente a escolha vai sendo vasta. Estes são apenas dois exemplos que recolhemos nos tempos mais recentes. Optamos por dividi-las em duas categorias, conforme as declarações em causa revelem ignorância ou desfaçatez. Senão, vejamos.

A primeira, publicada na revista Focus da última semana de julho, numa pequena peça intitulada “Fome na Somália”, comenta esta tragédia da seguinte forma: “Inacreditável como neste século XXI ainda ocorrem desastres humanitários, como a ajuda sempre chega tarde, como nunca se consegue prever o que vai suceder. Impensável que se deixe tanta gente a morrer.” E, no entanto, isto não só é pensável como, de facto…há milhares de pessoas a morrer de fome. O que é mais notável nesta afirmação é que candidamente se esquecem os efeitos espoliadores de um colonialismo secular, que se estenderam muito para além das respectivas independências nacionais, e do subdesenvolvimento endémico a que, desde então, estes países têm estado sujeitos. Esquece-se uma ordem mundial profundamente desigualitária e uma divisão internacional de recursos e de riquezas muitíssimo assimétrica, reservando para usufruto de alguns o que se retira à maior parte da humanidade. Esquece-se uma racionalidade económica globalizada que remete, de forma cruel, regiões inteiras – especialmente se forem desprovidas dos cobiçados hidrocarbonetos – para a condição daquilo que o antropólogo francês Marc Augé define como “não-lugares”. Na lógica da ordem neoliberal vigente, a Somália verdadeiramente não existe. Ou se existe, é apenas pelo incómodo que a pirataria marítima daí procedente causa no gigantesco fluxo do comércio mundial. Combate-se então o efeito, mas deixa-se incólume a causa.

É verdade que se deve lutar para que, em tais circunstâncias, a ajuda seja o mais pronta e eficaz possível. Mas estes desastres humanitários estão longe de ser “inacreditáveis” neste século XXI e, à semelhança do que aconteceu num passado recente (a Somália viveu uma situação idêntica em 1991-1992 – tendo então morrido perto do meio milhão de pessoas –, tal como sucedeu na Etiópia em 1999-2000 e 2005-2006, no Quénia em 2000-2001 ou no Sudão em 1998), suceder-se-ão a um ritmo cada vez mais acelerado e serão cada vez mais generalizados. Porque, verdadeiramente, não há interesse em evitá-los. O pedido de ajuda financeira na ordem dos 1100 milhões de euros (1600 milhões de dólares) para o Programa Alimentar Mundial dirigido pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, aos líderes mundiais é um sinal inequívoco desta indiferença. Basta pensarmos que o orçamento anual da União Europeia se eleva a cerca de 134 mil milhões de euros – um montante impressionante em termos absolutos, mas que representa apenas 1% da riqueza económica criada anualmente pelos países europeus – ou que o orçamento anual ordinário do Departamento de Defesa dos Estados Unidos da América (sem contar com as generosas dotações do Congresso, em caso de conflito militar, que multiplicam exponencialmente este valor) atinge os 425 mil milhões de dólares ou ainda que a capitalização bolsista de cada uma das duas mais valiosas empresas do mundo – a Exxon-Mobil e a Apple – supera os 300 mil milhões de dólares. Comparado com estes montantes, o que se pede para eliminar a fome no mundo não passa de uma ninharia.

A segunda afirmação é a do atual Ministro das Finanças português, Vítor Gaspar, na Assembleia da República, que incluiremos na categoria da “desfaçatez”. Diz o governante que “O capitalista e o trabalhador não têm uma realidade social na economia do século XXI, se é que a tiveram na economia do século XIX.” Para além da óbvia boutade na referência à centúria de oitocentos e de, nos dias de hoje, perto de 70% do rendimento nacional ser apropriado precisamente pelo capital, sendo que as despesas salariais com os trabalhadores não representam, em média, mais do que 15% dos custos de produção, Vítor Gaspar certamente terá muito que refletir na declaração certeira do multimilionário Warren Buffet, um dos donos da agência de rating Moody’s, segundo o qual “Isto é uma luta de classes e a minha, a dos ricos, está a ganhar.” (Courrier Internacional, Maio 2011).

 

Hugo Fernandez

 



publicado por albardeiro às 00:50
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds