Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Terça-feira, 17 de Maio de 2011
POBRE PAÍS!

José Sócrates ficará na história como o governante que levou Portugal à condição de terceiro país com maior índice de desigualdade social da Europa (só acima da Letónia e Lituânia), com os 5% mais ricos a ganharem 18 vezes mais do que os 5% mais pobres e 75% dos portugueses a auferirem até cerca de mil euros por mês, sendo que 25% ganham até quinhentos e cinquenta euros (considera-se que o limiar de pobreza para um agregado familiar constituído por dois adultos e duas crianças se situa nos 870 euros/mês). Quem o diz é o economista Carlos Farinha Rodrigues, professor do Instituto Superior de Economia e Gestão, no estudo Desigualdades em Portugal encomendado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos. Este trabalho, cujos dados – sublinhe-se – se referem a 2008, ainda na antecâmara da crise internacional (como será agora!?), revela também que ao nível dos 10% de portugueses com ordenados mais altos se registou uma subida de 25% no valor dos vencimentos, sendo que nos 1% dos melhor pagos, o aumenta é já de 49% e que na fatia máxima de remunerações (0,1% da população) o acréscimo chega aos 70%, o que significa que quanto mais se ganha, maior é o aumento. Um absurdo, portanto!

 

         A bem dizer José Sócrates nem ficará na história, tal a enormidade dos problemas criados e a insignificância da personagem. No futuro falar-se-á, isso sim, de um tempo que alguém já apelidou de “fartar vilanagem” em que a cartilha neo-liberal atingiu fortemente Portugal, pela mão dos governos nacionais ou do Fundo Monetário Internacional e dos “amigos” da União Europeia, verdadeiros responsáveis pela crise que atravessamos e cujo diagnóstico é por demais conhecido: destruição do aparelho produtivo nacional, deslocalizações selvagens, precariedade no trabalho e desemprego galopante; má gestão e desperdício do Estado, das empresas públicas e das famosas parcerias público-privadas que, através de contratos leoninos, foram o viveiro de todo o género de compadrios e alimentaram todo o tipo de esquemas que delapidaram o património comum; proliferação de institutos e organismos parasitas e desnecessários destinados a sustentar clientelas partidárias; derrapagem financeira, muitas vezes de forma grosseira, da quase totalidade das obras públicas, ao serviço de inconfessáveis – mas, por vezes, desvendados – interesses privados; investimentos desastrosos do Estado em instituições bancárias arruinadas ou em projectos megalómanos (estádios, autoestradas, submarinos, TGV’s, aeroportos) ; não taxação das operações bancárias, das transações bolsistas, dos lucros das empresas offshore, dos fundos de pensões, das seguradoras, de todo o universo da especulação financeira que, como se sabe, movimenta verbas e gera lucros muito superiores aos da economia real (isto é, produtiva); fraude e evasão fiscal dos mais poderosos, que atingiram níveis nunca antes vistos e que se cifraram em qualquer coisa como 10 mil milhões de euros em 2009 (um ano após o rebentar da crise internacional); ordenados fabulosos de toda uma coorte de assessores e consultores políticos, de gestores públicos e chefias intermédias, de boys, amigos e afilhados. Foi para tudo isto que foram canalizados os recursos que agora faltam e não para o pagamento de salários mínimos, de pensões miseráveis ou para os programas de proteção social que presentemente se querem reduzir ou eliminar.

 

         É, de facto, um palmarés brilhante. Por isso, até o insuspeito de tendências esquerdistas, José Pacheco Pereira, faz um prognóstico tão pessimista sobre aquilo que nos vai cair em cima: “para alguns, nada; para muitos, maiores dificuldades; para muitos, pobreza; e para muitos mais, maior pobreza.” (Sábado, 5/5/2011).

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 18:21
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

FAZER DE CONTA

arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds