Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sexta-feira, 15 de Abril de 2011
VERGONHA

No passado dia 6 de Abril, José Sócrates era um homem preocupado. O Governo português ia fazer o anúncio que tantos temiam. A situação das finanças públicas era de tal modo grave que não restava outra alternativa senão recorrer ao fundo de resgate europeu e à sempre dramática intervenção do FMI. Seria certa a aplicação de uma receita tantas vezes experimentada e com resultados sociais tão desastrosos um pouco por todo o mundo: desmantelamento dos serviços públicos, privatização generalizada da economia, total precarização laboral, escalada dos despedimentos, cortes nas pensões e nos salários, empobrecimento acentuado da população.

            Podia ser até, como alguns alvitravam, que Sócrates estivesse preocupado com o golpe de rins que teria que dar para explicar aos portugueses como é que ainda há duas semanas (dia 25 de Março de 2011, para ser mais preciso) declarava que “Portugal não precisa de aderir a nenhum fundo de resgate e manterei a mesma determinação na defesa do meu país para que isso não aconteça”, ou que, na precisa manhã do “dia D”, uma nota do seu gabinete de imprensa fosse perentória em afirmar que o dito pedido de financiamento “Não passa de um rumor sem fundamento.”

            Claro que podia sempre desculpar-se com a crise política despoletada com a apresentação em Bruxelas do PEC IV e disfarçar a total irresponsabilidade e falta de cultura democrática – estilo quero, posso e mando – de que deu provas na condução do processo e que até alguns dos seus fieis correligionários acabaram por admitir (ou teria sido um esticar de corda intencional?). Afastaria, desta forma, a responsabilidade absoluta (sim, porque a maioria absoluta traz consigo responsabilidades de igual quilate!) pelos anos de desmando e de esbanjamento à tripa forra, alimentando cortes de assessores, boys, nababos e interesses megalómanos de toda a espécie, e lançando sobre todos os outros o ónus da presente situação.

            Era também compreensível que estivesse preocupado em explicar aos seus concidadãos como ia continuar a governar quando tinha afiançado, ainda não há um mês (19 de Março de 2011, para ser mais preciso), que não estaria disponível para tal caso fosse necessário recorrer à intervenção do FMI. Ou como justificar uma nova apresentação a eleições na qualidade de secretário-geral do seu partido e, desta forma, com a hipótese real de ser chamado a formar, mais uma vez, governo…com o FMI instalado em Portugal.

            Razões para preocupação não faltavam. A hora da comunicação anunciada aproximava-se e o país estava suspenso. As televisões entraram em directo. Ecce homo. Por momentos vislumbramos na SIC um Primeiro-ministro em mangas de camisa num plano aproximadíssimo e pouco ortodoxo. Tinha sido engano. Ainda não tinha chegado a altura do acto propriamente dito. Na TVI, este lapso de emissão foi mais completo; durou um pouco mais e teve um som bem audível. A mesma personagem, a mesma camisa branca, a mesma gravata azul clara. E… a preocupação de José Sócrates: “Ó Luís, vê lá na… (no monitor) como é que fico a olhar para os… (referia-se aos telepontos)” – dando um jeitinho à cabeça, ora para a direita, ora para a esquerda – “Assim fica melhor? Ou fica melhor assim?”

            Como é possível sermos governados por gente desta!?

 

 

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 17:36
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds