Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Terça-feira, 15 de Fevereiro de 2011
DEVE E HAVER

Nas nossas sociedades pululam dirigentes políticos que fazem da dissimulação e da hipocrisia um modo de vida. Alguns prometem, com todo o descaramento, mundos e fundos, distribuem benesses (desde os famosos jobs for the boys até aos simples electrodomésticos), estão envolvidos em todo o género de falcatruas, protegem ou incentivam a corrupção e demonstram uma despudorada ganância pelo poder: são os populistas. Outros são mais sofisticados – e também mais perigosos para a democracia – tentando convencer as populações com actos de aparente generosidade e desprendimento, de falso altruísmo e hipócrita solidariedade. Nunca porém tocam no que é essencial. Longe de quererem beliscar – quanto mais reformar – o actual sistema societário, que é a razão de ser do seu domínio, procuram torná-lo mais simpático e tolerável. Pertencem a outra estirpe: são os demagogos.

 

Ambos usam a manipulação como estratégia política, procurando dissimular a indiferença ou pouca consideração que têm pelos reais problemas e dificuldades das populações que governam ou pelas consequências da sua acção em prol sobretudo da manutenção, a todo o custo, do poder pessoal ou de grupo adquirido. Se os primeiros apresentam um tipo de actuação bastante óbvia, convencendo pelo primarismo e grosseria das intenções e métodos seguidos, os segundos, parecendo aquilo que não são, mostram-se mais subtis e rebuscados, insinuando e confundindo para melhor persuadir.

Uma das características do demagogo é apresentar-se aos cidadãos como alguém que lhes está próximo; a bem dizer, que é “um deles”. Essa suposta proximidade permite mascarar situações de privilégio e escamotear a distância que vai entre os poderosos e os desfavorecidos, entre os detentores e os desapossados. Permite sobretudo iludir a aquisição de um estatuto social construído precisamente na ânsia de fugir a situações iniciais de maior debilidade ou desprestígio pessoal. O paradigma do self made man alimenta todas as ilusões e serve simultaneamente de guião para todas as novelas (as ficcionadas e as reais). A reiteração propagandística do mote “alguém que vem do povo” completa um quadro idílico de comunhão de preocupações e interesses.

 

Outra das recorrências atitudinais do demagogo prende-se com o discurso “anti-política”. O efeito anestesiante da primeira asserção referida facilita uma encenação de distanciamento do dirigente político face um mundo que supostamente não é o seu e do qual ele se tenta demarcar. É o conhecido mito da “independência face aos políticos e à política”, destinado a manter imaculado o seu prestígio e incólume a sua capacidade de actuação. A referência constante “aos políticos” – os outros, está bem de ver – oculta um efectivo protagonismo de poder e de domínio social que assim se dilui num suposto desígnio nacional, assente numa ampla harmonia colectiva.

Uma imagem de irrepreensível honradez e de impolutas intenções completa o quadro. O demagogo é sempre vítima de incompreensões injustificadas, de calúnias, insinuações e mentiras, de “campanhas negras” que deformam uma realidade acima de qualquer suspeita. As evidências em contrário são prontamente desvalorizadas e escamoteadas ou, à falta de melhor, convenientemente distorcidas. Quando não há outra alternativa, ensaia-se a fuga para a frente. Tomam-se então iniciativas que, visando causar o máximo de impacto na opinião pública, não passam de autênticas mistificações. Em tempos de crise económica e de feroz austeridade, é o caso da abdicação de remunerações auferidas pelos dirigentes políticos enquanto detentores de cargos públicos. É o corolário da demagogia.

 

A cobro de um aparente desprendimento pelos benefícios da governação e de dedicação desinteressada à causa pública, este acto revela, isso sim, duas atitudes igualmente condenáveis: sobranceria e desrespeito. Sobranceria, porque se alardeiam fortunas pessoais resultantes de um conjunto, muitas vezes alargado, de outros proventos, que permitem dispensar a remuneração referida. Longe de se pôr em causa a justeza e moralidade da acumulação, nestas circunstâncias, de todos esses rendimentos, essa situação é agravada pelo facto de invariavelmente se prescindir da sua parte mais reduzida. Para além de uma dimensão que podemos considerar pessoal, um acto hipócrita desta natureza traduz, acima de tudo, um desrespeito pela função exercida e uma desvalorização do significado da representação política. Em democracia, os cargos políticos devem ser pagos e justamente pagos. Não sendo isso o que dignifica a função e atesta a sua relevância societária, é seguramente isso que visa obstar à pressão de interesses e a tentações corruptoras.

Caso contrário, regressaremos ao século XIX e aos chamados notáveis, cuja condição económica era suficientemente desafogada para que pudessem ocupar cargos políticos sem qualquer remuneração. Convém, no entanto, não esquecer que era precisamente esta circunstância que, por outro lado, não permitia à generalidade da população aceder aos lugares de representação política, e que fazia com que o próprio sufrágio estivesse condicionado aos limites censitários, o que inviabilizava o exercício da cidadania pela esmagadora maioria da população. Felizmente o sistema democrático aperfeiçoou-se e os tempos são outros.

 

A função política não é um emprego de cuja remuneração se possa prescindir como se se tratasse de uma licença sem vencimento. O cargo ocupado não é da pessoa, mas simplesmente a sua ocupação transitória. Neste caso é o ofício que faz o oficial e não o contrário. Por isso há pressupostos, dignidades e regras a cumprir. Não é legítimo abdicar de um provento que é justo e devido. Claro que a maneira como esses rendimentos são posteriormente empregues é da exclusiva responsabilidade de cada um. Não pode é haver deputados ou presidentes à borla, por respeito pela dignidade da função que exercem em representação dos cidadãos que os elegeram. É em nome da justiça governativa que a democracia se paga e não de qualquer critério utilitarista.

 

Agora, o que também seria da mais elementar decência cívica é que, durante o exercício de funções políticas, o seu detentor abdicasse de todas as outras remunerações auferidas. Nesta situação, a acumulação torna-se verdadeiramente obscena. Esse sim era um genuíno sinal de abnegação e entrega ao serviço público, um sinal de transparência e verdade na acção política. Mas aí já estaríamos muito longe do reino da demagogia. É que a democracia não pode ser um simples cálculo de deve e haver.

 

 

Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 14:34
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

FAZER DE CONTA

arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds