Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Quarta-feira, 24 de Março de 2004
Mais...

Num dia de Dezembro de 2003


(ver os arquivos de WWW.albardeiro.blogger.com.br)


Perante a catadupa de acontecimentos que decorreram depois do meu último ¿post¿ só me resta continuar na mesma onda. Desculpem lá... mas não á volta a dar... por enquanto! A não ser se adoptarmos a via proposta por Samir Amim* (sim esse mesmo): Contra o projecto americano de "controle do planeta", é legítimo que os povos se rearmem.Contudo, podemos sempre discorrer e apresentar textos que ele não desdenharia escrever(?!) Cá vai: Desde os anos 80, quando é anunciado o colapso do sistema soviético, desenha-se uma opção pela hegemonia que conquista a classe dirigente dos Estados Unidos. Levados pela vertigem do seu poder armado, desde então sem concorrente, os Estados Unidos decidem afirmar a sua dominação, pelo desencadeamento de uma estratégia estritamente militar de "controle do planeta".A estratégia política de acompanhamento do projecto prepara os seus pretextos, seja quando se trate do terrorismo, da luta contra o narcotráfico ou da acusação de produção de armas de destruição em massa.A "guerra preventiva", formulada desde então como um "direito" que Washington invoca para si, faz abolir logo de início qualquer direito internacional. A Carta das Nações Unidas proíbe o recurso à guerra, salvo no caso de legítima defesa; e submete a condições severas a sua eventual intervenção militar, que deve ser comedida e provisória. Todos os juristas sabem que as guerras empreendidas desde 1990 são perfeitamente ilegítimas e portanto que, em princípio, os que assumiram a responsabilidade de desencadeá-las são criminosos de guerra. As Nações Unidas já são tratadas pelos Estados Unidos, mas com a cumplicidade de outros países, como foi no passado tratada a Liga das Nações pelos Estados fascistas.A abolição do direito dos povos, já consumada, substitui o princípio da igualdade pelo da distinção entre um Herrenvolk* (o povo dos Estados Unidos e acessoriamente o de Israel) que tem o direito de conquistar o "espaço vital" que julga necessário, e os outros povos, cuja própria existência não é nem mesmo tolerável, a não ser que não represente uma "ameaça" ao desenvolvimento de projectos dos autoproclamados "senhores do mundo". Tornamo-nos todos, aos olhos do establishment de Washington, uns "peles-vermelhas", quer dizer, povos que não têm direito à existência a não ser na medida em que não prejudiquem a expansão do capital transnacional americano.Estado da economiaQuais são esses interesses "nacionais" que a classe dirigente dos Estados Unidos se reserva o direito de invocar como melhor lhe pareça? Na verdade, essa classe possui um único objectivo - "fazer dinheiro" -, tendo o Estado americano colocado-se aberta e prioritariamente ao serviço do segmento dominante do capital constituído pelas transnacionais dos Estados Unidos.Esse projecto é imperialista no sentido mais brutal, pois não se trata de gerenciar o conjunto das sociedades do planeta para integrá-las num sistema capitalista coerente, mas somente de saquear os seus recursos. A redução do pensamento social aos postulados de base da economia vulgar, reforçada pela disposição dos meios militares que se conhecem, é responsável por essa derivação bárbara que o sistema carrega no seu interior e que o desembaraça de todo o sistema de valores humanos, substituído pela submissão às pretensas leis do mercado. Pela história da sua formação, o capitalismo americano prestava-se a esse reducionismo de modo ainda melhor do que o das sociedades europeias. Pois o Estado americano e a sua visão política foram formados para servir a economia e nada mais, abolindo por isso mesmo a relação contraditória e dialéctica entre a economia e a política. O genocídio dos índios, a escravidão dos negros, a sucessão de ondas de migrações substituindo a maturação da consciência de classe pelo confronto de grupos que partilhariam pretensas identidades comunitárias (manipuladas pela classe dirigente) produziram uma gestão política da sociedade por um partido único do capital, em que os dois segmentos partilham as mesmas visões estratégicas globais, partilham retóricas adequadas para se dirigir a cada um dos "eleitorados" da pequena metade da sociedade que crê no sistema o bastante para se dar ao trabalho de ir votar. Privada da tradição pela qual os partidos operários social-democratas e comunistas marcaram a formação da cultura política europeia moderna, a sociedade americana não dispôs de instrumentos ideológicos que lhe permitissem resistir à ditadura do capital.Se esse projecto se deve desenvolver durante ainda um certo tempo, ele não gerará mais do que um caos crescente, exigindo uma gerência cada vez mais brutal a cada golpe, sem visão estratégica a longo prazo. No limite, Washington não buscará mais reforçar alianças verdadeiras, o que imporia fazer concessões. Governos fantoches, como o de Karzai no Afeganistão, cumprem melhor a tarefa enquanto o delírio da potência militar levar à crença da "invencibilidade" dos Estados Unidos. Hitler pensava assim.Vantagem de perdedorA opinião geral mais corrente é que o poder militar dos Estados Unidos constituiria apenas a ponta do iceberg, prolongando uma superioridade do país em todos os domínios, nomeadamente os económicos, e ainda os políticos e culturais. A submissão à hegemonia que ele preconiza seria, portanto, incontornável.O exame das realidades económicas, porém, não dá apoio a tal opinião. O sistema produtivo dos Estados Unidos está longe de ser "o mais eficiente do mundo". Ao contrário, quase nenhum dos seus segmentos teria a certeza de vencer os seus concorrentes num mercado verdadeiramente aberto como o imaginado pelos economistas liberais (veja-se o caso mais notório ¿ o aço). É prova disso o déficit comercial do país que se agrava de ano para ano, tendo passado de 100 biliões de dólares em 1989 a 450 biliões em 2000. Além disso, tal déficit refere-se a praticamente todos os segmentos do sistema produtivo. Mesmo o excedente em que beneficiavam os Estados Unidos no domínio dos bens de alta tecnologia, que era de 35 biliões em 1990, desde então deu lugar a um déficit. A concorrência entre o Ariane e os foguetes da Nasa, o Airbus (actualmente vende mais e tem maior capacidade de entrega) e o Boeing mostra a vulnerabilidade da vantagem americana. Diante da Europa e do Japão para os produtos de alta tecnologia, da China, da Coreia e dos outros países industrializados da Ásia e da América Latina para os bens manufacturados triviais, diante da Europa e do Cone Sul da América Latina para a agricultura, os Estados Unidos não triunfariam, provavelmente, sem o recurso dos meios "extra-económicos" que violam os princípios do liberalismo impostos aos seus concorrentes!A economia americana vive como parasita em detrimento dos seus parceiros no sistema mundial. "Os Estados Unidos dependem, para 10 por cento do seu consumo industrial, de bens cuja importação não é coberta pelas exportações de produtos nacionais" (E. Todd., Depois do Império, página 80).O mundo produz, os Estados Unidos consomem. A "vantagem" dos Estados Unidos é a vantagem de um predador cujo déficit é coberto pelo aporte de outros, consentido ou forçado. Os meios usados por Washington para compensar as suas deficiência são de naturezas diversas: violações unilaterais repetidas do liberalismo, exportação de armamentos em grande parte impostos a aliados subalternos, busca de rendas petrolíferas suplementares (que pressupõe a imposição da ordem entre os produtores, motivo real das guerras na Ásia Central e no Iraque). Resta dizer que o essencial do déficit americano é coberto pelos aportes em capitais provenientes da Europa e do Japão, aos quais se deve acrescentar a punção exercida em nome do serviço da dívida imposta à quase totalidade da periferia do sistema mundial.A solidariedade dos segmentos dominantes do capital transnacional de todos os parceiros desse trio é real, e exprime-se pela sua adesão ao neoliberalismo globalizado. Os Estados Unidos são vistos nessa perspectiva como os defensores (militares, se necessário) desses "interesses comuns". Washington não busca "partilhar com equidade" os lucros da sua liderança. Os Estados Unidos empenham-se, ao contrário, em tornar vassalos os seus aliados, e dentro desse espírito não estão preparados para deixar aos seus aliados subalternos do trio mais do que concessões menores. Esse conflito de interesses estará destinado a agudizar-se a ponto de desencadear uma ruptura na Aliança Atlântica? Pelo que tem sucedido ao longo deste ano, não é impossível...O conflito promissor situa-se num outro terreno. O das culturas políticas. Na Europa, uma alternativa de esquerda mantém-se sempre possível. Essa alternativa imporia simultaneamente uma ruptura tanto com o neoliberalismo quanto com o alinhamento às estratégias políticas dos Estados Unidos. O excedente de capitais que a Europa se contenta até agora em "colocar" nos Estados Unidos poderia então ser alocado a um relançamento económico e social, sem o que esse relançamento continuará impossível. Mas, assim que a Europa escolhesse, por esse meio, dar prioridade ao seu desenvolvimento económico e social, a saúde artificial da economia dos Estados Unidos entraria em colapso e a classe dirigente americana se veria em confronto com os seus próprios problemas económicos e sociais. Eis por que "a Europa será de esquerda ou não será nada". Mas uma coisa também é certa, o perigo de uma implosão americana terá mais consequências que as suas várias explosões.As causas que estão na origem do enfraquecimento do sistema produtivo dos Estados Unidos são complexas. Mas são estruturais. A mediocridade dos sistemas de ensino geral e da formação, produto de um preconceito tenaz que favorece sistematicamente o "privado" em detrimento do serviço público, é uma das razões mais importantes da crise profunda que a sociedade dos Estados Unidos atravessa.A opção militarista dos Estados Unidos ameaça todos os povos. É proveniente da mesma lógica que foi no passado a lógica de Adolf Hitler: modificar pela violência militar as relações económicas e sociais em favor do Herrenvolk do momento. Essa opção, ao impor-se à frente do cenário internacional, sobredetermina todas as conjunturas políticas, pois a efectivação do desencadeamento desse projecto fragilizaria a um ponto extremo os avanços que os povos pudessem obter através das suas lutas sociais e democráticas. Pôr em xeque o projecto militarista dos Estados Unidos torna-se então a tarefa primordial, a responsabilidade maior, para todos. Sem dúvida, um certo número de governos do Terceiro Mundo é odioso e, provavelmente, só subsistem porque isso é bom para os interesses americanos. Mas o caminho para a sua necessária democratização não passa, certamente, pela sua substituição por regimes fantoches vindos nos blindados do invasor, abandonando os recursos do seu país à pilhagem das transnacionais americanas.O combate para pôr em xeque o projecto dos Estados Unidos é, com certeza, multiforme. Comporta aspectos diplomáticos (defender o direito internacional), militares (por exemplo, fará sentido o rearmamento de todos os países para enfrentar as agressões projectadas por Washington - nunca esquecer que os Estados Unidos utilizaram armas nucleares quando tinham o seu monopólio e renunciaram a elas durante o tempo em que não tinham mais esse monopólio) e políticos (nomeadamente no que se refere à construção europeia e à reconstrução de uma frente dos [esquecidos ou adormecidos] não-alinhados).O combate contra o imperialismo dos Estados Unidos e a sua opção militarista é o combate de todos os povos, das suas vítimas maiores da Ásia, África e América Latina, dos povos europeus e japoneses condenados à subordinação, mas também igualmente do povo americano. Saudemos aqui a coragem de todos aqueles que, "no coração da besta", recusam a submeter-se, como os seus predecessores recusaram ceder ao macarthismo dos anos 1950. Como aqueles que ousaram resistir a Hitler, eles conquistaram todos os títulos de nobreza que a história pode conceder. A classe dominante dos Estados Unidos será capaz de voltar atrás no projecto criminoso a que aderiu? Uma pergunta que não é fácil de ser respondida. Evidentemente que algumas derrotas políticas, diplomáticas e talvez mesmo militares poderiam encorajar as minorias que, no seio do establishment dos Estados Unidos, aceitariam renunciar às aventuras militares nas quais o seu país se engajou.Se tivessem reagido em 1935 ou 1937, os europeus teriam conseguido deter o delírio hitlerista. Reagindo somente em Setembro de 1939, eles sofreram dezenas de milhões de vítimas. Tem todo o sentido afirmar: actuemos para que, diante do desafio dos neonazistas de Washington, a resposta seja mais precoce. *Samir Amin, pensador neomarxista, é egípcio, formou-se em Paris e dirige o Fórum do Terceiro Mundo em Dacar, autor de A Acumulação à Escala Mundial



publicado por albardeiro às 19:27
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds