Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Quarta-feira, 24 de Março de 2004
(...) Chega!

Domingo, Março 21, 2004


OS MÉDIA REFLECTEM TAMBÉM A CRISE DO IMPÉRIO


Mais uma vez (na verdade não há nada a fazer!... é mais forte...), depois de uma semana de ressaca mediática (independentemente da geografia política/ideológica) sobre os acontecimentos trágicos/cobardes/hediondos/assassinos de Madrid, sobre a mentira do PP (do asno) do Aznar, sobre a vitória eleitoral do PSOE (e de uma vez por todas, foi uma vitória da mudança e não do medo; quem não quiser perceber isso, está tudo dito...!), depois de um ano sobre a invasão e ocupação de um país à revelia da ONU (as armas de destruição massiva, provavelmente deve ser o petróleo que lá existe!), depois de ler José Arbex Jr, depois de ler, ver e ouvir os mais variados comentários (sobretudo os de alguns cujas manchas de sangue, por mais ¿detergentes¿ que usem, dificilmente...), digo, não resisto a algumas palavras sobre a acção da comunicação social e, simultaneamente, abordar um pouco ao de leve o comportamento dos comentadores oficiais e da promiscuidade de alguns responsáveis da comunicação social com o poder (à boa maneira do liberalismo oitocentista, nunca os interesses económicos, em detrimento dos sociais, estiveram tão mancomunados com o político). Este ¿POST¿ é um tributo... CAROS AMIGOS.


Falar do comportamento dos MÉDIA, qualquer análise minimamente crítica, mesmo que rápida, terá de ter em conta a grande diferença entre as coberturas dos ataques estadunidenses praticados em janeiro/fevereiro de 1991 e aqueles que estão em curso, desde Março de 2003. Em 1991, simplesmente não apareceu a população civil iraquiana. A televisão mostrou uma guerra sem sangue, graças às armas ¿cirúrgicas¿ criadas pelos Estados Unidos, capazes de acertar precisamente no alvo, sem causar sofrimentos inúteis. Tudo se passou, então, como se no Iraque não houvesse seres humanos. Agora não. Soubemos/sabemos, pelo menos, que crianças iraquianas foram/estão a ser cruelmente assassinadas; que os ataques causaram grande destruição de sítios arqueológicos; que as bombas atingem civis e que não existem armas que sejam assim tão ¿cirúrgicas¿ (provavelmente depende do ponto de vista!). Mais: todos sabem que Bush filho não atacou o Iraque por motivos humanitários, mas por petróleo (em 1991, Bush pai teve um sucesso bem maior, ao vender a versão de que atacava Bagdad para libertar o Kuwait e salvar o mundo do novo Hitler que surgiu no Médio Oriente ); até prova em contrário, sabe-se que Saddam Hussein não tinha armas de destruição em massa ¿ facto atestado pelos enviados da ONU, e amplamente divulgado pelos meios de comunicação. Sabe-se também que Bush despreza solenemente a Organização das Nações Unidas, os tratados internacionais, os mais elementares princípios humanitários. Em 1991, nada disso estava muito claro. Não que fosse exactamente um segredo. Não era. Mas também não era um facto tão claramente estabelecido.Manipulação dificultada. Claro que isso não tem significado que a cobertura que foi feita (e até a actual), fosse a mais correcta, transparente e democrática (e não se desculpem com o argumento de que foi a possível). Não foi, a começar pelo facto de que se vendeu/vende a ideia de que houve uma guerra entre os Estados Unidos e o Iraque, quando não houve/há guerra alguma, pois as forças em combate não tinham qualquer proporção ou simetria. A cobertura continua a ser parcial e ¿patriótica¿: os correspondentes continuam a falar na libertação do Iraque (versão da rede FOX, CNN, ABC), mediante a derrota da ditadura de Saddam, providencialmente deixando de mencionar que Bush não passa de um fraudador de urnas envolvido até ao pescoço nos escândalos de corrupção que abalaram a economia do seu país, em 2001, 2002 e 2003. E que o seu governo promoveu/promove (o Aznar foi um bom seguidor) uma monumental campanha de perseguição àqueles que ousam criticar. Ainda assim, a capacidade de manipulação das notícias pela comunicação social tem sido, sem dúvida, muito menor e mais limitada do que em 1991. Como explicar a diferença? Simples: ao longo dos últimos dez anos, houve uma rearticulação profunda e monumental dos movimentos sociais e das organizações de trabalhadores, em todo o mundo. Essa rearticulação, que permitiu a realização de três sessões do Fórum Social Mundial, e que foi por ele fortalecida, tem levado milhões de pessoas às ruas, desde 15 de fevereiro de 2003 até ontem 20 de Março de 2004, nas maiores manifestações contra o modo actual do exercício do poder, pelo menos desde os anos 60 (quando a opinião pública mundial derrotou o ¿autismo¿ dos Estados Unidos, na Guerra do Vietname). Em 1991, o mundo, impotente e sem iniciativa, ainda engolia o pó levantado pelos escombros do Muro de Berlim. Consenso? Onde? Bastou uma década para o vitorioso neoliberalismo mostrar a sua falácia quando se trata de oferecer respostas aos problemas básicos levantados pela humanidade; a sua falência moral, como sistema que estimula e multiplica grandiosos esquemas de corrupção; a sua absoluta crueldade, por condenar 11 milhões de crianças à morte por fome, a cada ano (ou 60 milhões de seres humanos, se também contabilizados os adultos, isto é, um número equivalente ao total de mortos na Segunda Guerra). Em dez anos, o fim da história propagado por Francis Fukuyama ¿ um espertalhão funcionário do governo, vendido pelos média como se fosse filósofo ¿ foi transformado, no máximo, na agonia do império estadunidense. É disso, finalmente, que se trata. O império agoniza. Verga sob o peso do seu próprio poderio bélico e das suas contradições internas (e será certamente pior a sua implosão do que tem sido a sua explosão) . A distância entre o império no seu auge e a sua posição no mundo contemporâneo pode ser medida pela mera comparação entre Franklin Delano Roosevelt ¿ arquitecto do New Deal e da versão estadunidense do Estado de bem-estar social ¿ e o débil mental fundamentalista que agora ocupa a Casa Branca. Não, ninguém está a dizer aqui que Roosevelt era um ¿puro¿ ou um líder humanista; mas não há como compará-lo ao macaco precariamente amestrado que agora governa os EUA. Mesmo Bill (Oral) Clinton poderia ser considerado um estadista, ao lado de (Adolf) Bush. Os sinais da decadência multiplicam-se por todos os lados: as empresas estadunidenses perdem competitividade para as europeias e japonesas; a agricultura só sobrevive à custa dos maiores subsídios públicos do planeta; a economia depende, cada vez mais, de um Estado superproteccionista (mas impõem o contrário aos outros). O quadro foi ainda agravado, para os Estados Unidos, com a criação, introdução e sucesso do euro na economia internacional, tirando ao dólar a sua condição de moeda universal e meio de parasitar as riquezas do planeta. Os Estados Unidos queriam mais dinheiro? Fabricavam-se dólares, e o mundo que pagasse a conta. Mau grado as vicissitudes (até alguns dos seus criadores se deixaram enredar na tentativa para o seu insucesso ¿ vejam-se os alinhamentos que tiveram a Espanha, Itália e Portugal com a panaceia estadunidense), o euro criou uma alternativa ao dólar e começou a colocar um fim na orgia financeira. O conflito entre as potências do império, verificado durante os preparativos do ataque ao Iraque ¿ notoriamente, França, Alemanha e, em plano secundário, a Rússia, de um lado; Estados Unidos e os Estados vassalos, Grã-Bretanha e, secundariamente, Espanha e Portugal, do outro ¿, reflectiu a nova realidade internacional construída pelo euro. Em 1991, não houve nem sequer a remota ideia de um conflito. Os Estados Unidos mandaram, a OTAN e o G-7 obedeceram. A União Soviética tinha acabado de desaparecer, e a Rússia nada tinha a declarar.A decadência tem sido tão acelerada, que em poucos meses foi esvaziado o consenso em torno de Bush, artificialmente criado após os atentados de 11 de setembro de 2001. Agora, apesar das perseguições policiais, do clima de caça às bruxas, da histeria patriótica que funciona como uma espécie de cimento psicossocial responsável pela frágil coesão da classe média puritana dos Estados Unidos, apesar de tudo isso, a oposição toma de novo as ruas e existem alternativas. Intelectuais, estudantes, trabalhadores e artistas consagrados denunciam o debilóide texano e desafiam o sistema. Barões em apuros! Os barões da comunicação social captaram essa nova realidade mundial. Eles dependem da credibilidade dos seus leitores e telespectadores. Sabem que não podem mentir sempre, impunemente. O monumental fiasco representado pela tentativa de manipulação e ocultação da verdade dos factos, por parte do governo espanhol e de alguns comentadores nos órgãos de informação, no cobarde atentado de Madrid, provou a escandalosa farsa mediática ¿, deixou as suas marcas e lições. Da mesma forma, os ¿barões¿ (incluindo sobretudo os seus porta-vozes ¿ os denominados comentadores) dos média foram finalmente obrigados a admitir que há seres humanos no Iraque, e que as armas estadunidenses não eram assim tão cirúrgicas. Ainda é pouco, mas esse pouco pode ser suficiente para estimular novas e maiores demonstrações. Tampouco a cobertura da Guerra do Vietname, nos anos 60, foi um show de democracia, como muitos querem acreditar. Muito longe disso. Os grandes jornais tentaram, até ao fim, manter o patriotismo em alta, até serem obrigados a engolir os factos. Bastou o mínimo de informação correcta ¿ plasticamente representada pelos famosos sacos de lona preta que embalavam os corpos dos soldados mortos ¿ para que a população dissesse não. É possível derrotar novamente a farsa, e como se tem assistido, ela é ainda causadora de mais terrorismo. É necessário. E nós vamos fazer isso.



publicado por albardeiro às 20:12
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Ltus a 24 de Março de 2004 às 20:20
Bem ... vens cheio de garra ... e ainda bem ;-) ... bem vindo ... e beijokas ***


Comentar post

pesquisar
 
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

FAZER DE CONTA

arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds