Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Segunda-feira, 29 de Março de 2004
BASTA! Também digo.

Com um ligeiro atraso publica-se (hoje) o texto que o meu amigo Hugo Fernandez me enviou. Na mesma sintonia, o albardeiro agradece.


BASTA!


Todo o terrorismo, isto é, a morte indiscriminada de pessoas inocentes, é obviamente inaceitável. Nunca actos dessa natureza se podem justificar, sejam quais forem as razões invocadas. Ninguém de bom senso tem, portanto, dúvidas quanto a um decidido combate a este problema. No entanto, o terrorismo não é inexplicável. Trata-se, de facto, da manifestação final e dramática de um longo e complexo processo degenerativo da própria realidade, um sintoma agudo de uma doença crónica. E é na avaliação deste fenómeno e no tipo de actuação a empreender que as divergências são notórias e têm que ser legitimamente esgrimidas. Este fenómeno pode ter as suas raízes num desvio de personalidade e em comportamentos individuais, como os que assistimos no caso dos psicopatas perigosos e dos serial killers. Mas o terrorismo pode ser sobretudo uma doença social, que os fanatismos e fundamentalismos ajudam a alimentar. Esta segunda situação, bem mais grave do que a primeira, merece-nos muito mais cuidado e reflexão. Enquanto no primeiro caso, os terroristas agem isoladamente ou com escassos cúmplices exigindo, após a detenção, sobretudo um adequado tratamento médico, no segundo caso, o fenómeno é muito mais complexo e abrangente. É que os terroristas não agem sozinhos, nem são elementos isolados. Há um meio social mais ou menos extenso onde aqueles são recrutados e uma rede que os sustenta e apoia. Ora, são precisamente as causas da disfuncionalidade das vivências das populações que constituem essa rede que, a nosso ver, têm que ser investigadas e, na medida do possível, combatidas. É essa disfuncionalidade que advém do agravamento das situações e do arrastamento dos conflitos, muitas vezes ao longo de décadas, é o ódio latente ou declarado que inevitavelmente produz, com o consequente radicalizar de posições, que tem que constituir a principal preocupação no domínio da prevenção deste terrível flagelo. Muito para além, portanto, da simples acção policial, ainda que esta seja legítima e constitua um instrumento imprescindível para garantir a segurança dos cidadãos. Assim, esse conhecimento e essa actuação terão que ser eminentemente políticas. E é a este nível, o da discussão dos diversos modelos de organização da nossa vida colectiva e do relacionamento entre as sociedades, que as questões verdadeiramente se têm que colocar. Até porque as consequências da manutenção do statu quo meramente repressivo podem ser devastadoras. De facto, uma atitude preventiva como aquela que defendemos é tanto mais urgente quanto se verifica, nos nossos dias e por todo o mundo, um acréscimo acentuado do fenómeno terrorista, apesar do – ou por causa do! – concomitante aumento dos meios repressivos. Este acréscimo de perigosidade deriva precisamente do conjunto de problemas acumulados e não resolvidos. É evidente que nunca os terroristas podem ser considerados, de qualquer forma que seja, justiceiros. Mas na origem dos conflitos que os produziram, encontraremos, certamente, situações de profunda injustiça. Para que se eliminem aqueles há que detectar e procurar resolver estas iníquidades. A realidade ensina-nos que, a não haver esta prevenção, perpetua-se o terrorismo. Este conhecimento, que nunca pode querer dizer compreensão, se por isso entendermos qualquer forma que seja de aproximação ou mesmo de empatia com os terroristas, pode sim significar mais informação e traduzir-se numa actuação mais justa e eficaz. E se, como diz Augusto Santos Silva, “O combate ao terror é, pois, uma condição de sobrevivência das democracias”, este combate terá forçosamente que passar pela detecção e tentativa de resolução das situações que estão na sua origem. Como vimos, a deriva securitária cega , longe de resolver o fenómeno do terrorismo, tende a perpetuá-lo. Não chegam medidas repressivas e discursos inflamados. À repressão tem que se somar a prevenção, para que se elimine o sintoma porque se curou, de facto, a doença. É preciso decididamente encarar os problemas e conflitos que produzem esta tragédia. A não ser assim, não só a violência continuará, como o extremar de posições e o progressivo condicionamento e violação dos direitos humanos que, mais cedo ou mais tarde, afectará a generalidade dos cidadãos, inviabilizará qualquer projecto de vivência democrática. E esta situação constituirá, ela sim, a vitória dos terroristas. Nunca a injustiça pode ser resposta para as injustiças. Porque as democracias não podem sucumbir perante a ameaça terrorista, é fundamental que mantenham a sua matriz constituinte essencial: a garantia, em todas as situações, de uma plena cidadania, da defesa intransigente dos direitos humanos e dos princípios da legalidade e do direito internacional. Basta de hipocrisias ou de falsos moralismos. O assunto é demasiado sério para que não se encarem todas as alternativas possíveis para a resolução do problema. É antes de mais em homenagem às vítimas do terrorismo, em qualquer parte do mundo onde se encontrem, que temos que buscar verdadeiras soluções. É altura de dizer: Basta!



publicado por albardeiro às 23:45
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

RESCALDO

ESTADO DA QUESTÃO

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds