Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Segunda-feira, 5 de Abril de 2004
Abril em Abril!

Abril em Abril!


A ordem e a conexão das ideias reflectem a ordem e a conexão do mundo e o espaço deste blog tem sido coerente nesse aspecto. Além disso, a história do desenvolvimento dos conceitos e das categorias políticas, “científicas” e sociais, reflecte a história do desenvolvimento da sociedade em que se elabora o conhecimento, e está-lhe indissoluvelmente ligada. Da mesma forma, a prática social histórica, colectiva e não meramente individual nem meramente restrita ao nível da actividade subjectiva, ao elemento dito “espiritual” isolado e abstracto, sem condicionamento e sem raízes, é o fundamento, o alvo e a instância decisória, a base real também do conhecimento político e histórico.


Vem isto também a propósito, da hostilidade declarada que alguns sectores sociais e políticos, hoje no poder, estão a ter em relação ao 25 de Abril. Foi a democracia..., o 25 de Abril, que tornou livremente possível a discussão e o debate... mas sem trair! Sem trair a verdade e a justa consciência política da situação histórica que foi o 25 de Abril.


É necessário, é justo intervir... contra os rancores que neste momento existem, por parte de alguns charlatães escrevinhadores de calinadas puras e de trapaceiros políticos, que em nome de concepções e sectarismos arrivistas eivados do mais puro ultramontanismo, querem refazer a HISTÓRIA, negando a própria história e colocando em causa o que foi o 25 de Abril.


O texto que se segue, da autoria do meu amigo Hugo Fernandez, é, neste contexto, um momento importante no esforço de clarificação conceptual no quadro político e histórico acerca do 25 de Abril e, também, contra um certo obscurantismo de passadistas de toda a sorte, como dizia António Sérgio – espectros do “Reino Cadaveroso”. Aconselho a sua leitura e um pouco de reflexão sobre a “temática”.


QUE 25 DE ABRIL?


Já há muito que o famoso historiador francês Marc Bloch tinha chamado a atenção dos seus colegas de ofício, para as armadilhas da linguagem presentes nas fontes de investigação, que podem advir do facto dos homens não mudarem de vocabulário de cada vez que mudam de regimes políticos ou que vivem nova conjuntura social. Daí o poder atribuir-se designações idênticas a realidades já profundamente diferentes, o que contribui quer para o descrédito das fontes de informação, quer para a desconfiança e inverosimilhança com que o processo histórico é muitas vezes olhado por camadas mais desprevenidas da população.


Ao invés, é também frequente a tentação de um determinado discurso historiográfico de solucionar esta perplexidade, exportando conceitos do presente para o passado – num puro acto de anacronismo – ou reescrevendo de forma oportunista o que aconteceu, para que a História se torne mais inteligível aos olhos e, sobretudo, aos interesses do mundo de hoje.


De uma maneira ou de outra, o que parece certo é que os homens pensam recorrendo a conceitos e actuam de acordo com crenças paradigmáticas. E provavelmente não haverá conceito mais carregado de significados que o de revolução. Para todos os efeitos, as revoluções têm sido entendidas como processos de ruptura e transformação radical entre uma qualquer realidade anterior e aquela que lhe sucede. Isto é percebido assim, independentemente de falarmos de dimensões sociais, políticas, artísticas, vivenciais ou do domínio dos fenómenos da natureza. O aparente catastrofismo do processo revolucionário engendra sempre algo de substancialmente novo, ainda que muitas vezes pintado com as cores de uma restauração ou de uma regeneração. Do que não restam dúvidas é que se trata sempre de uma evolução, se com isto quisermos significar a sucessão de movimentos que constituem o devir histórico e que alteram, em cada momento, o que está. Nem sempre o contrário é verdadeiro. Pode haver evolução sem se assistir a nenhuma revolução. Podemos dizer que se trata até da situação mais comum. Neste caso não se atinge nunca o grau de metamorfose que é apanágio daquela.


A este propósito, todos estamos lembrados de situações recentes da História portuguesa, como a conhecida “evolução na continuidade” do período marcelista. Esta evolução não foi, no entanto, suficiente para responder às aspirações de liberdade e democracia do povo português que acabou por levar a cabo uma revolução. Foi no dia 25 de Abril de 1974. Acabou-se a guerra colonial, possibilitou-se a independência das antigas “províncias ultramarinas”, assistiu-se ao fim da censura, das prisões políticas e da repressão policial. À liberdade de expressão e de imprensa, somaram-se a emergência livre de sindicatos, partidos políticos e movimentos sociais. Foram garantidos constitucionalmente os direitos básicos de cidadania e consagrado o sufrágio universal, directo e secreto. Possibilitou-se a melhoria acentuada das condições de vida e de trabalho da generalidade da população portuguesa. Instituiu-se o salário mínimo, a segurança social e os direitos dos trabalhadores. Promoveu-se a massificação do ensino, o serviço nacional de saúde, o direito ao divórcio. Deu-se esperança e futuro aos portugueses... Não foi pouco! Desta ruptura revolucionária, nasceu uma democracia e acabou uma ditadura fascista. Com toda a carga político-ideológica que, felizmente, as revoluções sempre têm.


Outro conhecido autor francês contemporâneo, Jean-Christophe Rufin, chamou a atenção para o segredo da longevidade dos sistemas democráticos e a sua generalizada vitória face aos regimes totalitários. Concluiu que, enquanto os primeiros eram capazes de se “alimentar” de tudo o que se lhes opunha, constituindo isso a sua fonte de energia vital, os segundos colapsavam na tentativa desesperada de eliminar qualquer oposição. Ao contrário da ideia feita, as democracias revelar-se-iam poderosas e as ditaduras surpreendentemente frágeis. E se estas últimas são sempre criminosas, aquelas podem ser extremamente perversas. Talvez por isso o actual governo pretenda comemorar o 30º aniversário do 25 de Abril, mudando-lhe subrepticiamente o nome e a natureza, e desvirtuando as suas conquistas. Como se o país que temos hoje, não fosse consequência directa desse período tão decisivo. Como se, mais do que esquecer, se pretendesse renegar esse passado e fazer dele algo que nunca foi. Como se a democracia em Portugal se tivesse implantado contra o 25 de Abril. Abril não é, por isso, mera evolução. É muito mais. Abril foi, é e será sempre Revolução.



publicado por albardeiro às 13:17
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Leonel Vicente a 21 de Abril de 2004 às 23:38
Parabéns pelo "post".


Comentar post

pesquisar
 
Abril 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds