Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sexta-feira, 16 de Abril de 2004
AUTARCAS OU TAIFAS

CONTINUAÇÃO da contribuição histórica para os esclarecimentos dos autarcas (Taifas)


O Poder Local é um elemento constitutivo da Democracia Portuguesa, em cujo processo de formação interveio a consciência fundacional da cidadania. Se a autonomia local se inscreveu no património da democracia, ao qual juntou factores de eficácia e de consenso, existe hoje, também, uma consciência generalizada de que entrou numa nova fase de responsabilidade que não pode estar ao “sabor” dos desejos politiqueiros de nababos ou de “Taifas”. Reforçar a capacidade institucional dos territórios, reforçar a capacidade de inovação dos territórios, reforçar a identidade do território, são, em síntese, desafios que se levantam, nomeadamente a regiões como o Alentejo, caminhos que requerem unidade e subsidiariedade, e isso só pode ser trilhado com Autarcas que tenham o sentido e a preocupação do bem comum e não meramente interesses pessoais e partidários.


Agora digam: os indivíduos (autarcas) que foram ao Funchal poder-se-ão rever no que atrás dissemos? Sem comentários...! O que se segue é mais um pouco do contributo para se perceber a História da nossa região.


ALENTEJO: um equívoco ou uma região?


A primeira proposta de divisão bipartida da província parece datar de 1822, quando Francisco Soares Franco escrevia: «No Alentejo se podem formar duas administrações, ou províncias, uma ao norte, que se poderia chamar alto Alentejo, outra ao sul, que se denominaria baixo Alentejo.» No ano seguinte, a Comissão de Estatística, de que ele fazia parte, iria propor que o Alto Alentejo se dividisse em duas comarcas (Portalegre e Évora), e o Baixo Alentejo noutras duas (Setúbal e Beja), absorvendo, portanto, a Estremadura transtagana, que se tinha desenvolvido ao longo do litoral, até atingir a região de Odemira. No entanto, a divisão distrital adoptada em 1835, que perdurou até hoje, voltou a ligar a Lisboa o Ocidente transtagano (até ao sul de Sines), dividindo as terras interiores em três distritos - Portalegre, Évora e Beja -, sendo este o maior de todos os distritos portugueses, por ter incorporado também a região de Odemira.


No entanto, não se nota nenhum contraste climático nítido entre o Norte e o Sul do Alentejo: a diferença é muito mais sensível entre as terras litorais e as interiores, entre o Alentejo do sobreiro, onde penetram ainda os sopros do Atlântico, e o da azinheira. Ou será o contraste resultante do afastamento para com a capital do país, ou seja, uma posição mais ou menos periférica? Talvez se deva realmente procurar nos factores humanos, na maior ou menor integração na vida nacional, a verdadeira diferenciação entre as duas partes do Alentejo: o Alto, mais povoado, mais urbanizado, percorrido por estradas mais frequentadas; e o Baixo, mais periférico, com uma população menos numerosa, e como que ignorado pelas autoridades eclesiásticas e civis.


Observar o Alto e o Baixo Alentejo separadamente é, pois, uma tarefa que implica considerá-los não apenas nas suas singularidades, mas também e, talvez mesmo principalmente, ter em conta as múltiplas continuidades que entre eles se estabelecem. Quem vive debaixo do mesmo sol, trabalha a mesma terra e come o mesmo pão, há-de estar unido por vínculos mais fortes que os das divisões administrativas. Aqui, como noutros lados, as variações locais não chegam para quebrar o sentido de unidade que se desprende do todo.


CONTINUA



publicado por albardeiro às 12:02
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De Plancie Herica a 18 de Abril de 2004 às 19:18
Gostei.

Um abraço,
Francisco Nunes


De manuel a 16 de Abril de 2004 às 18:49
Amigo, bem tenho eu batalhado lá no meu blogue contra o estraçalhar do Alentejo, mas acho que ninguém liga... a passividade permite-nos por vezes resistir melhor, mas outras dá cabo de nós.


Comentar post

pesquisar
 
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

FAZER DE CONTA

arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds