Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Sábado, 2 de Janeiro de 2010
TIPOS

Não é meu propósito falar de José Sócrates enquanto indivíduo. É uma pessoa de fracas qualidades e de pouco interesse. Tudo muda de figura, no entanto, se o encararmos enquanto expressão sociológica de um certo modo de ser português. Aquilo que Max Weber definia como tipo-ideal. É evidente que este tipo é sempre uma construção teórica, uma abstracção da realidade que, juntando uma série de elementos significativos presentes nessa mesma realidade – embora não da forma sistemática com que acaba por ser apresentada – nos ajudam à sua compreensão. É um instrumento analítico usado pelos cientistas sociais com o objectivo de tornarem a sociedade mais inteligível. Baseia-se, essencialmente, numa caracterização e combinação metódica e persistente de padrões individuais concretos ou, como explica Weber em “A «Objetividade» do Conhecimento nas Ciências Sociais” (in Cohn, Gabriel, Max Weber: Sociologia, São Paulo, Ática, 1979, p. 106), na " acentuação unilateral de um ou vários pontos de vista, e mediante o encadeamento de grande quantidade de fenómenos isoladamente dados, difusos e discretos, que se podem dar em maior ou menor número ou mesmo faltar por completo, e que se ordenam segundo os pontos de vista unilateralmente acentuados, a fim de se formar um quadro homogéneo de pensamento.” Deste ponto de vista, José Sócrates torna-se, sem dúvida num autêntico case studie.


            Não falo apenas das suspeitas nos casos Freeport ou Face Oculta, do aludido controlo editorial da TVI através da compra da Media Capital pela PT, do afastamento de Moura Guedes do Jornal de Sexta da TVI, das mencionadas pressões sobre o Público e o Sol alegadamente a troco de contrapartidas financeiras (garantia de publicidade e de empréstimos bancários), dos processos movidos a jornalistas e a adversários políticos, que rechearam inúmeras manchetes de jornais, aberturas de noticiários televisivos, preencheram múltiplos comentários políticos ou conversas de café, sempre transmitindo a ideia de presumíveis actos de corrupção, tráfico de influências, fraude fiscal, “crime de atentado ao Estado de Direito” (alegação feita por um juiz de acção criminal e mesmo pelo Procurador-coordenador do Departamento de Investigação e Acção Penal de Aveiro) ou nepotismo praticado pelo Primeiro-Ministro ou pelos homens da sua confiança. Nem dos episódios rocambolescos da sua licenciatura, da contestada autoria de mais de duas dezenas de projectos de engenharia assinados por si nos anos 80 ou da polémica a propósito do valor da aquisição de apartamentos num conceituado prédio lisboeta.


            O que acontece é que, como disse há tempos Pacheco Pereira, “não há pedra em que não se dê um pontapé (…) em que Sócrates não apareça.” (Público, 14/11/09). E não se trata de perseguição ou da “campanha negra” com que o Primeiro-Ministro gosta de se vitimizar. Trata-se da simples constatação de que “Sócrates aparece sempre lá, perto ou longe, com mais ou menos responsabilidades, e aparece porque está lá. Ele, a família, os seus amigos do PS, as pessoas que escolheu, as áreas onde governou e governa.” (idem). Ora é neste ponto que se justifica falar do tal tipo ideal weberiano, ainda que com a linearidade exigida pela economia de um texto como o que agora se apresenta. Para todos os efeitos, podemos caracterizar o tipo de actuação referida como expressão do mais puro chico-espertismo. Este é infelizmente um padrão comportamental recorrente e transversal à sociedade portuguesa. O chico-esperto é o “malandro” que usa a malícia e o fingimento para obter o que quer, sem que os outros se apercebam disso. É o “falinhas mansas”, o “sonso” – ou, numa versão mais hard, o “pato-bravo” – que “leva sempre a água ao seu moinho”, recorrendo a todos os meios necessários e sem olhar às consequências que os seus actos possam causar a terceiros. A falsidade e a falta de escrúpulos são, aliás, características matriciais da relação que estabelece com os outros. O desvio mais ou menos declarado à norma – quando não à própria legalidade – constitui a sua verdadeira idiossincrasia. Encontramo-nos, portanto, em pleno domínio do “desenrasque”.


Atentemos, a este propósito, nas certeiras palavras de José Gil, no seu mais recente ensaio Em Busca da Identidade – o desnorte (Lisboa, Relógio D’Água, 2009, pp. 30-34): “O chico-esperto não é o mentiroso, o grande escroque, o corrupto que se coloca claramente fora da lei. Pelo contrário, aproveita um espaço não-preenchido pela lei para cometer um acto quase legal, mesmo quando implica pequenas transgressões das normas jurídicas. (…) O chico-esperto infringe a lei como se estivesse a cumpri-la, como se fosse uma boa partida sem consequências de maior. Porquê? Porque, no fundo, a pequena transgressão que comete não faz dele um criminoso, apenas um «malandreco».” E o que é mais grave é que pode contar com a conivência – e, mesmo, declarada aprovação – de uma opinião pública largamente formatada à imagem e semelhança do mesmo tipo de atitudes. A cumplicidade geral, mesmo quando há uma condenação pública, faz do chico-esperto bem sucedido uma personagem digna de realce e mesmo consideração. Como refere José Gil, “a sua acção ganha valor – o valor da sua esperteza. Esta necessita de descaramento, mas contém ousadia, temeridade e até coragem – valor moral enviesado, mas que todos os portugueses reconhecem.” Por isso, o filósofo conclui que o chico-esperto “Define-se como o que se aproveita, à beira da ilegalidade ou mesmo dentro dela, dos espaços deixados em branco pelos códigos e as normas, para obter fins que não alcançaria de outro modo. O chico-esperto não nega o poder e a lei, contorna-os pontualmente.” A sensação de impunidade dá-lhe a falsa ideia de superioridade em relação aos outros. É desse sentimento e das vantagens da sua acção que se alimente o chico-esperto. Traçando um perfil necessariamente esquemático, este tem um temperamento vivaço e irascível (dependendo do sucesso ou insucesso dos seus empreendimentos), é egocêntrico e vaidoso (seguidor das modas e adorando gadgets) é ignorante q.b. (pois não tem vontade nem paciência para se cultivar) e, sobretudo, está obcecado pelo permanente protagonismo (a qualquer preço). O retrato faz-vos lembrar alguém?


Este ethos português é velho de séculos. Sempre fomos bons a viver de expedientes e de esquemas manhosos. Também por isso sempre vivemos numa sociedade envenenada pela corrupção e pelo compadrio. O império da cunha, verdadeira instituição nacional, tornou-nos, ao longo dos tempos, um país atrasado e desleixado. Mas a questão que se põe é saber se a acção social e política no mundo de hoje pode continuar a compadecer-se com semelhantes procedimentos. Até pela simples razão de que a concorrência internacional é muita e, em geral, melhor apetrechada. Assim, a persistirmos nesta postura, à falta de princípios éticos e valores morais acresce uma inevitável falta de eficácia na resolução dos problemas que se nos deparam. Ora, a modernidade tantas vezes proclamada passa, precisamente, por erradicar dos hábitos e comportamentos dos portugueses estes atavismos tão arreigados. De forma sistemática e reiterada. Nos grandes como nos pequenos poderes. Estaremos dispostos a denunciar estas situações e, de uma vez por todas, deixar de transigir com o chico-espertismo? Estaremos realmente dispostos a crescer como sociedade?


 


Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 14:30
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Maio 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds