Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Quinta-feira, 6 de Maio de 2004
Alentejo...

Nota Prévia


Mais algumas palavras sobre o papel/função dos autarcas. Ao nível regional, todos os actores são protagonistas do desenvolvimento, na busca de um projecto comum num espaço controlado localmente. O Poder Local tem papel indutor, em aliança com os actores locais (cidadãos). Os agentes económicos devem actuar de forma estratégica na cadeia produtiva que caracteriza o território local, apoiados numa visão que busca a promoção da capacitação e consciencialização para a sustentabilidade regional. Os actores locais são o factor de criação de ideias e construção da identidade, pela presença de capital humano, conhecimento, inovação e responsabilidade compartilhada. Como se sabe, processo é tempo e supõe constante mudança. A dialéctica só existe quando se utiliza esta noção de tempo na busca por compreender o processo solidário de transformação do território. Vivemos um período que é uma crise, pela sobreposição de forças que são convergentes no tempo – agem simultaneamente; e são divergentes na forma e função – partem de diferentes agentes, com acções diferentes; e, diferentes nos impactos por elas gerados. Instalam-se em toda parte e a tudo influenciam. São variáveis que se chocam e incomodam, agindo e reagindo, "o movimento contrário" dos antagonismos. E aqui importa conhecer os processos, a dinâmica dos lugares, através de um modo de pesquisa aberto e dinâmico, onde não há uma afirmação de verdade total. Parece-me que alguns blogs tem trazido contributos muito válidos.


ALENTEJO: um equívoco ou uma região?


A GEOGRAFIA E A HISTÓRIA


Parte IV


No conjunto parece ser possível identificar três pólos distintos de desenvolvimento e de histórica articulação do espaço - excluindo Évora, pela sua posição e função central, não só face à região mas a todo o conjunto do Alentejo - distinguindo-os de uma área periférica, de características distintas. A possibilidade de desenvolvimento simultâneo de núcleos urbanos tão próximos remete, desde logo, para uma realidade que, sendo típica de regiões europeias que desde a Idade Média mantiveram até hoje a sua riqueza, só acha um paralelo alentejano nas terras situadas imediatamente a sul da escarpa da Vidigueira, no Baixo Alentejo.


Significa isto que encontramos condições naturais suficientemente favoráveis para levarem, à multiplicação dos centros urbanos? Parte significativa dessa prosperidade justificar-se-ia historicamente por as terras serem especialmente aptas para o cereal e a oliveira, com repercussões na prosperidade da indústria moageira e dos lagares. Na centúria de novecentos, percorrendo as colinas com vista à elaboração do Guia de Portugal, Raul Proença notara que esta região «é toda ela um olival densíssimo». Daí, talvez, a predilecção dos monarcas medievais por uma vila (Beja) com tais facilidades de abastecimento, e que, a seguir a Évora, se afirma como um dos locais privilegiados de pousada do rei, levando D. Dinis a construir aí um paço.


Ao pão e ao azeite vem juntar-se, em força, o vinho. Sobretudo em Borba que era e é um dos mais significativos centros produtores do Alentejo. Até ao século XIX repartia a posição dominante no sector com a área da Vidigueira, Vila de Frades, Vila Alva, e, tal como esta última área, tinha produtores suficientemente conscientes e organizados para fazerem ouvir o seu protesto junto do poder central, contra a invasão da cultura da vinha, que alastrava no Alentejo na segunda metade do mesmo século e na primeira metade do seguinte (à medida que também o sucesso dos trigos estrangeiros vai tornando menos competitiva a cultura arvense), e que a ameaça privar, face à concorrência de vinhos de inferior qualidade - os de Elvas, por exemplo -, de um predomínio que julgava indiscutível.


Apesar da filoxera, a implantação da vinha não parece ter mudado muito na actualidade: a maior parte das áreas que entretanto se tinham lançado na produção para o mercado não resistiram; os centros históricos de produção de vinho, pelo contrário, mantêm o seu papel tradicional como pólos de outras tantas regiões vinícolas: a do Redondo e, mais a sul, a de Reguengos de Monsaraz. juntas, com o seu prolongamento baixo-alentejano da Vidigueira, estas regiões formam uma meia-lua vinícola que, a par de outras de organização mais antiga (o Douro é a principal) vêm desfrutando de uma certa preponderância no mercado interno.


O liberalismo, a desamortização e, no século XIX mais tardio, a venda dos terrenos baldios, permitiram que aqui e no resto do Alentejo - José Cutileiro estudou o processo para o concelho de Reguengos de Monsaraz - muitos lavradores que cultivavam terras de outrem se pudessem vir a transformar, eles próprios, em senhorios rentísticos. Uma modificação real, e de vulto, só adviria com a segunda metade da presente centúria (1967), no momento em que o plano de construção de barragens no Alentejo permitiu o aparecimento de um perímetro irrigado, grosso modo, que vai do Caia a Santa Clara.


No arranque do regadio do Caia, por exemplo, embora mais de metade da área total irrigada ainda fosse ocupada por um pequeno número de 19 médios e grandes proprietários, com mais de 100 hectares cada, a restante superfície era dividida entre 694 proprietários, entre os quais 480 com menos de um hectare. O tipo de agricultura intensiva praticada - arroz, tomate - provocou ainda, tal como nos vales do Sorraia ou do Sado, um intenso movimento sazonal de mão-de-obra que veio afinal substituir-se às tradicionais migrações de «ratinhos», provenientes da Beira, aquando das ceifas, que sempre haviam sido particularmente intensas na região de, Elvas.


A profundidade das transformações registadas não chega, no entanto, para apagar aquele que parece ser, no Alentejo, o mais permanente vector de ordenamento do território, historicamente situável desde o domínio romano: o predomínio do interior face ao litoral, que é também o das terras do maciço antigo face aos terrenos sedimentares arenosos das bacias do Tejo ou do Sado. No Alto como no Baixo Alentejo. Aqui, tanto como no clima ou no regime de propriedade, está a medida da diferença em relação ao vizinho Algarve ou às regiões situadas a norte.


CONTINUA...



publicado por albardeiro às 01:12
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De Plancie Herica a 6 de Maio de 2004 às 23:11
Duas notas:
- O Plano de regadio da década de sessenta não esquecia a importância vital que tem o escoamento das produções. Quantos projectos têm falhado por se preocuparem apenas com a produção esquecendo estulticiamente o escoamento condigno e rentável dos produtos?...
- O esquema social e político que vivemos hoje no Alentejo, advem, em grande medida, da venda de baldios a que o liberalismo arrogante e cego sujeitou esta região. Desestruturou-a, desequilibrou-a e deixou-a em chaga. Nas 'Histórias do Alentejo' que tenho vindo a publicar concluir-se-á mais adiante esta evidência...

Um abraço,
Francisco Nunes


Comentar post

pesquisar
 
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

FAZER DE CONTA

arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds