Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Domingo, 20 de Junho de 2004
Alentejo e Alentejano

II PARTE


No pólo oposto, protótipos da cidadania alentejana, elevada às alturas de respeitabilidade cívica, erguem-se o Condestável e os homens da sua hoste que alevantaram contra os Castelhanos, em Atoleiros, Aljubarrota e Valverde, a muralha das lanças e das almas indomáveis (hoje, vamos a eles outra vez...!).


Mas, com frequência, estes dois tipos coexistem, em proporções diversas, no mesmo ser. E essa fusão de contrastes que dá ao alentejano o seu carácter complexo e rico até à impressão de antinomia viva. Na história, o que caracteriza o alentejano é a inquietação, a fome de espaço e, mais do que isso, aquilo a que o Ratzel chamou o sentido do espaço e dos seus valores, que nas grandes individualidades pode fundir um supermaltês com um superpastor, aliando às capacidades de orientação, tão agudas nos nómades, as qualidades de mando de quem vê do alto da consciência superior os restantes humanos.


Por paradoxal que pareça, talvez na história do Brasil se possa, de preferência, medir esse valor do alentejano. Tomemos por exemplo três tipos correspondentes a três séculos: Marfim Afonso de Sousa, natural de Vila Viçosa que por lá andou durante os anos de 1531 a 1533; António Raposo Tavares, de Beja que aí viveu desde 1624 a 1659; e D. António Rolim de Moura Tavares, natural de Moura, que exerceu funções de governo no Brasil desde 1751 a 1770.


Todos eles, para o feliz desempenho das missões que lhe foram confiadas, necessitavam, em alto grau, do sentido do espaço aliado à consciência do seu valor na formação territorial do Estado. Ao primeiro, coube desviar para leste, contra a letra expressa do Tratado de Tordesilhas, o meridiano de demarcação e dar uma capital geográfica ao Brasil, tarefa de conjunto que visava criar um estado orgânico e viável. Por seu mandado, Pêro Lopes de Sousa plantou padrões reais na foz do Paraná e Diogo Leite no delta amazónico; e ele próprio fundou Piratininga, gérmen urbano de São Paulo, cujos bandeirantes realizaram e ampliaram aquele Brasil ultra-tordesilhano.


A Raposo Tavares pertenceu bem mais árdua missão: expulsar os jesuítas espanhóis dos territórios hoje pertencentes aos Estados do Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso, e verificar quais os possíveis e mais amplos limites com a América Espanhola, o que levou a cabo com uma das maiores explorações de todos os tempos - a bandeira que, sob o seu mando partiu em 1648 de São Paulo, para se internar até aos Andes e cortar de Sul a Norte a actual Bolívia, baixando o Guapai-Mamoré-Madeira, afluente do Amazonas, a cujo delta chegou passados três anos, em 1651, depois de percorrer cerca de 10 000 quilómetros no interior do continente.


Finalmente, a D. António Rolim de Moura, primeiro governador de Mato Grosso, incumbiu a função de consolidar a fronteira ocidental do Brasil, resultante do Tratado de Madrid, para o que teve de povoá-la, fortificá-la e defendê-la, de armas nas mãos, contra os assaltos dos espanhóis. Homem de Estado e de ciência, foi o primeiro que traçou, com o rigor científico possível no seu tempo, o mapa da célebre estrada fluvial das monções, que desde São Paulo levavam aos limites com a Bolívia. Dir-nos-ão os cultos e agudos leitores que a visão geopolítica e o poder do mando, aliados ao zelo de servir o Estado, foram comuns a outros portugueses não alentejanos como Afonso de Albuquerque.


É certo, a prática secular das navegações oceânicas deu a muitos portugueses em alto grau, o sentido ratzeliano do espaço. Mas no caso do alentejano esse super-sentido era produto duma formação cultural congénita e ecológica. Vinha-lhe das raízes afundadas na terra. E convencemo-nos de que não é por mero acaso que Martim Afonso, Raposo Tavares e Rolim de Moura estão intimamente ligados à história homérica da formação territorial da Nação Continente.


CONTINUA



publicado por albardeiro às 11:50
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

arquivos

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds