Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Domingo, 21 de Fevereiro de 2010
“ADMIRÁVEL MUNDO NOVO”

A premonitória visão de Aldous Huxley quando em 1932 escreveu o seu famoso livro Brave New World, parece estar em vias de se concretizar. O brutal condicionamento a que estão sujeitos os trabalhadores, fazendo tábua rasa dos mínimos valores éticos ou morais, é o princípio que rege as sociedades hodiernas, sob o domínio do pensamento único neoliberal. O objectivo foi e continua a ser a domesticação das populações, através do que alguns designam por “biopoder”. O resultado deste processo traduz-se num nível esmagador de controlo e numa terrível dominação que atinge todas as esferas da vida colectiva e individual, visando o que o filósofo José Gil designa por “fabricação de subjectividades obedientes”.


            O mecanismo é relativamente simples mas extremamente eficaz. Com o fim das veleidades democráticas nas últimas décadas do século XX, assoberbadas pela investida de um neoliberalismo triunfante (mais ou menos travestido de “terceira via”), as conquistas civilizacionais próprias das sociedades avançadas – que ficaram plasmadas na tríade axiológica universal da liberdade, igualdade, fraternidade – sofreram um rude revés. A partir de então, a lógica de organização social e de exercício do poder passaram a basear-se em princípios canónicos muito diversos: castração, discriminação, competição desenfreada. Dir-se-ia que, a coberto de uma capa de modernidade reiterada ad nauseum pelos porta-vozes servis desta nova ordem, regressámos, pelo contrário, às mais brutais injustiças das sociedades arcaicas ou à violência da exploração do que se convencionou designar por “capitalismo selvagem” da centúria de oitocentos. Os resultados estão bem à vista: precariedade laboral, desemprego generalizado, sujeição a condições de trabalho e de vida cada vez mais arbitrárias e miseráveis. Uma autêntica revisitação do passado. 


            Entramos agora numa fase mais sofisticada deste sistema. Já não basta excluir pelo despedimento, mas sim esmagar aqueles que (ainda) trabalham pelo medo e sujeição absoluta. A obediência cega às hierarquias impostas e a concorrência feroz entre os indivíduos, paralisa qualquer atitude de inconformismo e muito menos de protesto. Daí a sistemática campanha levada a cabo contra os sindicatos e as organizações de trabalhadores – veja-se a ostracização implacável de que têm sido vítimas por parte dos governos PS-Sócrates – bem como as constantes pressões e ameaças a todos aqueles que não aceitam de bom grado as imposições da tristemente famosa “flexi-segurança” ou a discricionariedade de caprichosas “deslocalizações”. Nem sequer falta o sucedâneo da droga “soma” que no futuro de Huxley permitia aos cidadãos do “admirável mundo novo” dissipar qualquer dúvida ou inquietação. A teologia do mercado e o sacrossanto consumo – de que os “centros comerciais” constituem o expoente máximo – bem servido pelo fast food televisivo e pela alienação mais completa dos mecanismos low cost de integração social, aí estão para servir de paliativos eficazes para a condição da subserviência. Não falta sequer um sistema tão totalitário quanto perverso de avaliação individual do desempenho.


            Entendamo-nos. A avaliação é um processo fundamental para a melhoria da qualidade do trabalho e, dessa forma, um instrumento privilegiado de valorização individual. Mas não é com estes propósitos que o actual sistema funciona. Pelo contrário, pretende-se, por um lado, uma rigorosa codificação e rotinização de procedimentos que eliminem qualquer criatividade, envolvimento pessoal ou inclusive a possibilidade de melhoria das acções empreendidas, segundo uma lógica meramente instrumental, ditada superiormente e quantas vezes de duvidosa moralidade ou mesmo legalidade. Por outro lado, pretende-se o estabelecimento de uma rígida hierarquização de estatutos que, sobretudo, visa seleccionar e excluir e não corrigir ou formar melhor. O que alguns autores já apelidam de “homem avaliado”, como tipo social da contemporaneidade, mede-se pela posição ocupada nos vários rankings a que se está sujeito. A avaliação transforma-se, por esta via, num verdadeiro mecanismo de poder, dissolvendo qualquer preocupação deontológica ou ética profissional. A relação que cada um estabelece com os outros está dependente das performances que consegue alcançar. Sobrevém uma sensação de impotência perante as injustiças e de inferiorização das capacidades, tanto mais acentuada quanto os avaliados se encontram numa posição de subalternidade face aos avaliadores – na maioria das vezes, agindo como juízes em causa própria – e na medida em que estes últimos nunca estarão sujeitos à avaliação recíproca dos primeiros. O avaliador tem, assim, todo o poder mas não tem a autoridade, que apenas existe quando esse poder é livremente reconhecido, o que só é possível num ambiente de partilha, de confiança mútua e de lealdade voluntária. Por isso, os casos de arbitrariedade e de prepotência sucedem-se.


            A avaliação tende a cobrir a totalidade da existência individual, ultrapassando largamente o campo profissional e imiscuindo-se mesmo nas esferas mais privadas dos sentimentos e dos afectos. Deixamos de viver com os outros, para passarmos a viver por comparação aos outros. Substitui-se a colaboração e a solidariedade por uma violenta concorrência e pela total falta de escrúpulos. Estamos em pleno reino do “salve-se quem puder”. A busca de compensações (prémios ou promoções) e a ameaça de desemprego, criam constantes estados de ansiedade e pânico. Como um jogo de soma zero, o êxito de cada um parece estar cada vez mais dependente do insucesso dos outros. Instala-se um verdadeiro processo de desumanização. A consideração e atenção para com os colegas desaparece, assim como a partilha de informações e a entreajuda. A vítima de discriminação ou iniquidade laboral sente-se isolada e sabe que não tem ninguém que venha em seu auxílio. A própria experiência do desemprego é vivida como um fracasso pessoal, com sentimentos de culpa e auto-exclusão assentes na crença induzida da falta de competência para o cumprimento das tarefas atribuídas, como um autêntico atestado de incapacidade inerente ao desempregado e não como o resultado da injustiça social e dos condicionalismos económicos e políticos de uma ordem neoliberal que incentiva estes atropelos à dignidade dos cidadãos. Este isolamento do indivíduo contemporâneo tem efeitos destrutivos na coesão social e na vida pessoal. Atingimos o grau mais elevado da alienação. O desespero e a depressão são os seus corolários lógicos, como o demonstra a recente vaga de suicídios na France Télécom.


Em entrevista ao jornal Público (30/1/10) o psiquiatra Christophe Dejours, especialista no estudo da relação entre o trabalho e a doença mental, revela-nos um episódio de um estágio de formação em França para responsáveis superiores de recursos humanos verdadeiramente arrepiante. Conta-nos este autor que, no início do curso, cada um dos 15 participantes recebeu um gatinho que deveria cuidar. Como é natural, as pessoas acabaram por se afeiçoar ao gato que lhes tinha sido atribuído. No final da semana de duração do curso, o formador deu a todos a ordem de… matar o seu gato. Um dos formandos não o fez e ficou gravemente doente, mas os restantes 14 mataram os respectivos gatos… e ninguém lhes estava a apontar uma arma à cabeça! O objectivo do estágio era, precisamente, aprender a ser impiedoso na relação com os outros. Atravessamos, sem dúvida, uma época singular, que o sociólogo Boaventura de Sousa Santos caracteriza acertadamente como “fascismo social”.


 


Hugo Fernandez



publicado por albardeiro às 21:38
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Fevereiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


posts recentes

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

A LIÇÃO

SALVE-SE QUEM PUDER

ESCOLHA RACIONAL

VERDADE E CONSEQUÊNCIA

PRAÇA DA JORNA

CONTAS

FAZER DE CONTA

arquivos

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds