Albardas e Alforges... nunca vi nada assim! Minto... já vi!
Terça-feira, 27 de Julho de 2004
ALENTEJO: um equívoco ou uma região?

A GEOGRAFIA E A HISTÓRIA


Parte V


O modelo de desenvolvimento económico imposto ao país nas últimas décadas coloca por sua vez alguns problemas em termos de riscos de desertificação. Com efeito, importa referir que a litoralização da economia, ao induzir o progressivo despovoamento do interior, acentua tendências de desertificação fisica. Assim, as consequências do abandono dos campos do interior - que se vem verificando de algumas décadas para cá, mas que se acelerou nos últimos anos - estão patentes na degradação da paisagem e no desequilíbrio da flora. O abandono dos sistemas produtivos vigentes facilita ainda a propagação dos fogos florestais, com consequências sociais, económicas e ambientais de enorme gravidade. Com efeito, a ocupação humana tem sido historicamente um elemento contrário à degradação ambiental nessas zonas. Noutros tempos, que o tempo/hoje economicamente já não comporta, da ancestral utilização de matos para as camas dos animais, juntamente com a recolha de lenha, reduzia os riscos de incêndio. Os hábitos alimentares conferiam significado económico às produções ecologicamente adaptadas. É o caso do consumo do pão de trigo e de centeio, do azeite, do vinho, do porco de montado, e até de frutos secos como as chamadas "passas" de figo, abrunho e da utilização da alfarroba.


O desenvolvimento do sector agrícola nacional far-se-á num quadro de profundas mudanças decorrentes nomeadamente:


 * do processo de consolidação da União Económica e Monetária e do modelo geral de desenvolvimento que este processo impõe;


* do alargamento da União Europeia;


* da actual/próxima reforma da PAC;


* da reabertura de negociações multilaterais no âmbito da Organização Mundial do Comércio, tendentes à liberalizarão dos mercados agrícolas.


Estas mudanças reflectir-se-ão fatalmente numa ainda maior exigência relativamente à competitividade do sector agrícola, a qual só é possível com uma redução dos custos de produção ou através do carácter genuíno dos produtos, que lhes confere um elevado valor acrescentado.


Neste contexto de mudança, largos sectores da nossa agricultura não têm condições para ser competitivos. Uma das vias para ultrapassar esse bloqueamento consiste na valorização dos produtos regionais tradicionais, promovendo o seu carácter genuíno.


Por outro lado, haverá que reconhecer o importante papel dos agricultores na conservação do ambiente e dos recursos naturais, e na protecção do espaço natural e da paisagem. Ora, embora não sejam ainda conhecidas as grandes linhas de reformulação da PAC, é possível prever que se mantenham, provavelmente com maior expressão financeira, as ajudas aos agricultores que prossigam práticas agrícolas compatíveis com a conservação dos recursos naturais e a protecção da paisagem rural. É também previsível que os critérios de atribuição das ajudas sejam mais exigentes, designadamente na sua componente ambiental. As preocupações ambientais vão estar presentes, aliás, em todas as medidas de política promovidas pela União Europeia, nomeadamente no que se refere ao investimento nas explorações agrícolas.


A terceira possibilidade prende-se já com a problemática do desenvolvimento rural e tem a ver com a necessidade de as actividades não agrícolas do meio rural virem a contribuir para uma maior diversificação do tecido económico e social das zonas rurais, proporcionando aos agricultores rendimentos complementares significativos. Caso a (nova) PAC venha, como se pensa, a consubstanciar apoios para esta orientação, estes poderão permitir a redução da tendência verificado nas últimas décadas de abandono da actividade agrícola, possibilitando a manutenção das explorações agrícolas em muitas regiões onde esta é a actividade económica predominante, como é o caso da nossa região.


CONTINUA



publicado por albardeiro às 19:15
link do post | comentar | favorito
|

pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

ESTADO DA QUESTÃO

EUROPA

ECONOMIA POLÍTICA

A MENTIRA

ELEIÇÕES

TIROS NO PORTA-AVIÕES

A NOVA ORDEM

INFORMAÇÃO

ERA UMA VEZ

ILUSÃO FATAL

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Janeiro 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds